PF achou drogas, joias, garrucha e munições em endereços de deputados de Mato Grosso

PF achou drogas, joias, garrucha e munições em endereços de deputados de Mato Grosso

Relatórios de buscas realizadas no dia 14 de setembro, na Operação Malebouge, apontam que nas residências de sete parlamentares só não foi apreendido dinheiro

Luiz Vassallo

15 Novembro 2017 | 05h00

Joias, entorpecentes e até mesmo uma arma estão entre os itens apreendidos em endereços ligados a deputados estaduais de Mato Grosso, alvo da Operação Malebouge, embasada na ‘monstruosa’ delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB). As buscas e apreensões miram o pagamento de propinas a políticos do Estado, entre eles, os flagrados nas imagens da romaria para o recebimento de maços de dinheiro no gabinete de Silval, o delator peemedebista.

OUTRAS DO BLOG: Empresa de Picciani fez até ‘terceirização’ de lavagem de dinheiro, diz Procuradoria
PF achou drogas, joias, garrucha e munições em endereços de deputados de Mato Grosso
Ministro autoriza na internet salários da Assembleia de São Paulo 
Justiça sequestra R$ 160 mi de Puccinelli e sua ‘organização’

A Operação Malebolge, deflagrada no dia 14 de setembro, por ordem do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, tem como alvo sete deputados estaduais de Mato Grosso. Naquele dia, a Polícia Federal vasculhou por mais de duas horas os gabinetes e endereços residenciais de Wagner Ramos (PSD), Silvano Amaral (PMDB), Baiano Filho (PSDB), Romoaldo Júnior (PMDB), José Domingos Fraga (PSD), Oscar Bezerra (PSB) e Gilmar Fabris (PSD).


Na residência de Itamara Cenci, ex-mulher do deputado Fraga, foram encontradas cápsulas de ecstasy ‘em formato de sorvete’, como descreveu a Polícia Federal. A perícia ainda vai avaliar o conteúdo de um envelope com 14,5 gramas de pó branco. As drogas estavam em um cofre. Diversos brincos, pulseiras e anéis também foram localizados na casa de Itamara.

Fraga é um dos deputados que aparecem em vídeos pegando dinheiro no gabinete de Silval. Ele levou os maços em uma caixa de papelão.

No endereço de Airton Rondina (PSD), que foi flagrado em vídeo pegando dinheiro no gabinete de Silval tinha em casa uma garrucha de cano simples e 50 cartuchos de munição.

Maria Aparecida Gonçalves, com quem o deputado Romualdo Júnior tem uma filha, também foi conduzida coercitivamente e alvo de buscas e apreensões. Na casa dela, foi encontrada, na declaração de seu imposto de renda de 2015/16 uma doação do parlamentar no valor de R$ 300 mil.

Ao pedir a investigação sobre a origem do repasse, a procuradora-geral Raquel Dodge afirmou que é ‘importante destacar que entre os crimes investigados, em tese praticados por Romoaldo Júnior, encontra-se o crime de corrupção passiva por ter recebido a quantia de R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais), em doze parcelas de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) do então governador Silval Barbosa na condição de Deputado Estadual para manter a governabilidade, votar de acordo com os projetos do governo e não investigar os membros do alto escalão’.