‘O que eu tenho é medo de errar’

‘O que eu tenho é medo de errar’

No dia seguinte à bomba que anunciou, sobre omissões que podem levar à rescisão da delação da JBS, procurador-geral da República Rodrigo Janot diz que ouviu de 'alguém' que 'é um homem de muita coragem'

Julia Affonso e Luiz Vassallo

05 Setembro 2017 | 15h35

Rodrigo Janot. Foto: André Dusek/Estadão

No dia seguinte à bomba que anunciou, sobre omissões que podem levar à rescisão da delação da JBS, o procurador-geral da República Rodrigo Janot disse que ‘não tem coragem, mas medo de errar’.

“Eu não tenho coragem alguma, na verdade o que eu tenho é medo e o medo nos faz alerta”, declarou Janot, nesta terça-feira, 5.

Na segunda, 4, o procurador decidiu abrir investigação com base em áudio de um diálogo que durou quatro horas entre o empresário Joesley Batista, principal acionista da JBS, e o executivo do grupo Ricardo Saud.

OUTRAS DO BLOG: + ‘O Zé entrega o Supremo’

‘Temos que operar o Marcelo direitinho pra chegar no Janot’

O áudio chegou à Procuradoria ‘acidentalmente’, na quinta-feira, 31. A própria defesa da JBS entregou a gravação realizada em 17 de março.

Odebrecht revela R$ 4 mi ao Instituto Lula debitado de conta de propina

Empresário da Unfair Play pagou reforma para ex-secretário de Saúde de Cabral

PF liga amigo de Temer a fraudes de R$ 1 bi

Procuradoria põe Nuzman no topo de ‘engenhosa e complexa relação corrupta’

Bretas bloqueia R$ 1 bi de Nuzman e empresários

Janot disse nesta terça que viveu seus ‘dias mais tensos e dos maiores desafios desse período’.

“Alguém disse para mim ‘você realmente é um homem de muita coragem’. Aí eu parei e pensei, será que eu sou um cara de coragem mesmo? Tive a conclusão que eu não tenho coragem alguma. Na verdade, o que eu tenho é medo e o medo nos faz alerta.”

“E medo de quê? Medo de errar muito e medo de decepcionar minha instituição. Todas as questões eu enfrentei muito mais por medo de errar, medo de me omitir, medo de decepcionar a minha instituição, do que por coragem de enfrentar esses enormes desafios.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jatorodrigo janot