Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Apoio a Ciro regride e Centrão se aproxima de Alckmin nas eleições

Bloco formado por cinco partidos prefere aliança com presidenciável tucano; anúncio fica para próxima semana

Vera Rosa e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2018 | 17h31

BRASÍLIA - O bloco dos partidos do Centrão adiou para próxima semana o anúncio de quem o grupo apoiará nas eleições 2018. Nesta quinta-feira, 19, as siglas se aproximaram de uma aliança com o tucano Geraldo Alckmin, que possui preferência no bloco formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade. Em público, porém, o discurso é de que existe uma divisão equilibrada com o pedetista Ciro Gomes, mas dirigentes do PP afirmaram que o acordo com o tucano já foi fechado.

Até a semana passada, antes da adesão do PR, Ciro tinha mais força e a preferência de pelo menos dois presidentes dos partidos. Porém, recentes declarações polêmicas de Ciro provocaram desgaste e receio nos partidos, como um xingamento a uma promotora de Justiça, na ação movida por injuria racial em declaração crítica ao vereador paulistano Fernando Holiday, do DEM. Além disso, há resistência a propostas econômicas do pedetista, como mostrou reportagem do Estado na edição desta quinta-feira.

Ciro Gomes está em Brasília, mas os principais integrantes do bloco viajaram a São Paulo para conversar com Alckmin. Mais cedo, Alckmin desmarcou de última hora compromissos que tinha no interior de Minas Gerais e permaneceu na capital paulista para a reunião. Nesta quinta-feira, o tucano recebeu indicativo de aliança formal do PTB, partido que está no cerne do escândalo do Ministério do Trabalho, mas evitou críticas e defendeu que bons quadros de todos os partidos participem do governo – discurso que agrada aos dirigentes do Centrão. A chegada do PR ao grupo também favoreceu Alckmin.

Há a possibilidade de adesão ainda de partidos menores ao bloco, como PHS e Avante (antigo PTdoB) - parlamentares dos dois partidos foram ao encontro matinal na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "É possível (a adesão)", disse o presidente do DEM, ACM Neto, também prefeito de Salvador.

Os partidos adiaram a decisão sob justificativa de que cada legenda irá realizar consultas internas nos próximos dias para anunciar publicamente uma decisão comum na semana que vem. Os tucanos foram avisados de que o prazo seria a próxima quinta-feira.

"Progressistas, PR, PRB, Democratas e Solidariedade reafirmam a união e o compromisso de construir um projeto comum para as eleições deste ano. O momento é de ponderar, em conjunto, o melhor caminho para o futuro do Brasil. Ciente dessa responsabilidade e do papel que o Centro Democrático vai desempenhar nesta eleição, cada partido vai realizar consultas internas nos próximos dias com o propósito de anunciar publicamente uma decisão comum na semana que vem", diz a nota conjunta.

Em jantar, Centão define Josué Gomes como vice-presidente

Em jantar na noite desta quarta-feira, o grupo reafirmou a união no bloco e indicou o empresário Josué Gomes (PR), da Coteminas, como pré-candidato a vice-presidente e representante dos partidos.

O presidente do PRB, ex-ministro Marcos Pereira (Indústria), disse que não houve consenso no grupo, nem avanço na articulação. Ele também descartou um acordo nessa semana em prol do tucano ou do pedetista: "Sem consenso, vai longe ainda".

Também estiveram no café da manhã os deputados Marcelo Aro (PHS-MG), Luís Tibé (Avante-MG), Bebeto (PSB-BA), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Paulinho da Força (SD-SP), o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR).

Vídeo: Alckmin diz que governo Temer padece de legitimidade

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.