Lula tem recurso negado e deve se tornar ficha-suja

Lula tem recurso negado e deve se tornar ficha-suja

TRF-4 confirma condenação em 2.ª instância e prisão depende de análise do STF; petista pode ficar inelegível se TSE enquadrá-lo com base na Lei da Ficha Limpa

Ricardo Brandt, enviado especial a Porto Alegre, Julia Affonso, Fausto Macedo, Igor Gadelha e Caio Sartori

26 Março 2018 | 22h04

Lula em Foz do Iguaçu (PR) nesta segunda-feira, 26. FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, negou nesta segunda-feira, 26, os embargos de declaração de Luiz Inácio Lula da Silva, recurso final da defesa na segunda instância da Operação Lava Jato. O resultado confirma a decisão colegiada da Oitava Turma da Corte – que condenou o ex-presidente a 12 anos e um mês de prisão – e deverá levar Lula a ser considerado ficha-suja pela Justiça Eleitoral, impedindo que ele se candidate novamente à Presidência da República.

+++Lula pode se candidatar?

Ao negar o recurso, o TRF-4 também abriu caminho para o início da execução da prisão imposta ao petista. Uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal, porém, determina que o ex-presidente não pode ser preso até o dia 04 de abril, antes da análise do mérito do habeas corpus preventivo apresentado por sua defesa.

A decisão unânime da Oitava Turma encerra a fase de recursos suspensivos na ação penal relativa ao caso do triplex do Guarujá (SP) e libera o juiz federal Sérgio Moro para a execução da pena – que agora depende da análise do HC pelo Supremo. Lula foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Após a sessão ser aberta, o desembargador Leandro Paulsen, presidente da Turma, passou a palavra ao relator da Lava Jato, João Pedro Gebran Neto, para que fizesse a leitura de seu voto. Na análise dos embargos, ele admitiu apenas “erros materiais” e concordou em corrigir o nome de registro da OAS na sentença – ora como Grupo OAS, ora como OAS Construtora e ainda como OAS Empreendimentos –, sem alterar a sentença. Os votos duraram aproximadamente 12 minutos. Paulsen e Victor Laus seguiram integralmente a decisão do relator.

+++Cármen avisa a Tribunal da Lava Jato que Lula não pode ser preso

O desembargador negou ainda outras duas petições da defesa, apresentadas posteriormente, questionando pontos de prova do processo, já encerradas em fase processual. Os embargos têm como objetivo questionar pontos da redação da sentença e não mais provas do processo.

A defesa de Lula tem direito ainda a entrar com recurso especial junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e com recurso extraordinário no Supremo, mas o entendimento do tribunal é de que eles não têm efeito suspensivo.

A defesa informou que vai aguardar a publicação do acórdão para saber qual tipo de recurso será apresentado. Os advogados do ex-presidente haviam apontado 38 omissões na decisão, 16 contradições e cinco “obscuridades”.

+++Lula ficha-suja

Inelegível. Na avaliação de advogados e juristas, somente a Justiça Eleitoral terá competência para tornar o ex-presidente inelegível, a partir do momento em que ele registrar sua candidatura – o prazo para esse registro expira em 15 de agosto. Depois disso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) terá até 17 de setembro para analisar o caso, a três semanas da eleição.

+++Defesa temia ordem de prisão para Lula e diz que vai recorrer de novo

“A lei fala que o candidato pode seguir até o trânsito em julgado”, afirma o advogado Alberto Rollo, professor de Direito Eleitoral na Universidade Presbiteriana Mackenzie. “O TSE, que analisa ordinariamente as candidaturas de presidente, não poderá analisar ou modificar o mérito da ação criminal”, observou Karina Kufa, coordenadora do curso de Direito Eleitoral da Faculdade do IDP-São Paulo. “Lula poderá, no entanto, a partir do momento do pedido de registro, efetuar todos os atos de campanha. Além disso, ele terá a possibilidade de pedir substituição até 20 dias da eleição caso não consiga o indeferimento.”

+++Decisão do STF reacende ‘plano A’ de Lula no PT

A decisão já repercutiu entre os políticos e presidenciáveis. “Pela legislação brasileira, ele (Lula) está inelegível. Agora, se vai continuar recorrendo, se vai fazer o registro independente da lei e em posições divergentes a isso, aí é um problema dele. É um direito dele”, disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também pré-candidato ao Planalto.

“Lula não pode ser candidato e essa decisão de hoje (segunda-feira) somente corrobora esse entendimento”, afirmou o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

+++‘Princípio Lula’ leva Justiça a soltar acusado de roubo em Brasília

Advogado de Lula, o criminalista José Roberto Batochio afirmou que o ex-presidente não pode ser considerado ficha-suja. “Não é (ficha -suja) porque a decisão não transitou em julgado e este julgamento ainda não acabou”, afirmou ele, após o julgamento.