Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Com PR, Centrão indica Josué Gomes a vice nas eleições 2018

Grupo agora formado por cinco partidos define empresário como nome para compor chapa de presidenciável

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2018 | 00h05

BRASÍLIA - Os partidos do Centrão, grupo formado por DEM, PP, PRB e Solidariedade, receberam a adesão oficial do PR e decidiram ontem à noite fechar aliança em bloco com uma chapa presidencial nas eleições 2018. Esse apoio passa pela indicação do empresário Josué Gomes como candidato a vice-presidente da República nessa coligação.

Em jantar na casa do senador Ciro Nogueira (PI), presidente do PP, eles rechaçaram a possibilidade de o grupo rachar entre os pré-candidatos Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) e se comprometeram apoiar em conjunto um dos dois nomes. Presidente da indústria têxtil Coteminas, Josué, que é filiado ao PR, é filho do ex-vice-presidente José Alencar (que morreu em 2011).

“O vice já está escolhido. Não tem sentido abrir mão da indicação de vice”, disse Nogueira. “É impossível haver divisão. Mesmo as pessoas que tem posição contrária. Eu mesmo me comprometi que, se for vencido, acompanho a maioria. Estamos um pouco divididos ainda (entre Ciro e Alckmin), meio a meio”, disse Nogueira. “Mesmo que se decida amanhã, ainda temos que construir internamente essa decisão.”

O PDT vai oficializar nesta sexta-feira, 20, a candidatura de Ciro Gomes, possivelmente, ainda sem uma resposta oficial do blocão. Ele comunicou ao grupo que deixará em aberto a chapa. O PSDB fará a convenção de Alckmin apenas no dia 4 de agosto, véspera do prazo limite. O tucano recebeu a indicação de apoio do PTB.

O blocão DEM-PP-PR-PRB-SD conta com 164 deputados em exercício e cerca de 40% do tempo de TV, nos cálculos do presidente do PP.

Valdemar Costa Neto diz que vai acompanhar decisão do grupo

O ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão e ainda o nome mais influente do PR, disse que o partido vai acompanhar o destino do bloco. “Não decidimos nada ainda, mas vou acompanhar o grupo”, disse ao deixar o encontro.

Antes, o PR era cortejado pelo deputado Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato do PSL, e por petistas para uma eventual chapa com o  o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato.

Também participaram do jantar o ex-ministro da Indústria Marcos Pereira, presidente do PRB, o prefeito de Salvador, ACM Neto, presidente do DEM, e o deputado Paulinho da Força (SP), presidente do Solidariedade.

Os caciques voltam a se reunir nesta quinta-feira, 19, para deliberar em café da manhã marcado para as 9h30 na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O anúncio pode ser feito já nesta quinta-feira e oficializado até meados da semana que vem, após conversas de cada presidente com as respectivas bancadas e cúpulas partidárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.