‘Nós, brasileiros, não podemos chegar às eleições cabisbaixos’

‘Nós, brasileiros, não podemos chegar às eleições cabisbaixos’

Para juiz da Lava Jato, a população pode defender a causa do combate à corrupção escolhendo bem seu candidato nas eleições

Altamiro Silva Junior

27 Março 2018 | 05h00

Sérgio Moro. FOTO TV CULTURA

“Nós, brasileiros, não podemos chegar às eleições cabisbaixos”, afirmou o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Operação Lava Jato na primeira instância, em entrevista ao ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 26.

+++‘As coisas vão mais lentamente no Supremo’, diz Moro

+++‘Eu sequer tenho opção de cumprir ou não cumprir’, afirma Moro sobre ordem de prisão para Lula

O magistrado afirmou, ao falar da corrida presidencial, que não se pode generalizar quando se fala de políticos, mas que há “bons candidatos”. Ao mesmo tempo, segundo ele, “há outros não tão bons” e ainda existem outros ainda que “merecem juízo maior de censura”.

+++‘Espero que o STF tome a melhor decisão’, diz Moro

Ao comentar as manifestações de 2015 e 2016, Moro disse que as pessoas que saíram às ruas “fizeram uma grande diferença”. O juiz ressaltou que havia várias bandeiras, incluindo a insatisfação com a economia e com o governo anterior, mas ponderou que houve uma coisa em comum, que foi a insatisfação com a corrupção.

+++‘Tenho expectativa de que esse precedente não vai ser alterado’, diz Moro sobre prisão em segunda instância

Para o juiz, há outras maneiras de as pessoas defenderem a causa, escolhendo bem seu candidato nas eleições. “Não adianta um candidato nas eleições chegar e dizer: ‘Ah, eu sou contra a corrupção’. Não, ele tem que dizer o que ele pensa para combater a corrupção.”

+++Lula tem recurso negado e deve se tornar ficha-suja

Prisões preventivas. Moro também defendeu a prisão após o julgamento em segunda instância. “Seria ótimo esperar o julgamento final, mas isso, aliado a nosso sistema judicial, que é extremamente generoso em recursos, você tem um processo sem fim”, disse o magistrado. Ele afirmou ainda que os litígios chegam a durar mais de dez anos e alguns acabam por prescrever. “Isso na prática é impunidade.”

+++Lula pode se candidatar?

A “generosidade de recursos”, disse, é aproveitada pelos “poderosos”, que têm condições financeiras de contratar os melhores advogados. “Se alguém cometeu um crime, a regra é que tem ser punido.” Ainda na primeira parte de perguntas do programa, o juiz defendeu a redução do alcance do foro privilegiado. Alguns ministros do Supremo Tribunal, ressaltou o juiz, já declararam que o foro privilegiado não funciona muito bem. “O STF não é preparado para julgar esses benefícios.”

+++Cármen avisa a Tribunal da Lava Jato que Lula não pode ser preso

+++Defesa temia ordem de prisão para Lula e diz que vai recorrer de novo

“Posso não ter acertado sempre, mas sempre agi com a pretensão de fazer a coisa certa”, disse Moro, ao falar de suas decisões para os condenados da Lava Jato. Com o tempo, declarou, as pessoas vão entender as suas decisões. “A Operação Lava Jato revela que havia um quadro de corrupção sistêmica.”

+++Decisão do STF reacende ‘plano A’ de Lula no PT

Moro disse que “a fama é passageira” e que o sucesso da Operação Lava Jato se deve a outros nomes, entre eles o juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação no Rio. “A Operação Lava Jato não é uma operação de uma pessoa só.”