Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Nas redes, críticas a Bolsonaro superam apoio na crise do coronavírus

Desde o dia 15, 1,4 milhão de usuários do Twitter criticaram Bolsonaro e 1,2 milhão o defendeu, mostra levantamento

Bianca Gomes e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 05h00

O número de opositores do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais superou o de apoiadores nas duas últimas semanas. Desde que Bolsonaro foi a um ato contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal em frente ao Palácio do Planalto, em meio à pandemia do coronavírus, 1,4 milhão de perfis do Twitter atacaram o presidente, enquanto 1,2 milhão o defendeu. O levantamento foi feito pela consultoria Bites entre os dias 15 e 26 de março, com base em hashtags (palavras-chave) relacionadas ao mandatário na plataforma.

Embora a rede de apoio ao presidente Jair Bolsonaro na internet continue coesa, a circulação de informações sobre como está sendo o combate ao coronavírus no resto do mundo favorece a oposição, na visão de analistas ouvidos pelo Estado. Segundo eles, histórias reais de pessoas que tiveram a doença e o aumento do número de mortos pela covid-19 também devem reduzir a adesão à tese defendida pelo governo, de que a situação não é tão grave quanto parece e que o isolamento social só deve ser aplicado aos idosos.

No período da análise, Bolsonaro minimizou os efeitos do coronavírus, uma “gripezinha”, em suas palavras, fez um pronunciamento em rede nacional de TV para criticar medidas de isolamento social, como o fechamento do comércio e de escolas, e intensificou o embate com governadores, a ponto de discutir com o paulista João Doria (PSDB) durante uma reunião por videoconferência

Embora a quantidade de apoiadores do presidente tenha sido menor, eles fizeram mais publicações: 5,1 posts por perfil, em média, ante 2,1 mensagens de cada opositor. Isso mostra que, mesmo perdendo espaço nas redes sociais, os simpatizantes de Bolsonaro estão atuando para não deixar a narrativa da oposição ficar mais forte, segundo o professor da FGV Marco Antônio Teixeira. “É nítido que cresce uma opinião pública contrária ao presidente, sobretudo com o coronavírus, quando ele assume posições ambíguas ao próprio Ministério da Saúde”, afirmou Teixeira.

Ao analisar o movimento nas redes sociais desde o dia 15, o diretor de Relações Governamentais da Bites, André Eler, lembrou que no dia em que participou do ato, Bolsonaro começou a ser criticado por influenciadores digitais que já o apoiaram, como o humorista Danilo Gentili e o youtuber Nando Moura. Três dias depois, foram registrados panelaços contra o presidente em 22 capitais. Segundo o levantamento da Bites, no dia 18, as referências ao presidente no Twitter atingiram um pico de 2,5 milhões, ante uma média diária de 500 mil. Foram 498 mil mensagens contra o governo e 330 mil a favor.

No dia seguinte, porém, o bolsonarismo voltou a equilibrar a disputa nas redes com a crise causada pelas declarações do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) contra a China e a reação da embaixada chinesa, que exigiu um pedido de desculpas

Governadores

Em evidência desde que passaram a recomendar o isolamento social, medida criticada por Bolsonaro, os governadores se fortaleceram nas redes sociais, aponta o levantamento. Governador do Pará, Helder Barbalho (MDB) registrou o maior ganho porcentual entre 20 e 27 de março – 23,9%. No período, viu o número de seguidores em suas redes saltar de 469.241 para 581.420. Na primeira quinzena do mês, quando a pandemia do novo coronavírus ainda não era discutida, apenas uma publicação de Barbalho superou 5 mil curtidas. Entre 16 e 26 de março, 26 posts ultrapassaram a marca. 

“Como a população está assustada e Bolsonaro é essa figura errática, as pessoas encontraram referência nos governadores”, disse o cientista político e professor do Insper Carlos Melo. Também aumentaram suas bases no período os governadores de Santa Catarina, Comandante Moisés (PSL), 19,76%; do Ceará, Camilo Santana (PT), 15,13%; e do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), 11,56%. 

Um dos principais opositores de Bolsonaro, Doria conquistou 56.062 novos seguidores e reverteu uma tendência de perda que o acompanhava desde o início do seu mandato como governador. Ele concentra 30% do volume de seguidores no Twitter, Instagram, YouTube e Facebook entre os chefes dos Executivos estaduais. Já Wilson Witzel (PSC), do Rio, embora ainda tenha menos seguidores que Doria, tem sido mais citado, de acordo com a Bites. Nos últimos 12 meses, 336 mil usuários do Twitter o mencionaram, enquanto 231 mil falaram sobre Doria. 

Nuvem de palavras

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro adota um discurso mais combativo no Twitter - com ênfase na União, ataques a governadores e uso de palavras como "enfrentamento" e "combate", os chefes dos executivos estaduais optam por mensagens mais ligadas a informações sobre a pandemia. É o que mostra o levantamento do Estado com base em tuítes do presidente e dos governadores Helder Barbalho, Comandante Moisés, Camilo Santana, Flávio Dino, João Doria e Wilson Witzel entre os dias 17 e 27 deste mês. O resultado, em forma de nuvem de palavras, pode ser acessado na galeria abaixo:

Mensagens de alerta à população apareceram com frequência nas nuvens dos governadores. No Twitter do Comandante Moisés, por exemplo, a quarta palavra que se repetiu com mais frequência foi a hashtag (palavra-chave) #FiqueEmCasaSC. Outro que usou as redes sociais para fazer apelo ao isolamento social foi Helder Barbalho. Em sua conta, "FiquemEmCasa" foi escrito sete vezes no período. 

As menções frequentes a termos relacionados a medicamentos para a cura do novo coronavírus aparecem apenas na rede de Bolsonaro. Questões econômicas, como emprego e recursos, também aparecem mais no Twitter do presidente. 

A palavra "leitos" e "uti" também figuram entre as mais citadas pelos governadores e não mencionadas pelo mandatário.  Com o agravamento da pandemia do novo coronavírus, a demanda por leitos de UTI está entre as principais preocupações da rede pública.  Flávio Dino escreveu a palavra "leitos" 12 vezes em seu Twitter, enquanto Wilson Witzel nove vezes e João Doria seis.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.