Política

Política

Veja como foi o debate eleitoral na TV Gazeta/Estadão/Jovem Pan com os candidatos a presidente

Debate foi transmitido pela TV Gazeta, Estadão e rádio Jovem Pan

Transmitido no domingo, 9, pelo EstadoRádio EldoradoTV GazetaRádio Jovem Pan e Twitter, este foi o terceiro debate entre os presidenciáveis nas eleições 2018. As discussões foram marcadas pela defesa da não violência.

 

Acompanhe ao vivo o debate com os governadores realizado pelo Estado e pela TV Gazeta

 

Ao iniciar suas falas, Geraldo Alckmin (PSDB)Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) enfatizaram a necessidade de se pacificar a sociedade, em referência ao atentado em que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi atingido por uma facada, na última quinta-feira, em Juiz de Fora (MG), e segue internado.

 

Participaram ainda Ciro Gomes (PDT), Alvaro Dias (Podemos) e Guilherme Boulos (PSOL), que, em suas considerações finais, evocaram a necessidade de mudanças no atual cenário político nacional. Ciro conseguiu falar de suas propostas em busca da massa de eleitores indecisos. Alvaro Dias, em suas falas, tentou cristalizar a imagem do candidato contra a corrupção e clamou pela necessidade de "refundação da República". Boulos disse mais de uma vez que pode fazer um governo diferente "porque não tem rabo preso". Criticou banqueiros e falou da invisibilidade dos pobres. 

 

Apesar de ter confirmado presença, Cabo Daciolo (Patriota) anunciou que não iria comparecer ao encontro. O PT ainda não indicou o candidato à Presidência da República após o TSE barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato


No primeiro bloco, o atentando sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro foi um dos temas em debate. Os presidenciáveis pediram a pacificação da sociedade. No segundo, assuntos como Operação Lava Jato e a condenação do ex-presidente Lula entraram na discussão. O terceiro bloco trouxe à discussão o aumento de salário no Judiciário e os problemas de saneamento básico do País. No quarto bloco, candidatos fizeram acenos às mulheres, debateram cultura e segurança pública após serem questionados pelo Twitter


Acompanhe tudo pela hashtag #GazetaEstadaoJP no Twitter. 

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 21h17

    09/09/2018

    Ficamos por aqui! Obrigado por acompanhar o debate TV Gazeta/Estadão/Jovem Pan entre os presidenciáveis das eleições 2018 pela nossa transmissão minuto a minuto! Até a próxima!

     

    Siga o Estadão Política no Twitter e no Facebook para ficar por dentro de mais notícias sobre a corrida eleitoral!

  • 20h58

    09/09/2018

    'Atentado a Bolsonaro mostrou que violência não se resolve com arma', diz Marina

    A candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, disse neste domingo, que o atentado contra Jair Bolsonaro (PSL) mostra que "violência não se resolve com arma", em referência à simpatia do militar da reserva quanto a propostas de liberação das armas no País.

    "Se esse homem (que acertou uma facada em Bolsonaro) tivesse uma arma, ele teria tirado muitas vidas, não apenas a de Bolsonaro", disse Marina, após o debate promovido pelo Estadão/TV Gazeta/Jovem Pan. "O atentado mostrou que violência não se resolve com violência." (Daniel Weterman)

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

  • 20h53

    09/09/2018

    Alvaro: 'É cedo para falar que Bolsonaro está no 2º turno'

    O candidato do Podemos à Presidência, Alvaro Dias, disse que a ausência de Jair Bolsonaro (PSL), hospitalizado após ser vítima de um atentado na última quinta, representa um "ponto fora da curta" nesta corrida eleitoral.

    "A ausência do Bolsonaro é um ponto fora da curva. Temos que combater quem estimula o ódio", disse o senador, que também falou sobre a disputa por uma vaga no 2º turno. "É muito cedo para falar que Bolsonaro está no segundo turno" (Daniel Weterman)

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

  • 20h48

    09/09/2018

    'Bolsonaro foi ferido na barriga, mas não mudou nada na cabeça', diz Ciro

    O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, disse que a ausência de Jair Bolsonaro (PSL) no debate deste domingo, promovido pelo Estadão/TV Gazeta/Jovem Pan significou apenas a "a falta de uma posição de ódio".

    "A ausência de Bolsonaro no debate não acrescenta muito, a ser não a falta de uma posição de ódio", disse Ciro, após o evento. "Bolsonaro foi ferido na barriga, mas não mudou nada na cabeça. (Daniel Weterman)

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

  • 20h43

    09/09/2018

    Após o debate, Alckmin disse que não vai mudar a estratégia de campanha devido ao ataque contra Jair Bolsonaro. Quando questionado se colocaria de novo no ar as inserções mais duras contra o candidato do PSL, o tucano respondeu que sim. "Nós alertamos: o caminho não é pela bala. Vamos continuar, claro".

    Ele também citou uma declaração de Marina Silva (Rede) no debate. "Me permita uma correção. A candidata Marina Silva disse que Temer, Renan, Padilha e Moreira Franco me apoiam. Mentira. Eles apoiam o Meirelles e o Lula" (Pedro Venceslau).

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

  • 20h34

    09/09/2018

    Ciro avança no campo da esquerda

    Ciro Gomes parece ter sido o candidato que melhor aproveitou o Debate Estadão/Gazeta/Jovem Pan. O candidato do PDT mirou os eleitores de Lula, ao dizer que ele foi condenado sem provas. Mas buscou também a massa de indecisos, tentando apresentar suas propostas e formando uma inesperada dobradinha com Marina Silva, justamente a sua principal adversária na luta pelo eleitor de esquerda. (Marcelo de Moraes)

    Leia mais no BR18.

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

  • 20h32

    09/09/2018

    Durante o debate, Meirelles se confundiu e disse ser inaceitável 'mulher ganhar mais que homem'

    O candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles, cometeu uma gafe ao tentar responder uma pergunta sobre como pretende combater a desigualdade salarial entre homens e mulheres no Brasil. "É absolutamente inaceitável que mulheres ganhem mais do que homens", disse, durante debate promovido pelo Estadão/TV Gazeta/Jovem Pan/Twitter, neste domingo.

    Discretamente, Meirelles corrigiu o raciocínio em seguida e disse que homens e mulheres devem ganhar a mesma coisa. "O problema é como obrigar as empresas a seguir essa lei. Para isso, precisamos ter um governo com força e ética. Vamos, sim, punir as empresas. Precisamos ter mecanismos para reconhecer isso", disse.

    Meirelles afirmou também que, se eleito, vai preencher o conselho de administração das estatais com pelo menos 30% de mulheres. (Cristian Favaro, Mateus Fagundes e Daniel Galvão)

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

  • 20h27

    09/09/2018

    Sem Bolsonaro no debate, candidatos evitam ataques e pregam pacificação

    O debate entre os candidatos à Presidência da República promovido por TV Gazeta, Estadão, Jovem Pan e Twitter foi marcado pela defesa da não violência. Ao iniciar suas falas, Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) enfatizaram a necessidade de se pacificar a sociedade, em referência ao atentado em que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi atingido por uma facada, na última quinta-feira, em Juiz de Fora (MG).

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

    Foto: Tiago Queiróz/Estadão

  • 20h19

    09/09/2018

    Eleições 2018: veja a agenda de debates e sabatinas entre os presidenciáveis

    Candidatos ainda têm sequência de sabatinas e debates antes do primeiro turno. Veja a programação aqui.

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

  • 20h13

    09/09/2018

    Análise das considerações finais - Kleber Carrilho, professor de Comunicação Política na Universidade Metodista de São Paulo

     

    "Marina: Lembrou do ataque a Bolsonaro e, mesmo sem dinheiro, faz uma campanha de paz. Defendeu a união do Brasil e chamou a atenção principalmente do eleitorado feminino.

    Alvaro: Falou da descrença, da corrupção, do sistema que não funciona, mas não apresentou soluções. Apenas retomou, no final, o slogan da campanha.

