TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO e HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO e HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Apoio a presidenciáveis divide o DEM nas eleições 2018

Enquanto bancada na Câmara prefere Alckmin, líderes do Nordeste e cúpula adotam visão pragmática e defendem uma aliança com Ciro

Pedro Venceslau e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - A disputa dos presidenciáveis por apoio nas eleições 2018 deixou o DEM dividido entre um bloco que defende o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e outro que prega uma aliança com o ex-ministro Ciro Gomes (PDT). De um lado está a bancada de 43 deputados, que é majoritariamente pró-Alckmin, e do outro, a executiva do DEM e lideranças regionais do Nordeste, que apoiam Ciro. 

Enquanto a bancada tem um perfil mais ideológico, conservador e abriga parlamentares ligados a igrejas evangélicas, agronegócio e segurança pública, os caciques nordestinos fazem um cálculo pragmático sobre a dificuldade de Alckmin conseguir votos na região. 

Segundo a Coluna do Estadãoa corrente pró-Ciro tem hoje o favoritismo na disputa. O prefeito de Salvador, ACM Neto, presidente nacional do DEM, tem sinalizado internamente que prefere apoiar o pedetista. Ele desembarcou nesta terça-feira, 3, em Brasília para buscar consenso entre as duas correntes. 

+++Temer e FHC mostram preocupação com cenário eleitoral

O impasse do DEM contaminou os demais partidos do bloco liderado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que reúne Solidariedade, PP e PRB. O grupo, que já esteve com Ciro Gomes, se reúne na noite desta quarta-feira, 4, com Alckmin em um jantar na residência do presidente do PRB, Marcus Pereira (SP). 

“Enquanto subsistir a pré-candidatura de Rodrigo, ela tem unanimidade de apoio do partido. Caso o partido decida por outro caminho, é inegável que existem diferentes pensamentos internos. Vou procurar conduzir o partido para o caminho desejado pela maioria”, disse ACM Neto ao Estado.

+++Em novo vídeo, Meirelles chama Ciro e Marina de 'candidatos profissionais'

Mal-estar. Dois dirigentes partidários relataram um mal-estar gerado em recente conversa entre os presidentes dos partidos, em Brasília. Após jantarem com Ciro Gomes, os dois nomes mais influentes no DEM, ACM Neto e Rodrigo Maia, debateram abertamente se conseguiriam aprovar no voto uma aliança com o pedetista em diretórios como Bahia e Rio de Janeiro e falaram sobre resistências pontuais. 

+++MDB deixa Meirelles e candidatos a governador sem recursos do fundo eleitoral

Dirigentes dos demais partidos, entre eles Paulinho da Força (SD), falaram até sobre o nome do empresário Josué Alencar (PR) para vice. O rumo da conversa irritou o ex-ministro Marcos Pereira, que indicou que abandonaria o grupo se a discussão se precipitasse. Do bloco, o PRB de Pereira é o partido que mais resiste a apoiar a candidatura de Ciro Gomes. O pedetista teria hoje preferência no Solidariedade de Paulinho e no PP do senador Ciro Nogueira (PI), presente à discussão. 

Alckmin lança ofensiva junto ao Centrão

Para tentar reverter esse quadro, Alckmin lançou uma ofensiva junto ao Centrão. Em uma reunião com investidores nesta segunda-feira, 2, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB), coordenador político da pré-campanha de Alckmin, apresentou três nomes como potenciais candidatos a vice: Flávio Rocha, do PRB, Aldo Rebelo, do SD, e Mendonça Filho, do DEM. 

+++PT começa a montar estrutura da campanha ao Planalto

Já Ciro tem modulado o discurso para atrair o DEM. Na semana passada ofereceu pedidos de desculpas a integrantes do partido que se sentiram ofendidos por declarações suas. Conselheiro do pedetista, o ex-ministro Mangabeira Unger disse ao Estado que não vê DEM como um partido de direita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.