Vídeo compara, erroneamente, pesquisadores que estudam covid-19
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo compara, erroneamente, pesquisadores que estudam covid-19

Autora de gravação viral erra ao dizer que pesquisadores da OMS não têm citações acadêmicas

Projeto Comprova

13 de julho de 2020 | 16h29

Esta checagem foi produzida pela coalizão do Comprova. Leia mais aqui.

  • Conteúdo verificado: Vídeo afirma que mídia dá destaque a cientistas irrelevantes só pelo fato de serem pesquisadores e deixa de lado outros com influência no meio científico

Um vídeo que circula em redes sociais, publicado em 28 de junho, engana ao comparar o índice-H — métrica que avalia a quantidade de citações de artigos científicos de um determinado pesquisador — de cientistas que estudam o novo coronavírus. Na gravação, a atriz e apresentadora Karina Michelin diz que “tem um monte de gente publicando estudos de cientistas que não são relevantes, somente pelo fato de eles serem cientistas” e critica a escolha de alguns deles para entrevistas a veículos de imprensa.

Embora o índice citado na publicação seja verdadeiro, a comparação entre pesquisadores de áreas distintas e idades diferentes é equivocada. O Comprova também apurou com acadêmicos que se trata de uma métrica que quantifica qualquer menção ao pesquisador — inclusive críticas ao seu trabalho.

“O que a gente está vendo aí nessa pandemia é cientistas de pouca relevância terem tanto peso aí na internet e conseguirem que a mídia descredite aqueles que tem um H-index [índice-H] altíssimo e uma influência enorme no mundo científico”, diz Karina no vídeo.

Os três pesquisadores citados positivamente pela autora do vídeo são estrangeiros. Um deles, o francês Didier Raoult, é alvo de severas críticas por um estudo sobre a eficácia da cloroquina. Michael Levitt, britânico e ganhador do prêmio Nobel de Química, previu que o Reino Unido teria 50 mil mortes e fez críticas à política de lockdown – mesmo aplicando tal medida, o país já ultrapassou 44 mil mortes. Karl Friston, também britânico, foi citado de forma distorcida por Karina. Ela fala ainda de pesquisadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) e afirma que eles não têm índice-H, o que não é verdade.

Como verificamos?

Dois dos conteúdos viralizaram pelos perfis de Karina Michelin, autora do vídeo, no Instagram e no Facebook. Pesquisamos o nome dela no LinkedIn para descobrir qual a sua profissão e, por meio do chat do Facebook, entramos em contato para pedir mais informações sobre o vídeo. Ela nos respondeu na rede social.

A pesquisa sobre o índice-H começou em um dos comentários feitos no vídeo de Karina. Entre as mensagens, uma leitora sugere que o embate entre ciência e mídia é algo que “quem inventa só quer aparecer” e indica o link de uma notícia da revista Fapesp questionando a importância dada ao índice. O Comprova procurou a assessoria de imprensa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pediu o contato de pesquisadores que pudessem explicar como o índice-H funciona. Conversamos com o professor Abel Packer, coordenador de projetos da Fapesp e um dos fundadores da Biblioteca Eletrônica Científica Online (SciELO), e com o professor Edgar Dutra Zanotto, da Universidade Federal de São Carlos, por mensagens de WhatsApp e por e-mail. Zanotto nos enviou artigos sobre o tema.

Ainda sobre o tema de publicação de artigos científicos, recuperamos uma entrevista com o médico Reinaldo Guimarães, vice-presidente Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), feita para uma verificação sobre a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A equipe do Comprova buscou por referências acadêmicas e dos pesquisadores citados no vídeo, e por menções em veículos conhecidos para entender quem são. Também levantou os índices-H de cada um deles nas plataformas Google Scholar e Semantic Scholar, que compilam pesquisas e estudos e apresentam a quantidade de citações que cada cientista recebeu.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 10 de julho de 2020.

Verificação

Quem é a autora do vídeo?

Autora do vídeo que viralizou, Karina Michelin diz ser atriz, jornalista e apresentadora. No perfil do LinkedIn, apresenta cargo de produtora e apresentadora de um programa sobre Miami. No Facebook, onde mantém um perfil aberto, já publicou vídeos e textos questionando atitudes adotadas em meio à pandemia e recomendações feitas pela Organização Mundial da Saúde. Um dos compartilhamentos é de um texto sobre a OMS ter declarado que a transmissão de covid-19 a partir de assintomáticos é “muito rara”. A fala, investigada pelo Estadão, foi distorcida e diz respeito a alguns estudos em andamento.