    Alckmin: Trouxe a lembrança da Ana Amélia, a vice, para falar de pacificação e união, relacionando com temas como educação e segurança. Contra os problemas, ele se apresentou como a solução da união.

    Ciro: Apresentou-se como a mudança, citou novamente a solução do SPC, do desemprego, do subemprego, da violência contra a mulher. Disse que os eleitores devem observar mais para decidir o voto.

    Meirelles: Mostrou seu esforço para ser presidente, para mudar a vida das pessoas, para mudar o país. Afirmou que sabe como fazer tudo dar certo por suas experiências.

    Boulos: Retoma o caso Marielle e fala da invisibilidade dos pobres. Apresenta-se como o único candidato que pode restaurar a solidariedade, pois não tem o rabo preso."

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

  • 20h13

    09/09/2018

    A apresentadora Maria Lydia encerra, neste momento, o debate presidencial, e agradece a presença dos candidatos e dos telespectadores. 

  • 20h13

    09/09/2018

    Guilherme Boulos faz seus comentários finais. 

     

    "O Brasil vive uma grave escalada de ódio. O assassinato de Marielle Franco vai fazer seis meses e não sabemos quem matou e mandou matar. Os tiros na caravana do Lula... e agora uma campanha marcada pelo ódio. Esse sistema é o mesmo dos privilégios, da desigualdade, da indiferença. As pessoas perderam a capacidade de se colocar no lugar das outras. As pessoas veem alguém na calçada e passam reto. As pessoas se tornaram invisíveis. Uma criança chega no semáforo e alguém fecha o vidro do carro. A crise no Brasil é profunda, não é apenas econômica, política. É uma crise de destino, ética. Sou o único candidato com condições de enfrentar esse sistema porque não tenho rabo preso. Posso restaurar a solidariedade como modo de fazer política. Por isso, no dia 7 de outubro, vote PSOL, vote Boulos 50 contra o sistema". 

  • 20h11

    09/09/2018

    Henrique Meirelles faz seu comentário final.

     

    "Muitos me perguntam por que eu estou nesse esforço de ser candidato? Eu tenho um profundo desejo de melhorar a vida da sua família, a sua vida, dos brasileiros que estão sofrendo com a situação do País. Eu sei como fazer isso. Já presidi uma grande organização mundial. Já vi como funciona e não funciona em 32 países. Colocando isso pra funcionar criamos 10 milhões de empregos. Depois, tirei o Brasil da maior recessão da história. Junto com vocês, vamos criar mais 10 milhões de empregos. Para isso, preciso do seu voto. É só me chamar". 

  • 20h10

    09/09/2018

    BR18: Marina e Ciro falam de forma ‘mais clara’

    Ciro Gomes e Marina Silva são os presidenciáveis que se comunicaram de forma “mais clara” no debate Estadão/TV Gazeta/Jovem Pan com candidatos à Presidência, segundo maioria de indecisos monitorados pela Ideia Big Data neste momento. Leia no BR18.

  • 20h09

    09/09/2018

    Ciro Gomes faz suas considerações finais. 

    "Se você pensa que o Brasil precisa mudar, nós estamos juntos nessa batalha. O Brasil não pode continuar com 63 milhões de pessoas humilhadas com seu nome no SPC. O Brasil não pode se manter com 13 milhões de desempregados. Não podemos ficar com o coração fechado para 32 milhões de pessoas vivendo de bico. Um projeto nacional de desenvolvimento que tenha resposta para tudo isso que nos leva ao desânimo ou a à revolta. Nem desânimo nem revolta são bons conselheiros. Não decide agora. Compare os candidatos. Assista aos debates. Veja quem entregou quando teve oportunidade. Veja se há coerência, se tem compromisso com a agenda da classe média e dos mais pobres. Tenho pouco tempo na TV, mas meu site explica todas as propostas". 

    Os números citados por Ciro são verdadeiros? O Estadão Verifica já checou esses dados citados pelo candidato quando ele esteva na sabatina Estadão-Faap. Veja o resultado aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.