Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro confronta ação de governadores, que reagem

Presidente diz que medidas tomadas pelos Estados para evitar contágio da covid-19 vão prejudicar economia e enfraquecê-lo politicamente; Doria (SP) e Witzel (RJ) criticam

Marlla Sabino e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 10h13
Atualizado 20 de março de 2020 | 22h35

BRASÍLIA, SÃO PAULO E RIO  – O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta-feira, 20, medidas adotadas por governadores para evitar a disseminação do coronavírus. Na visão dele, ações como o fechamento do comércio, adotado nas maiores cidades do País e defendido por especialistas, podem prejudicar a economia e serem usadas para enfraquecê-lo politicamente. O paulista João Doria (SP) afirmou que os chefes do Executivo estão tomando atitudes porque o presidente se omite. Wilson Witzel (PSC), do Rio, classificou como “passo de tartaruga” a velocidade do Planalto em dar respostas à crise. 

As críticas aos governadores foram feitas nas duas vezes em que Bolsonaro apareceu publicamente. “Tem certos governadores que estão tomando medidas extremas, que não competem a eles, como fechar aeroportos, rodovias, shoppings e feiras”, disse o presidente, pela manhã, ao deixar o Palácio da Alvorada. Mais tarde, numa entrevista coletiva, ele voltou ao assunto. “Tem um governo de Estado que só faltou declarar independência do mesmo”, afirmou, sem detalhar sobre a que se referia.

“Tem uns falando em liberar pedágio, energia. Aí cria expectativa. O governo federal e estadual não têm condições de bancar isso. Essas falsas expectativas não podem vir no bojo de uma campanha política”, declarou o presidente. Dois dos chefes de Executivo estadual que reagiram às falas de Bolsonaro já demonstraram pretensão de concorrer às eleições em 2022.

“Estamos fazendo o que deveria ser feito pelo líder do País, o que o presidente Jair Bolsonaro, lamentavelmente, não faz. E, quando faz, faz errado”, criticou Doria, que virou adversário do presidente ainda no ano passado, embora tenha vencido a eleição de 2018 amparado no “BolsoDoria”. 

Bolsonaro disse ter ficado “preocupado” ao saber que Witzel decidira fechar as divisas do Estado e suspender o transporte de passageiros por terra e ar.

A medida afeta voos nacionais e internacionais. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) chegou a divulgar nota dizendo que caberia à União determinar o fechamento. Também adversário político do presidente, Witzel criticou o uso político da crise. “O governo federal precisa entender que não é hora de fazer política”, escreveu o governador fluminense no Twitter. “É hora de trabalhar e ajudar os empresários que vão quebrar, as pessoas que vão perder o emprego e os que vão morrer de fome”.

Apesar dos ataques feitos, o presidente afirmou que está a disposição dos Estados. “Nossos ministros estão todos solícitos, ninguém está orientado a fugir de ninguém. Não terá qualquer discriminação para qualquer governador.”

A crítica aos governadores é só mais um episódio da relação conflituosa entre o presidente da República e a Federação. Bolsonaro entrou em conflito com governadores ao culpá-los por não baixar o preço da gasolina e ao comparar a morte do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, baleado pela polícia da Bahia, à “queima de arquivo do caso Celso Daniel”.

“É a visão dele (Bolsonaro). Ele, como nós, tem o direito de pensar diferente. Eu pessoalmente estou tratando do assunto (coronavírus) sem politizar, até porque política não deve se misturar com problemas de saúde graves como esse”, disse o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Assim como aconteceu em São Paulo e no Rio, o governo do Distrito Federal determinou o fechamento do comércio por causa do novo coronavírus. 

Nos últimos dias, o presidente divergiu até mesmo de aliados, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM). Médico, Caiado foi vaiado no domingo, quando dispersou manifestantes que defendiam o governo federal e protestavam contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). 

Até agora, Bolsonaro não tem ouvido auxiliares do Planalto que o aconselham a chamar pelo menos uma videoconferência com governadores, como fez nesta sexta-feira com empresários, para alinhar medidas de combate ao coronavírus. Ele não admite ter demorado a tomar atitudes para combater a doença nem ignorado a pandemia. Ainda nesta sexta-feira, porém, Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia. “Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar”, afirmou.

Isolamento é eficaz no combate ao vírus, dizem infectologistas

A decisão de alguns governadores de fechar shoppings e lojas, criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, é uma medida eficaz no combate ao coronavírus, segundo infectologistas. “O fechamento de atividades de lazer vai ser importante para a contenção da pandemia. Se não tiver medidas eficientes do controle de circulação de pessoas, não vamos conseguir achatar a curva”, disse o médico infectologista Francisco Ivanildo de Oliveira Junior, do hospital infantil Sabará.

Para o médico, as medidas de fechamento de shoppings e lojas estão dentro do que vem sendo feito. Além da aglomeração de pessoas, shoppings e lojas são ambientes não ventilados, o que contribui para dispersar o vírus ainda mais, disse outro infectologista, Jean Gorinchteyn, do Instituto Emílio Ribas. De acordo com ele, as feiras livres podem permanecer abertas para evitar que pessoas procurem sacolões e mercados. Mas é preciso haver algumas condições. “O ideal é manter as barracas bem espaçadas.”/ CAIO SARTORI, EMILLY BEHNKE, GREGORY PRUDENCIANO, JULIA LINDNER, MARLLA SABINO, PEDRO CARAMURU e BIANCA GOMES

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.