Áudio com críticas a partidos de esquerda é falsamente atribuído a padre Marcelo Rossi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Áudio com críticas a partidos de esquerda é falsamente atribuído a padre Marcelo Rossi

Religioso negou ser autor da gravação que critica governos do PT e faz elogios a Bolsonaro

Alessandra Monnerat

21 de abril de 2021 | 12h00

É falso que o padre Marcelo Rossi tenha gravado áudio em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Uma gravação compartilhada no WhatsApp e no Facebook atribuída ao religioso diz que o País está “mergulhando numa crise moral” e critica o marxismo e o socialismo. Ao Estadão Verifica, a assessoria do cantor e autor católico negou a autoria do áudio.

Este conteúdo foi enviado por leitores do Estadão Verifica ao número 11 97683-7490. No Facebook, o áudio ganhou 48 mil compartilhamentos desde o início de abril.

A voz na gravação critica partidos de esquerda e afirma que os governos anteriores do PT foram os responsáveis pela “crise moral e financeira” do País. O homem cita o Foro de São Paulo, uma reunião de partidos de esquerda da América Latina, e a construção de um porto em Cuba com recursos emprestados do BNDES. O autor do áudio também fala mal do programa Mais Médicos. 

O Estadão Verifica não conseguiu identificar o verdadeiro responsável pela gravação. Em 2018, em parceria com o Projeto Comprova, desmentimos outro áudio atribuído a Marcelo Rossi. No clipe, uma voz dizia que o então candidato Bolsonaro era “pró-família, pró-Deus e pró-valores” e acrescentava “quando vejo quem são os inimigos do Bolsonaro, eu falo ‘eu to escolhendo o cara certo para votar’”. 

 Na ocasião, Marcelo Rossi negou ser o autor do conteúdo e disse que nem tinha WhatsApp para enviar áudios. No mês seguinte, o mesmo áudio foi falsamente atribuído ao padre Fábio de Melo. Posteriormente, o pastor Rina Seixas, da igreja evangélica Bola de Neve, informou ser o dono da voz. 

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]marcelo rossi

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.