No vídeo, Karina afirma que “tem um monte de gente publicando estudos de cientistas que não são relevantes, somente pelo fato de eles serem cientistas” e introduz ao espectador o “índice-H”, que mede a produção de pesquisadores com base na quantidade de citações que recebem em estudos.

Questionada pelo Comprova sobre qual o critério utilizado na escolha dos cientistas comparados, Karina afirmou ter sido clara no vídeo ao “expor os valores, mostrando que nem tudo funciona na base da moral e da ética, principalmente no mundo científico. MUITOS cientistas têm interesses escusos e a mídia sem saber ou sabendo, acaba defendendo esses interesses sem que isso seja ciência.”

Na troca de mensagens, pelo chat do Facebook, Karina disse ter citado cientistas que a mídia divulgou e apresentam “índices irrelevantes”, comparados a pesquisadores “que não tiveram espaço no Brasil, mas sim no resto do mundo”.

O que é o índice-H?

O índice-H é um indicador de desempenho de pesquisadores de acordo com a quantidade de artigos científicos publicados por cada um. Também conhecido como H-index, foi proposto pelo físico argentino Jorge Hirsch, professor da Universidade da Califórnia, San Diego. O índice é calculado contabilizando quantos papers um pesquisador publicou e quantas quantas vezes cada um desses artigos foi citado por outras publicações. “Hirsch propôs o índice-H, que é o número H de publicações que foram citadas pelo menos H vezes, como um critério para avaliar o impacto de um cientista em sua comunidade”, explicou o professor Edgar Dutra Zanotto, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), autor de um artigo que trata das limitações do índice para a comparação entre cientistas.

O professor Abel Packer, um dos fundadores da biblioteca científica SciELO, acredita que a o índice-H é importante, “desde que se considere que o valor comparativo do índice-H aplica-se a pesquisadores da mesma área temática e com suficiente número de documentos publicados para alcançar o mesmo desempenho. No limite, serve para comparar cientistas gêmeos”, exemplifica. Zanotto segue na mesma linha: “Hoje é aceito que o índice-H é fortemente dependente do campo [de atuação de cada um], criando uma barreira para uma avaliação e comparação justa da performance científica de indivíduos ou instituições de áreas diferentes”, completou.

É o que Karina Michelin faz no vídeo, ao comparar ganhador do prêmio Nobel de Química Michael Levitt, de 73 anos, com o biólogo brasileiro Átila Iamarino, de 36. Neste exemplo, há ainda uma amostra da limitação do índice índice-H: a diferença de idade. “O uso de indicadores bibliométricos baseados na prolificidade e na visibilidade (…) enfrenta múltiplos desafios, como diferenças entre a quantidade de publicações de cada um, por exemplo, por causa de diferenças de idade e de estágios na carreira; diferenças no tamanho da área de atuação de cada um, culturas de publicação e citação em diferentes comunidades; e o questionamento, em aberto, sobre se grande visibilidade significasse também grande qualidade e relevância”, informa o professor Zanotto.

Outro problema é que, mesmo quando um artigo é mencionado de forma crítica e questionado, as citações ainda contam para aumentar o índice-H do pesquisador. Foi o que aconteceu com o francês Didier Raoult, autor de um estudo polêmico sobre o uso da cloroquina e da azitromicina para o tratamento da covid-19 (leia mais abaixo). As auto-citações também entram na conta, então quanto mais um cientista remete a artigos que ele próprio escreveu, maior seu índice.

Desde que foi criado, em 2005, o índice-H passou a ser supervalorizado na academia e é visto quase como um cartão de visita entre cientistas. Mas pesquisadores como o professor Zanotto propõem formas mais amplas de avaliação. “Nós defendemos o retorno a uma avaliação mais completa, baseada em critérios como o número de convites para publicar em periódicos de reputação, convites e palestras em congressos de prestígio (…) e o impacto social e econômico do trabalho de pesquisa”, enumera.

Quantidade x Qualidade

Em entrevista ao Comprova, o médico Reinaldo Guimarães, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), explicou que os pesquisadores que mais apresentam publicações são os que conseguem mais investimentos para realizar novas pesquisas. Ou seja: a quantidade de estudos apresentados não necessariamente implica em melhor qualidade. Ele também relatou que há diversas retratações de pesquisas ocorrendo ao longo dos anos em diversas áreas.

“A gente tem tido, nos últimos dez, quinze anos, uma epidemia de retratações de pesquisas em vários campos. Não só medicina. Engenharia, física, enfim, estudos que passam por revisão por pares, revistas publicam, alguém tenta repetir o experimento que levou à publicação e não consegue repetir aquilo. Se muitos pesquisadores não conseguem reproduzir, retiram o artigo, porque outros pesquisadores não conseguiram chegar à conclusão. Isso não tem nada a ver com covid, existe até um portal, uma base de dados importante [que mostra isso] que chama Retraction Watch.”

Quem são os pesquisadores?

Michael Levitt

Michael Levitt recebeu o prêmio Nobel de Química em 2013 pelo “Desenvolvimento de Modelos Multi-escala para Sistemas Químicos Complexos” — sem ligação com epidemiologia. Nascido na África do sul, trabalhou na Inglaterra e hoje faz parte do quadro da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Seu índice-H é de 92, com 40.370 citações desde 1981.

Logo nos primeiros meses da pandemia, Levitt ganhou destaque na imprensa ao calcular o impacto que a covid-19 teria no Reino Unido, baseado em dados de contágio na China. Estimou que seriam 50 mil mortes no país, se nenhuma medida de isolamento fosse adotada. “Acredito que o verdadeiro vírus é o vírus do pânico”, disse ao jornal britânico Telegraph. Levitt defende o uso de máscaras e o distanciamento social, embora seja contra políticas mais severas como o lockdown, e também afirma ser possível alcançar uma “imunidade de rebanho” — quando um grande número de pessoas infectadas acabaria imunizando toda a população.

“O problema com epidemiologistas é que eles sentem que seus empregos servem para aterrorizar a população a fazer lockdown e isolamento social. Então você diz que vai acontecer um milhão de mortes e quando só ocorrem 25 mil você diz ‘que bom que ouviram o meu conselho’. Isso aconteceu com o ebola e com a gripe aviária, é parte da loucura”, acredita.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, até o dia 10 de julho o Reino Unido é o sétimo país em casos confirmados de covid-19, 289.677, e o terceiro em número de mortes: 44.735. O número é próximo ao calculado por Levitt. Mas, ao contrário do que ele prega, o país passou três meses em lockdown.

Átila Iamarino

Átila Iamarino é uma das principais vozes de alerta para o perigo da pandemia de covid-19 no Brasil. Biólogo, fez doutorado em microbiologia e pós-doutorado em virologia na Universidade de São Paulo. Também fez pós-doutorado na Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Seu índice-H é de 10, somando 1.394 citações desde 2011.

Fundador da maior rede de blogs de ciência em língua portuguesa, o ScienceBlogs Brasil, dedica-se à divulgação científica no YouTube e em uma coluna no jornal Folha de S.Paulo. Iamarino defende medidas de isolamento social para conter o avanço da covid-19 e critica o uso de medicamentos sem eficácia científica comprovada, como a cloroquina. Sua participação no programa de entrevistas Roda Viva, em março, bateu recorde de audiência.

Karl Friston

Karl Friston não é “especialista em covid”, como descrito no vídeo. Ele é neurocientista, membro da Royal Society (tradicional instituição britânica voltada para o estudo científico) e usa modelos matemáticos para explicar processos biológicos. Foi o criador do “mapeamento paramétrico estatístico” (conhecido pela sigla SPM), uma estatística usada na análise de atividades cerebrais monitoradas por imagens — como ressonâncias e tomografias.

O que ele vem fazendo é aplicar fórmulas estatísticas em dados da covid-19 para tentar prever cenários sobre pessoas que podem vir a ser infectadas. Friston foi descrito como “especialista em covid” no título de uma entrevista concedida ao jornal britânico The Guardian, na qual ele mesmo diz não ter expertise na área: “É uma questão a se fazer aos epidemiologistas. Eles são os especialistas”, disse à publicação. Ele é consultor do Independent Sage, órgão de estudos do novo coronavírus que atua de forma alternativa ao oficial do governo, o Grupo de Conselho Científico para Emergências (conhecido pela sigla Sage).

No vídeo, Karina afirma que Friston “afirma que a maioria das pessoas são imunes ao coronavírus. Diz que 80% das pessoas não são suscetíveis ao vírus”. No entanto, a fala do neurocientista foi distorcida. Em entrevista à UnHeard, Friston projeta que há entre 50% e 80% de pessoas não-suscetíveis ao vírus no Reino Unido — e não em todo o mundo. Durante a entrevista, deixa claro que a taxa de suscetibilidade, na sua visão, é diferente em cada país e não necessariamente significa imunidade ao novo coronavírus. Ele também ressalta, mais de uma vez, que trabalha com probabilidades e que depende de dados como quantidade de testes feitos e quantidade de óbitos pela covid-19.

O índice-H de Friston é de 234. Ele já teve 250.415 citações registradas desde 1994 e tem 60 anos.

Eurico Arruda

Eurico Arruda, descrito apenas como pesquisador no vídeo, é médico e professor de virologia do Departamento de Biologia Celular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (FMRP-USP). Ele foi presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) entre 2014 e 2015 e é membro da Academia Americana de Microbiologia. Atualmente, coordena estudos sobre o novo coronavírus no Centro de Pesquisa em Virologia (CPV).

No vídeo, Karina afirma: “Eurico Arruda, pesquisador, diz que os coronavírus não induzem a imunidade duradoura e protetora, mas ele reza para estar enganado”.

Em entrevista ao Estadão, em 3 de maio, ele afirmou que para alguns tipos de vírus a imunidade adquirida é permanente, como no caso do sarampo. Mas isso não se aplica aos vírus respiratórios, que são diversos e não guardam “imunidade cruzada” entre eles. “Por isso você passa a vida inteira, vive 80 anos, tendo resfriados. Você não se imuniza contra eles”, explicou. Uma imagem da entrevista é mostrada no vídeo de Karina ao se referir ao médico.

Estudioso da família dos coronavírus desde antes da pandemia do Sars-CoV-2, Arruda declarou mais de uma vez que a presença de anticorpos no organismo não significa imunidade da doença. No caso do novo coronavírus, ele explicou que ainda não se sabe se ele possui capacidade de persistência, ou seja, de permanecer latente no organismo mesmo após o paciente se recuperar.

Arruda declarou à National Geographic, em abril, que outros coronavírus persistem no corpo. “Significa que, mesmo depois que a infecção aguda passou e que o paciente está curado, o vírus não se acabou. Fica ali por um tempo bastante longo até, que pode ser de alguns anos. Se esse novo coronavírus persistir, pode ser que o paciente se cure, não tenha mais sintoma, mas siga eliminando o vírus e sendo fonte de contágio para outras pessoas.”

Um estudo coordenado por ele analisa um medicamento usado no tratamento de pessoas com Aids no combate à covid-19.

Arruda tem um índice-H de 33 e soma 4.041 citações desde 1994.

Didier Raoult

O microbiologista francês Didier Raoult é descrito no vídeo como “um dos pesquisadores franceses mais citados e virou o mais polêmico”. Raoult dirige o Instituto Hospitalar Universitário Méditerranée Infection (IHU), fundado por ele, e já foi premiado com o Grand Prix Inserm, prêmio científico de destaque na França, por pesquisas sobre vírus constituírem um reino à parte. Conhecido por frases polêmicas, já disse que Charles Darwin, autor da teoria da evolução, “só escreveu bobagem”.

Em março deste ano, Raoult publicou um estudo afirmando que o uso da cloroquina teria curado 75% dos pacientes com covid-19 em seis dias. No entanto, seis dos 26 pacientes testados foram excluídos da pesquisa porque não completaram o tratamento. Desses, um morreu, três foram parar na UTI, outro desistiu por sentir náuseas e o último decidiu deixar o hospital.

O estudo foi alvo de críticas da revista Science, referência em pesquisas científicas, e seus resultados foram questionados e considerados incompletos. Muitas críticas apontaram que o estudo de Raoult não apresentava grupo de controle e que, por isso, os casos estudados eram isolados e que o tratamento com hidroxicloroquina não apresentava comprovação científica.

Em abril, a International Society of Antimicrobial Chemotherapy e a Elsevier, responsáveis pela revista que publicou o artigo, reconheceram a existência de questionamentos sobre o conteúdo e anunciaram um novo processo de revisão independente.

As polêmicas em torno da pesquisa de Raoult sobre a hidroxicloroquina já repercutiram em jornais brasileiros como Folha de S. Paulo e Estadão. A discussão também já esteve presente em checagens do Comprova sobre pesquisas que alegavam ataques à cloroquina e que alardeavam eficácia do uso da medicação em estudo.

O índice-H de Raoult é de 180. Aos 68 anos, ele já teve 157.174 citações registradas desde 1995. O perfil da Piauí diz que o cientista “se vangloria de um prodigioso número de publicações e citações, algo que, como dado estatístico objetivo, ele considera a melhor medida de seu próprio valor como pesquisador”. No entanto, o texto aponta que Raoult apresenta alta quantidade de publicações “porque assina seu nome em quase todos os artigos produzidos por seu instituto.”

João Viola

Descrito como pesquisador no vídeo, João Viola é médico, presidente do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e pesquisador do Instituto Nacional do Câncer (Inca). No vídeo, Karina afirma que ele disse que o “uso da cloroquina contra o covid-19 é perigoso, carece de evidência e tomou aspecto político e inesperado”. Ela se refere a um parecer assinado por Viola e outros integrantes da SBI em 18 de maio.

O texto menciona pesquisas realizadas com a hidroxicloroquina e afirma que “ainda é precoce a recomendação de uso deste medicamento na covid-19” pela falta de comprovação da eficácia da droga em casos de covid-19. O parecer também cita as controvérsias em torno da pesquisa coordenada por Didier Raoult, conforme apresentado anteriormente neste texto, e pede que se priorize investimentos em outras possibilidades de medicamentos para obter “maior número de terapias com potencial efetivo no tratamento da covid-19”.

A nota foi publicada três dias após o Ministério da Saúde anunciar que estava prestes a divulgar o protocolo para o uso da cloroquina em casos leves do novo coronavírus – desde março, a pasta previa o uso do medicamento para casos graves e críticos. O protocolo foi lançado em 20 de maio, dois dias depois da nota da SBI.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já divulgou que ainda não existe vacina ou medicamento específico para prevenir ou tratar a covid-19, e que os tratamentos aplicados até o momento são para “aliviar os sintomas” dos infectados. No mesmo protocolo em que recomenda o uso da cloroquina para casos leves, o Ministério da Saúde ressaltou “que não existem evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de terapia farmacológica específica para a covid-19”.

Viola possui um índice-H de 31, com 3.962 citações desde 1996.

Tedros Adhanom

Descrito no vídeo como “político, biólogo e pesquisador que não possui H-index”, Tedros Adhanom Ghebreyesus é etíope e formado em biologia, com mestrado em imunologia de doenças infecciosas e doutorado em saúde pública. Já atuou como ministro da Saúde da Etiópia (2005-2012) e também ministro das Relações Exteriores (2012-2016). Ele é alvo de diversas críticas em seu país, acusado de ter minimizado vários surtos de cólera entre 2006 e 2011, atrasando a adoção de medidas para tentar conter a crise.

Enquanto ministro, voltou a atenção à ampliação dos serviços públicos de saúde na Etiópia. Em 2009, foi eleito presidente do Conselho Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária.

Eleito para o cargo de diretor-geral da OMS em 2017, Adhanom contou com voto do governo brasileiro e tornou-se o primeiro africano eleito para chefiar o órgão. Também é o primeiro a ocupar o cargo sem formação médica.

No vídeo, Karina diz que o diretor da OMS não tem índice-H. Embora ele não tenha perfil acadêmico registrado no Google Scholar, apresenta um no portal Semantic Scholar. Aos 55 anos, Adhanom tem índice-H de 17, com 1.349 citações desde 1996.

Michael Joseph Ryan

Michael Ryan é diretor-executivo do Programa de Emergências da OMS e gerência emergências globais há quase 25 anos. Desde 1996 ele integra a unidade de resposta para ameaças de novas doenças e epidemias. Médico formado pela Universidade Nacional da Irlanda, em Galway, possui formação voltada para a área de epidemiologia.

Ryan foi coordenador operacional da resposta da OMS à epidemia de SARS (2003) e conselheiro sênior da iniciativa global para a erradicação da pólio (2013 a 2017).

Diferentemente do que afirma Karina no vídeo, ele nunca foi funcionário da Fundação Bill e Melinda Gates; ele trabalhou em parceria com a fundação durante ações para erradicação da pólio em países do Oriente Médio. A iniciativa também contou com a participação de outras organizações.

No vídeo, Karina afirma que Ryan “não possui h-index, mas é o diretor-executivo do programa de emergências da OMS e lidera a equipe responsável pela contenção e tratamento internacional da covid”. A informação não procede.

Assim como Adhanom, Ryan não tem perfil no Google Scholar, mas sim no Semantic Scholar. Diversos homônimos de Ryan também estão na plataforma. Para encontrá-lo, o Comprova buscou pesquisas feitas pela OMS com o nome de Michael Ryan e procurou por elas no site. Por meio da busca, foi possível localizar o perfil de Ryan.

Aos 55 anos, ele tem índice-H de 22, somando 1.645 citações desde 1974. Em mais de um ano, ele não apresentou nenhuma publicação.

Maria Kerkhove

A americana Maria Van Kerkhove é descrita no site da OMS como estudiosa de zoonoses e vírus respiratórios. Consultora técnica do órgão, atuou em análises durante o surto de MERS (outra doença provocada pela família dos coronavírus) e de H1N1.

No vídeo, a citação a Kerkhove se refere a uma fala sobre uma nova onda de infecções pelo novo coronavírus. “Já a doutora Maria Kerkhove é uma epidemiologista de doenças infecciosas e, sendo a principal pesquisadora da covid-19 da OMS, disse que virá uma segunda onda porque uma proporção menor de pessoas foi infectada do que se pensava inicialmente”, diz o vídeo.

Kerkhove já trabalhou no Imperial College de Londres, universidade referência na área científica, em um conselho que analisava, junto à OMS, casos de influenza, febre amarela, meningite, MERS-CoV e ebola. Ela ainda detém o título de professora honorária na instituição.

No currículo consta que também chefiou a força-tarefa de investigação de surtos no Centro de Saúde Global do Instituto Pasteur, na França, de onde saiu para integrar o quadro de consultores da OMS.

Em perfil da The Hill, ela relata que conversa diariamente com diversos acadêmicos que estudam o novo coronavírus e busca se inteirar de novas pesquisas sobre o tema. Ela também é integrante do Consise (Consórcio para Padronização da soroepidemiologia de Influenza), composto por um comitê que reúne membros de organizações em todo o mundo, tais como o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência sanitária dos Estados Unidos, e o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

Embora o Comprova não tenha encontrado seu perfil acadêmico no Google Scholar, assim como Adhanom e Ryan, outros dois ligados à OMS, ela consta no Semantic Scholar. O índice-H de Kerkhove, com 43 anos, é de 33, somando 5.366 citações desde 2004.

Por que investigamos?

O Comprova verifica boatos, textos e vídeos sobre a covid-19, por entender que a desinformação pode custar vidas em meio a uma situação de emergência sanitária com a que enfrentamos neste momento. A pandemia já custou a vida de 69.184 brasileiros, segundo dados da Universidade John Hopkins do dia 10 de julho, e é o maior problema de saúde pública já enfrentado pelo país. Ainda assim o combate ao novo coronavírus virou tema de debates políticos entre os que defendem medidas rigorosas de isolamento social para evitar a disseminação da doença e aqueles que defendem a retomada da economia. Mesmo infectado pela covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é um defensor da volta à normalidade e do uso da cloroquina — medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da doença.

O Comprova já verificou outros conteúdos que questionavam a necessidade de isolamento social e criticavam as políticas de lockdown. Outra constante são as críticas à OMScomo em um vídeo que mostrava praças de Genebra lotadas, ou o texto que afirmava que a organização tinha se arrependido de parar as pesquisas com a cloroquina.

O vídeo verificado, em que a autora usa um índice de desempenho acadêmico para diminuir a importância daqueles que defendem políticas rigorosas contra a disseminação do SARS-CoV-19, viralizou rapidamente. Desde que foi publicado, no dia 28 de junho, foi visto 30,7 mil vezes no Instagram, 998 vezes no Youtube e teve 611 compartilhamentos e 373 interações no Facebook.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo que apresenta uma informação fora de contexto e induz a uma interpretação equivocada.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]coronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: