Isac Nobrega/PR
Isac Nobrega/PR

‘Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar’, diz Bolsonaro sobre coronavírus

‘Estado’ pede que Secom apresente os resultados dos exames realizados pelo presidente; ministro da saúde defende sigilo

Felipe Frazão e Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 18h09

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar nesta sexta-feira, 20, a pandemia da covid-19, que já matou mais de 10 mil pessoas no mundo, e tratou a doença como uma “gripezinha”. “Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar”, disse o presidente após o Estado questioná-lo, em entrevista no Palácio do Planalto, a razão de ele não tornar público os resultados dos seus exames.  Para o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o sistema de saúde brasileiro entrará em colapso em abril devido ao avanço da pandemia. 

Bolsonaro teve contato com auxiliares que já foram diagnosticados com o coronavírus nos últimos dias, como o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno. Segundo divulgou em suas redes sociais, porém, os dois primeiros testes feitos pelo presidente deram negativo.

Há uma semana, o Estado pede que a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) apresente os resultados dos exames já feitos pelo presidente, mas até esta sexta-feira, 20, não obteve resposta. 

O presidente voltou a afirmar que, caso receba orientação médica, poderá fazer um novo exame. Mais cedo, ele afirmou que pode já ter contraído o vírus. “Fiz dois testes, talvez faça mais um até, talvez, porque sou uma pessoa que tem contato com muita gente. Recebo orientação médica”, disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada pela manhã. “Toda família deu negativo aqui em casa. Talvez eu tenha sido infectado lá atrás e nem fiquei sabendo. Talvez. E estou com anticorpo.”

Mandetta defende sigilo de exames do presidente

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que acompanhava Bolsonaro na entrevista no Planalto, defendeu o sigilo sobre os resultados dos exames.  “Os exames do paciente são do paciente. São da sua intimidade. A gente não faz divulgação nem do seu, nem do meu, nem do de ninguém”, disse Mandetta.

Ao todo, 22 pessoas que o acompanharam na viagem que fez aos Estados Unidos, na semana passada, contraíram o coronavírus. Entre eles, assessores próximos e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, que se reuniu três vezes com Bolsonaro no dia anterior a ser diagnosticado com a doença.

Mesmo assim, o presidente disse que pretende manter sua rotina de trabalho. No domingo, 15, Bolsonaro ignorou a orientação para ficar em isolamento e participou de manifestações de rua a favor do governo e contra o Congresso. Na ocasião, segundo levantamento do Estado, teve algum tipo de contato com 272 pessoas.

O contato com uma pessoa infectada é uma das formas de transmissão do coronavírus. O presidente foi criticado por infectologistas e até por aliados por expor os manifestantes ao risco de contaminação pela covid-19.

O presidente, que completa 65 anos neste sábado, 21, disse que fará uma festa de aniversário em casa, restrita a familiares.

Estado de sítio

O presidente Bolsonaro afirmou que não está no radar do governo decretar estado de sítio. O Estado de Sítio é uma medida extrema que aumenta poderes do Executivo e suspende liberdades e garantias individuais. 

Prevista na Constituição, deve ser decretado pelo presidente com autorização da maioria absoluta do Congresso. A medida pode ser usada em casos de “comoção grave de repercussão nacional”.

“Em poucas horas você decide uma situação como essa. Mas daí acho que estaríamos avançando, dando uma sinalização de pânico para a população. Nós queremos sinalizar a verdade para a população. Por enquanto, está descartado até estudar essa circunstância”, disse. 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarocoronavírusepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.