Bolsonaro exagera peso de evidências citadas por Oxford para estudar ivermectina
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bolsonaro exagera peso de evidências citadas por Oxford para estudar ivermectina

Universidade britânica disse que os estudos em seres humanos que mostram benefícios contra covid-19 são ‘pequenos’

Pedro Prata

24 de junho de 2021 | 15h34

É falso que a Universidade de Oxford tenha encontrado “fortes indícios” da eficácia da ivermectina contra a covid-19. Essa alegação feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a apoiadores nesta quarta, 23, tira de contexto o anúncio feito pela universidade de que vai testar a eficácia do medicamento contra o novo coronavírus.

“Vocês viram que Oxford encontrou fortes indícios de que ivermectina realmente previne ou no primeiro momento é salutar e começaram a estudar com mais profundidade a ivermectina”, disse Bolsonaro. Um vídeo com a fala do presidente foi vista ao menos 171 mil vezes no canal Foco do Brasil e compartilhado 741 vezes no Facebook.

Universidade de Oxford disse que há poucas evidências robustas que provariam eficácia da ivermectina contra covid. Foto: Dida Sampaio/Estadão

É verdade que a universidade inglesa testará a eficácia da ivermectina no tratamento não hospitalar da covid-19. Contrariando Bolsonaro, a instituição disse que os estudos existentes com seres humanos que teriam apontado contribuição para a recuperação dos doentes são “pequenos”. Além disso, a universidade falou em recuperação, não em prevenção com o remédio.

“Embora a ivermectina seja usada rotineiramente em muitos países, há pouca evidência de grandes estudos clínicos randomizados e controlados que demonstrem que ela pode acelerar a recuperação ou reduzir hospitalizações”, diz a nota de Oxford.

Pesquisador-chefe do estudo, o professor Chris Butler, do Departamento de Ciências de Saúde de Atendimento Básico, disse que a droga tem sido usada contra a covid-19 em alguns países por causa de “resultados preliminares promissores em alguns estudos”. “Ao incluir a ivermectina em um estado de larga escala, esperamos produzir evidências robustas que digam se a ivermectina é eficaz contra a covid-19 e se há benefícios ou malefícios em seu uso”, acrescentou ele.

A ivermectina é um remédio para parasitas como piolho e sarna. Ela entrou na mira de Oxford porque já apresentou capacidade de eliminar a replicação do Sars-CoV-2 em laboratório. Como mostrou o Estadão Verifica, essa é a primeira de uma série de etapas necessárias para se provar a eficácia de um medicamento e por si só não serve de evidência. Isso porque é necessário analisar qual o desempenho do remédio em contato com o metabolismo e se ele é eficaz em doses seguras para o ser humano.

A agência europeia de medicamentos (EMA) revisou a literatura científica sobre o medicamento e disse não haver evidências que provem sua eficácia contra a covid-19. O mesmo posicionamento tomou a agência de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (FDA), alertando que recebeu relatos de pessoas hospitalizadas após ingerirem ivermectina autorizada apenas para uso em animais. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS), a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde não recomendam o uso da ivermectina fora do estipulado em bula (doenças parasitárias) ou fora de ensaios clínicos controlados.

Programa Principle já concluiu pela ineficácia da azitromicina

O estudo com a ivermectina será feito dentro do programa Principle, que faz ensaios clínicos randomizados com possíveis fármacos contra o coronavírus. Ele é financiado pelo governo britânico na busca por tratamentos não hospitalares para a covid-19.

A ivermectina é o sétimo remédio testado. Em abril, o estudo encontrou evidências de que o spray nasal budesonida, usado para asma e rinite não infecciosa, reduziu em três dias o tempo de hospitalização dos pacientes. Por isso foi incluído no protocolo clínico do Reino Unido.

Outro medicamento não teve a mesma sorte. Em janeiro, o estudo não encontrou benefícios do antibiótico azitromicina contra o coronavírus. A azitromicina até hoje figura em postagens nas redes sociais brasileiras que promovem o “kit covid”, um conjunto de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19.

O Estadão Verifica fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus disponíveis no dia 24 de junho de 2021. Leitores solicitaram a checagem deste conteúdo pelo WhatsApp, 11 97683-7490.

A reportagem entrou em contato com o Palácio do Planalto, mas não recebeu resposta até a publicação desta checagem.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.