É falso que pesquisadores de Harvard tenham concluído que isolamento pode piorar a situação da covid-19
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que pesquisadores de Harvard tenham concluído que isolamento pode piorar a situação da covid-19

Segundo o estudo em questão, a rápida implementação de medidas duras de distanciamento social é essencial para ajudar a controlar a epidemia do novo coronavírus

Projeto Comprova

15 de abril de 2020 | 19h57

Esta checagem foi produzida pela coalizão do Comprova. Leia mais aqui

É falso o desfecho de um texto publicado em sites e redes sociais segundo o qual pesquisadores de Harvard teriam concluído que as medidas de distanciamento social impostas na maior parte do mundo contra o novo coronavírus podem “piorar a situação” da pandemia. Também não é verdade que os mesmos pesquisadores teriam referendado as medidas aplicadas na Suécia, consideradas mais leves que as da maioria dos países.

Ao contrário do que diz o texto investigado, os pesquisadores de Harvard afirmam que as simulações realizadas por eles vão ao encontro de outros estudos que concluem que a rápida implementação de regras duras para o distanciamento social é essencial para ajudar a controlar a epidemia do novo coronavírus. O estudo em questão também conclui que, sob as atuais condições, a implantação de medidas de distanciamento social em períodos intermitentes pode ser a melhor maneira de evitar que hospitais esgotem a sua capacidade de atendimento.

A pesquisa foi publicada no site científico MedRxiv, uma plataforma dedicada a divulgar trabalhos que ainda aguardam “revisão por pares” — termo que se refere ao processo de validação dos métodos e conclusões das publicações científicas por outros especialistas da área. Trata-se, portanto, de um relatório preliminar que não pode orientar práticas clínicas, destaca o Cold Spring Harbor Laboratory (CSHL). A instituição gerencia a plataforma com a Universidade de Yale e o periódico BMJ.

Ao jornal The New York Times, John Inglis, co-fundador do MedRxiv, afirmou que audiência da plataforma aumentou mais de 100 vezes desde dezembro. Isso gera preocupação porque o site, que tem como objetivo facilitar a troca de informações entre pesquisadores diante de emergências de saúde como a atual, tem sido utilizado como base para a propagação de rumores e falsidades, aumentando a desinformação a respeito da pandemia.

O Comprova verificou informações contidas em um texto do site Mix Misturado e republicado posteriormente pelo site Agora Notícias Brasil.

Falso para o Comprova é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos

O Comprova apurou a origem do boato ao pesquisar diferentes trechos do texto no Google. O resultado indica que o site “Mix Misturado” foi o primeiro a espalhar conclusões equivocadas sobre o estudo e envolver a Suécia. A investigação prosseguiu com a verificação do conteúdo do artigo usado como base pelo site “Mix Misturado”. O link do estudo original leva para um arquivo em formato PDF publicado na página do programa Dash, mantido pela biblioteca da Universidade Harvard.

Ao buscar o título do artigo – “Social distancing strategies for curbing the COVID-19 epidemic” – é possível conferir que o estudo está de fato publicado na página. Ao buscar o título no Google, encontramos o mesmo texto no MedRxiv. 

Na sequência, o Comprova realizou uma leitura do estudo e constatou diversas discrepâncias entre o que concluem os pesquisadores e o que diz o site Mix Misturado. Não há, por exemplo, nenhuma referência à Suécia no artigo, ao contrário do que afirma o site. 

Também verificamos as medidas aplicadas pela Suécia no controle da epidemia por meio de página oficial do governo local, disponível em inglês. Regras para prevenção foram adotadas — ainda que em “baixa-escala”, como defenderam as autoridades locais — desde 11 de março. Também comparamos estatísticas de casos e mortes por Covid-19 na Suécia com as de outros países da Escandinávia.

O Projeto Comprova entrou em contato com a autora do texto, Cilene Bonfim, pelo Twitter, na terça-feira, 14, para buscar esclarecimentos sobre o conteúdo, mas não houve retorno.

Nota de atualização (17/4) — A autora do texto entrou em contato com a reportagem após a publicação desta notícia e respondeu a perguntas do Comprova. Por e-mail, foi questionada a respeito das diferenças entre o que é relatado pelos pesquisadores de Harvard em artigo e o que consta no material do site Mix Misturado. Cilene Bonfim afirma que fez uma “contextualização” do relatório da pesquisa e insistiu em suas conclusões. “Não existe nenhuma informação falsa no meu artigo”, escreve. “Eu nem disse o que eu penso sobre o assunto, apenas relatei os fatos e não fatos falsos, como vocês publicaram”. O Comprova também notou uma série de edições no texto do site Mix Misturado após a publicação desta verificação, incluindo título, URL e citações checadas pela equipe.

Quem são os autores do estudo?

O estudo é assinado por quatro pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard. São eles Stephen Kissler, doutor em Matemática Aplicada pela Universidade de Cambridge e pesquisador no Departamento de Imunologia e Doenças Infecciosas; Christine Tedijanto, estudante de doutorado na área de Epidemiologia de Doenças Infecciosas; Marc Lipsitch, professor nos departamentos de Epidemiologia e Imunologia e Doenças Infecciosas; e Yonatan Grad, professor do Departamento de Imunologia e Doenças Infecciosas da instituição.

