Contra drogas, pasta de Moro também vai monitorar esgotos

Contra drogas, pasta de Moro também vai monitorar esgotos

Coluna do Estadão

23 de janeiro de 2020 | 05h00

Ministro da Justiça, Sérgio Moro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O Ministério da Justiça também quer monitorar o esgoto dos brasileiros para radiografar o consumo de drogas no País. Essa é a proposta do projeto Cloacina, da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, de Sérgio Moro. Um acordo está sendo fechado com a Universidade de Brasília (UnB) para a pesquisa, no valor de R$ 10 milhões. O projeto começará nas cinco cidades do programa Em Frente, Brasil: Ananindeua (PA), Cariacica (ES), Goiânia (GO), Paulista (PE) e São José dos Pinhais (PR).

Mais. A ideia da Justiça é expandir o campo de coleta para até 18 municípios em quatro anos. O Ministério da Cidadania tem projeto semelhante, mas de menor orçamento e escopo.

Duplo. As pastas dividem políticas sobre drogas: a de Moro centra na questão do combate à oferta, a de Osmar Terra, no consumo.

Lupa. O ministério de Sérgio Moro se inspira numa pesquisa feita pela UnB no DF, que também durou quatro anos, e conseguiu identificar que a Região Norte tinha maior índice de consumo de drogas.

Como é. A ideia do projeto é ajudar as polícias a identificar as rotas do tráfico e tornar o combate ao crime mais preciso.

Você… Assim como fez com Rodrigo Maia, a articulação política do Planalto pretende se reunir com Davi Alcolumbre, presidente do Senado, para apresentar as prioridades legislativas do governo na Casa.

…também. Conforme revelado pela Coluna, o Planalto listou e entregou a Maia 15 prioridades do Executivo para este ano. Dentre eles, a modernização do setor elétrico, a nova lei de licitações e o marco regulatório do saneamento.

Sonho. No campo dos “costumes”, o Planalto gostaria de ver avançar a questão do porte de armas de fogo e da mudanças nas leis que regem o trânsito.

Nop. “Armas de fogo, conselhos profissionais e novo Código Nacional de Trânsito são pautas fora de propósito. A do País é crescimento e emprego. Só isso deve ter prioridade”, diz Marcelo Ramos (PL-AM).

Eis o dilema. A grande questão no meio jurídico passou a ser: a liminar de Luiz Fux derrubando o juiz de garantias encurtou o mandato de Dias Toffoli na presidência do Supremo?

Azedou. O episódio do juiz de garantias é um segundo de mal-estar entre Fux e o Congresso. Em 2016, ele determinou que a Câmara voltasse à estaca zero no pacote de 10 medidas contra a corrupção.

CLICK. João Doria participou de painel em Davos ao lado do americano Al Gore. O governador de SP falou sobre a relação entre construção civil e sustentabilidade.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Videomaker. O vídeo de Luciano Huck (produzido e editado pelo próprio) sobre o Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), no qual ele diz não se tratar de “uma seita secreta de homens brancos”, deverá ganhar uma continuação.

Videomaker 2. A ideia, segundo o entorno do apresentador, é que ele continue fazendo produções sobre “conjuntura” (política).

Baby steps. Luís Felipe Belmonte, dirigente do Aliança pelo Brasil, vai para Mato Grosso se encontrar com quatro candidatos à eleição suplementar do Senado. Não quer repetir a saga dos caroneiros do PSL: agora, menos será mais.

SINAIS PARTICULARES 
Luís Felipe Belmonte, Dirigente do Aliança pelo Brasil

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Deputado Capitão Augusto. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

Capitão Augusto, deputado federal (PL-SP): “Com essa história do Flávio e por estar com o Moro a segurança pública, ficaria muito ruim para a imagem dele (Bolsonaro)”, sobre recriar Ministério de Segurança Pública.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: