Bolsonaristas espalham fotos de ‘motociata’ de São Paulo como se fossem de Porto Alegre
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bolsonaristas espalham fotos de ‘motociata’ de São Paulo como se fossem de Porto Alegre

Ao menos quatro postagens diferentes contendo imagens antigas viralizaram nas redes; presidente Jair Bolsonaro também postou peça de desinformação e depois apagou

Samuel Lima

12 de julho de 2021 | 16h24

Após mais uma “motociata” do presidente Jair Bolsonaro com apoiadores, desta vez em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, uma nova onda de conteúdos enganosos passou a circular nas redes. O Estadão Verifica analisou quatro postagens virais diferentes que usaram a mesma tática de desinformação: espalham fotos antigas do passeio de moto de São Paulo, em 12 de junho, como se fossem deste sábado, 10 de julho, na capital gaúcha.

A peça de maior alcance no Facebook teve sozinha 58 mil compartilhamentos no Facebook, segundo painel de monitoramento da plataforma. Ela apresenta duas fotos do presidente em um trecho da Rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo, conduzindo os simpatizantes pelo percurso. Ambas foram postadas originalmente em um álbum de fotos do Palácio do Planalto no Flickr e creditadas ao fotógrafo da Presidência da República Alan Santos (acesse aqui as fotos um e dois).

Foto: Reprodução / Flickr Palácio do Planalto

Foto: Reprodução / Flickr Palácio do Planalto

Uma segunda postagem, com 25 mil compartilhamentos no Facebook até a tarde de hoje, usa outra foto do evento de Bolsonaro em São Paulo para elogiar a passagem por Porto Alegre. Essa traz um ângulo um pouco mais afastado, dando destaque aos blocos mais distantes que aparecem em um trecho elevado da pista. Mais uma vez, a imagem original foi feita pelo fotógrafo Alan Santos na Rodovia dos Bandeirantes. Ela está publicada neste link do Flickr.

Foto: Reprodução / Flickr Palácio do Planalto 

O terceiro conteúdo checado é uma imagem de baixa definição que mostra o momento em que Bolsonaro interrompe a passeata para acenar e tirar fotos com os apoiadores. Esse mesmo conteúdo foi usado anteriormente para alegar que a “motociata” de São Paulo teria entrado para o Guinness Book, o que não é verdade. (O Estadão traz uma versão diferente do post na matéria, mas a foto pode ser encontrada nas checagens da Lupa e do Fato ou Fake.)

Foto: Reprodução / G1

Não foi possível determinar a origem e a autoria desta foto, mas o Estadão Verifica confirmou a localização por meio de buscas georreferenciadas no Google Maps. O registro foi feito poucos quilômetros após a Rodovia dos Bandeirantes cruzar a marginal Tietê e ainda dentro dos limites da capital paulista, entre os bairros Parque Maria Domitila e Vila Comercial. Através da tomada de satélite, pode-se notar o mesmo terreno, número de faixas e evolução da estrada; a opção street view revela a posição idêntica das placas e da torre de transmissão de energia ao fundo.

Foto: Reprodução / Google Maps

Um quarto conteúdo que circula fora de contexto nas redes é, na verdade, um compilado de fotos e prints de vídeos. A imagem principal também foi clicada pelo fotógrafo do Planalto e mostra Bolsonaro sendo erguido enquanto acena para a câmera durante o evento de São Paulo. Motociclistas aparecem de costas tirando fotos com seus celulares em primeiro plano.

Foto: Reprodução / Flickr Palácio do Planalto

O próprio presidente postou desinformação sobre a “motociata” de Porto Alegre neste final de semana. De acordo com reportagem do UOL, Bolsonaro divulgou no Twitter um vídeo do evento em São Paulo com as frases: “Uma imagem fantástica. Obrigado Porto Alegre. Um abraço Rio Grande do Sul”. Alertado por usuários da rede de que se tratava de material antigo, excluiu o post. O print, no entanto, segue circulando nas redes, principalmente por críticos do governo.

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) também compartilhou um dos conteúdos aqui checados no sábado e depois apagou a publicação.

Bolsonaro chegou ao Rio Grande do Sul na sexta-feira, 9, quando participou de uma feira na cidade de Caxias do Sul. No sábado pela manhã, reuniu apoiadores no estacionamento da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). Depois de cumprimentar o público, sempre sem máscara, começou a “motociata” que percorreu cerca de 72 quilômetros

No evento, voltou a acusar sem provas o sistema eleitoral brasileiro de ter fraudes e atacou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso. Ele também defendeu o uso de remédios ineficazes contra a covid-19 e reclamou de uma pesquisa recente do Datafolha. Esse foi o seu quinto passeio de moto de Bolsonaro com apoiadores — ele também promoveu “motociatas” em Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Chapecó (SC).

Na motociata em São Paulo, a Secretaria da Segurança Pública do Estado divulgou a estimativa de participação de 12 mil motociclistas. No Rio Grande do Sul, não foi divulgado cálculo de público.

Cuidado com os boatos

Não é porque uma postagem tem uma fotografia ou um vídeo que ela é verdadeira. Um dos tipos mais frequentes de desinformação é justamente a que resgata conteúdos antigos e os insere em outro contexto — principalmente como forma de apoiar e criticar alguma figura pública ou personalidade política. Ao receber esse tipo de mensagem, desconfie e pesquise sempre antes de compartilhar.

Neste caso, uma “motociata” de fato aconteceu em Porto Alegre neste final de semana, o que gera uma associação imediata com as imagens. Porém, um sinal de alerta que deve ser levado em conta é que nenhuma das postagens aqui analisadas pelo Estadão Verifica menciona a fonte da informação, mesmo diante do fato de a maioria desses registros terem sido feitos por um fotógrafo profissional.

É importante lembrar ainda que as fotos podem ser manipuladas digitalmente, outro tipo de falsificação frequente nas redes. O Estadão fez um compilado de dicas para ajudar a identificar boatos e também um passo a passo para fazer buscas reversas de imagens e descobrir a origem de fotos suspeitas. Os leitores do blog também podem sugerir uma checagem pelo WhatsApp: (11) 97683-7490.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.