Quais são os objetivos do estudo?

O estudo destaca que alguns locais, como Cingapura e Hong Kong, conseguiram controlar a epidemia por meio de uma estratégia que envolveu testes intensivos, rastreamento dos infectados e isolamento. Outro países, no entanto, não têm bons sistemas de saúde e capacidade de testar. Entre esses dois polos na capacidade de mobilização, muitos governos estão adotando como alternativa o distanciamento social: o objetivo aqui é “achatar a curva” do contágio, evitando a lotação dos sistemas de saúde e ganhando tempo para a descoberta de uma vacina.

O estudo parte de duas preocupações. A primeira é que essas medidas de distanciamento social podem permanecer ativas por um longo período. Assim, é necessário estimar cenários futuros. Os pesquisadores destacam, também, que ainda não se sabe se o novo coronavírus está sujeito, assim como outros vírus respiratórios, a variações sazonais. Se estiver, dizem eles, deve ser mais difícil achatar a curva no inverno do que no verão.

Outra preocupação gira em torno da capacidade dos governos de proverem cuidados intensivos. A pesquisa tenta avaliar o impacto, na trajetória geral da pandemia, do aumento desta capacidade.

Como o estudo foi feito?

O estudo tem como base modelos matemáticos capazes de projetar tanto o número de infecções quanto a capacidade dos hospitais. Os cálculos levam em conta um cenário em que 95,6% dos pacientes são assintomáticos ou têm efeitos considerados leves; 3,08% requerem internação, mas não em UTIs, e que 1,32% precisarão deste cuidado crítico. 

Além disso, assumem o valor de 0,89 leito livre a cada 10 mil habitantes como o mínimo para garantir o atendimento hospitalar para a população. Esse número reflete a situação atual dos Estados Unidos. 

Os pesquisadores alertam, ainda, que os resultados devem ser entendidos como o “pior cenário” possível, pois o modelo leva em conta que cada pessoa tem a mesma possibilidade de ser infectada. Na realidade, os cenários reais contêm diferença na estrutura da população, com alguns grupos mais propensos a serem infectados e outros, menos.

A partir desses números, simulações são realizadas em diversos cenários, modificados conforme os dados usados pelos cientistas e as estimativas de variação sazonal. 

Quais os resultados do estudo?

O estudo chegou a vários resultados conforme o cenário simulado. Nos testes sem influência sazonal, os pesquisadores estimam que um período único de distanciamento social de fato reduz o pico da epidemia, mas que a infecção tem alta quando tais medidas são relaxadas. 

Outra conclusão é de que períodos mais longos com medidas duras de distanciamento social nem sempre geram reduções grandes no pico de infecção. No caso de uma “quarentena” de 20 semanas com redução de 60% no “número básico de reprodução”, o pico após o fim do distanciamento social poderia ser quase o mesmo de um cenário sem nenhuma medida. Isso ocorreria, diz o estudo, porque um distanciamento social tão rigoroso protegeria tanto a população que poucos adquiririam imunidade.

Nos cenários em que as estações do ano influenciam a epidemia, o pico ressurgente (após o fim das medidas de distanciamento social) poderia ser ainda maior que o pico caso nada fosse feito. Isso porque, neste cenário, as medidas da distanciamento social seriam encerradas no fim do outono e começo do inverno, justamente quando as síndromes respiratórias se espalham mais.

O que significa tudo isso?

É neste ponto que o site “Mix Misturado” afirma, equivocadamente, que os pesquisadores teriam concluído que o isolamento pode piorar a situação. Não é esta a conclusão. 

Em primeiro lugar, cabe destacar que ainda não se sabe se o contágio pelo novo coronavírus é influenciado pela sazonalidade. Em segundo lugar, os pesquisadores são claros ao dizer que o distanciamento social é, sim, efetivo para conter a epidemia em seu início. O que o estudo discute é a duração dessas medidas e o possível impacto delas conforme os vários cenários analisados.

De acordo com os pesquisadores, mais que longos períodos de distanciamento social, é uma estratégia intermitente com diversos períodos de distanciamento social que pode evitar que a capacidade hospitalar seja superada. A distância entre esses períodos aumentaria à medida que mais pessoas adquirissem imunidade nos intervalos das “quarentenas”.

O estudo alerta ainda que, sob as condições atuais do sistema hospitalar dos Estados Unidos, essa estratégia de períodos intermitentes de distanciamento social teria de durar até 2022. Assim, os pesquisadores indicam que se os Estados Unidos aumentarem sua capacidade de prover cuidados hospitalares intensivos, a população poderá acumular imunidade mais rapidamente e tanto a duração da epidemia quanto os períodos de distanciamento social tendem a ser menores.

Quais as conclusões do estudo?

Os pesquisadores afirmam que as simulações realizadas estão de acordo com outros estudos, segundo os quais a rápida implementação de medidas duras de distanciamento social é essencial para controlar a epidemia do novo coronavírus. 

Ao mesmo tempo, afirmam que, “na ausência do desenvolvimento de novas terapias ou medidas preventivas, como uma busca ativa pelos casos [infectados] e quarentena, medidas intermitentes de distanciamento devem ser a única forma de não sobrecarregar a capacidade hospitalar enquanto a população adquire imunidade ao vírus”.

O estudo destaca que a estratégia de impor períodos intermitentes de distanciamento social só pode ser colocada em prática se houver uma forma sofisticada de medir a prevalência da infecção na população. Na ausência dessa capacidade, a disponibilidade de leitos hospitalares pode ser usada como uma variável substituta, mas como a doença não se manifesta imediatamente após o contágio, os hospitais podem acabar sobrecarregados.

Qual a realidade da Suécia?

Ainda que o país não seja citado no artigo dos pesquisadores de Harvard, o Comprova verificou informações quanto ao cenário da pandemia na Suécia e às medidas governamentais adotadas, denominadas de “baixa-escala,” pelas autoridades locais.

Essa abordagem vem sendo criticada por especialistas de fora do governo. Em 14 de abril, 22 especialistas publicaram uma carta aberta no jornal Dagens Nyheter afirmando que as “autoridades de saúde pública falharam” e pedindo medidas mais duras.

Na comparação com os vizinhos da Escandinávia, os números suecos são piores. Para verificar isso, o Comprova utilizou estatísticas populacionais do Eurostat, o departamento oficial de estatísticas da União Europeia, e a base de dados sobre casos e mortes provocadas pelo novo coronavírus montada pela Universidade Johns Hopkins, dos EUA.

A Suécia é o maior país da Escandinávia, com uma população de 10,2 milhões de pessoas, quase o dobro de Dinamarca (5,8 milhões), Finlândia (5,5 milhões) e Noruega (5,3 milhões). O país registrou 1.203 mortes até 15 de abril, 3,8 vezes mais que a Dinamarca (309 mortes), oito vezes mais que a Noruega (72 mortes) e quase 17 vezes mais que a Finlândia (72 mortes).

A Suécia tem diversas medidas restritivas em prática. O texto do site “Mix Misturado”, também desinforma ao afirmar que os suecos “não fecharam nada e não proibiram nada” diante da pandemia do novo coronavírus, o que não é verdade. Informações retiradas de site oficial do governo da Suécia mostram que o país aplica medidas de prevenção ao menos desde 11 de março, quando decidiu proibir aglomerações e eventos públicos com mais de 500 pessoas. 

A restrição foi ampliada no dia 29, quando aglomerações e eventos de 50 pessoas ou mais passaram a ser banidas. A punição para quem organizar esse tipo de encontro vai de multa até 6 meses de prisão, e a polícia está autorizada a dispersar os indivíduos.

Ainda em março, a Agência de Saúde Pública da Suécia recomendou aulas a distância para escolas secundárias e de educação para adultos, faculdades e universidades — afetando estudantes com mais de 16 anos. Escolas primárias (6 a 16 anos) e pré-escolas não foram incluídas na medida e podem operar normalmente. 

O governo também sugeriu a adoção de home office aos trabalhadores, principalmente na região de Estocolmo, e proibiu aglomerações em restaurantes, bares e cafés — os clientes precisam comer e beber sentados, mantendo distância uns dos outros, ou levar as mercadorias para casa. Autoridades locais podem fechar estabelecimentos que não cumprirem as regras desde o dia 25 de março. 

As viagens pelo território sueco foram desaconselhadas pelos órgãos de saúde, sobretudo em zonas metropolitanas. Já para os cidadãos com sintomas de Covid-19, a orientação do governo é de que não viajem de qualquer maneira. Atualmente, vigoram ainda proibições de viagens não essenciais da Suécia para alguns países da União Europeia e de países de fora da Europa para o território nacional.

No início de abril, o governo da Suécia determinou a proibição de visitas às casas de repousos de idosos, considerado grupo de risco para o novo coronavírus. Diversas localidades do país já haviam introduzido algum tipo de medida restritiva semelhante na ocasião. Pessoas com mais de 70 anos também foram orientadas a evitar farmácias, mercados e eventos sociais.

No último dia 7, diante da escalada do número de infectados no país, o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, encaminhou proposta para que o legislativo autorize medidas mais restritivas de controle do novo coronavírus. O governo afirma considerar limitações temporárias de aglomerações, fechamento de shopping centers e outros estabelecimentos comerciais e suspensão de transporte, entre outras ações, caso a proposta seja aprovada. A ampliação dos poderes seria aplicada durante três meses, entre 18 de abril e 30 de junho.

Viralização

Desde a publicação, o link do site Mix Misturado teve mais de 21 mil interações no Facebook e 11,5 mil no Twitter, de acordo com a ferramenta de monitoramento de redes sociais CrowdTangle. Esse post foi compartilhado no Twitter por perfis como @leandroruschel o do Agora Notícias Brasil pelo perfil @rosedbarros.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: