CGU encobriu nome de nora de Lula em processo

CGU encobriu nome de nora de Lula em processo

Coluna do Estadão

03 Julho 2018 | 05h30

FOTO: Andre Dusek

O processo no TCU que resultou em punição para Marlene Lula da Silva, nora do ex-presidente Lula, causou uma saia-justa com a Controladoria-Geral da União. O ministro Augusto Sherman, relator do caso no TCU, advertiu a CGU pelo uso de uma tarja para encobrir os nomes dos alvos e determinou que o órgão se “abstenha” de fazê-lo “mesmo em circunstâncias que entenda sensíveis”. As investigações concluíram que Marlene era funcionária fantasma do Sesi na época em que a entidade era presidida por Jair Meneguelli, amigo pessoal de Lula.

Sem brechas. Na decisão, o ministro relata que a Controladoria colocou tarja sobre os nomes das sete pessoas responsabilizadas no processo. E determina que não utilize mais esse e “outros meios que evitem a identificação dos responsáveis perante o TCU”.

Com a palavra. O ministro Sherman afirmou, por meio da assessoria,  que essa conduta da CGU não é recorrente. “Aconteceu nesse caso específico e não deve ocorrer mais, ou seja, a CGU não pode omitir informação ao TCU”, concluiu. O ministro Wagner Rosário, da CGU, afirma que os “relatórios encaminhados ao TCU são os mesmos divulgados em transparência ativa no site da CGU e, por esse motivo, contém sigilos em informações pessoais sensíveis, como nome e CPF. Contudo, nos casos em que o TCU ou os demais órgãos de controle requerem informações adicionais, estas são prestadas prontamente.”

VEJA TRECHO DO ACÓRDÃO DO TCU 

Reta final. O presidente do DEM, ACM Neto, desembarca hoje em Brasília, onde intensifica a última rodada de reuniões para definir os rumos do partido nas eleições presidenciais. Traz na mala o resultado de uma pesquisa qualitativa.

Com que roupa? Com 43 deputados, o DEM está rachado sobre apoiar Geraldo Alckmin (PSDB) ou Ciro Gomes (PDT). Na bola dividida, o pedetista sai na frente com leve favoritismo.

Costura delicada. Apesar do encontro com Michel Temer na tarde de hoje, Marconi Perillo, coordenador da campanha de Geraldo Alckmin, sabe que ainda não há unanimidade no partido em torno de uma aliança com o MDB. Há receio de que a baixa popularidade do presidente Temer afete a candidatura do tucano.

SINAIS PARTICULARES. Michel Temer, presidente da República; por Kleber Sales

Eu decido. Após a última pesquisa Ibope dar a vitória para Paulo Skaf (MDB) no segundo turno, aumentou a fila de vices para sua chapa. O candidato avisou ao partido, porém, que essa será uma escolha pessoal.

Vou só. Skaf deve apresentar chapa puro-sangue. Ele não aceita condições impostas por partidos para uma aliança. Como financiar candidaturas e lotear cargos no seu governo.

Andou uma casa. O corregedor da Câmara, Evandro Gussi (PV-SP), concluiu parecer sobre a cassação de Paulo Maluf (PP-SP). É ele quem vai opinar sobre se a perda de mandato será decidida pela Mesa Diretora ou pelo plenário.

Suspense. A decisão é guardada a sete chaves. Seus colegas apostam que ele não vai aliviar para Maluf, que está em prisão domiciliar. Há sete meses, o STF determinou que o comando da Casa cassasse o deputado, mas Rodrigo Maia pediu parecer do corregedor.

CLICK. Desde a semana passada, decora o gabinete do presidente Michel Temer o livro José Olympio: o editor e sua casa, figura que marcou época no mercado editorial. O livro foi organizado por José Mário Pereira e publicado pela Sextante.

Coluna do Estadão

Sala cheia. Três representantes de editoras participaram de reunião com o presidente Temer na última quinta para pedir socorro ao setor. Marcos da Veiga Pereira (Sextante e Intrínseca); Jorge Carneiro (Ediouro, Nova Fronteira e Agir) e Luiz Fernando Emediato (Geração Editorial). Também esteve presente no encontro com Temer, o presidente da Câmara Brasileira do Livro, Luís Antonio Torelli.

Torcida. O vice-primeiro-ministro do Vietnã, Vuong Dinh Hue, disse ontem ao presidente Michel Temer, em encontro no Planalto, que torcerá para o Brasil conquistar o hexa. Aposta que a seleção fará dois gols na final e que Neymar será o nome do jogo.

PRONTO, FALEI!

Reprodução

“Como candidato a presidente, Meirelles defende o oposto do que Lula fez para o Brasil”, DA PRÉ-CANDIDATA DO PCDOB AO PLANALTO, MANUELA D’ÁVILA, sobre a campanha de Meirelles lembrar que ele foi ex-ministro de Lula.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadão