Empresário da Unfair Play pagou reforma para ex-secretário de Saúde de Cabral, diz Lava Jato

Empresário da Unfair Play pagou reforma para ex-secretário de Saúde de Cabral, diz Lava Jato

Ministério Público Federal, no Rio, afirma que a obra custou R$ 148 mil 'sem justificativa lícita aparente'

Julia Affonso e Fausto Macedo

05 Setembro 2017 | 09h50

O empresário Arthur Soares, alvo da Operação Unfair Play, deflagrada nesta terça-feira, 5, pagou uma reforma no apartamento de Sérgio Côrtes, ex-secretário de Saúde da gestão Sérgio Cabral (PMDB), no Rio, segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato. O Ministério Público Federal, no Rio, afirma que a obra custou R$ 148 mil ‘sem justificativa lícita aparente’.

Documento

“Trata-se do apartamento localizado no Condomínio Asa Branca, situado na Av. Borges de Medeiros, nº 2475, Lagoa, Rio de Janeiro, onde residia Sérgio Côrtes até sua prisão, em 11 de abril de 2017”, relatou a força-tarefa.

Procuradoria põe Nuzman no topo de ‘engenhosa e complexa relação corrupta’ 

Bretas bloqueia R$ 1 bi de Nuzman e empresários

O ex-secretário Sérgio Côrtes é investigado na Operação Fatura Exposta, desdobramento da Lava Jato que investiga esquema de corrupção na área da saúde do governo Sérgio Cabral. Os investigados teriam comandado um cartel de distribuidoras e fornecedoras de serviços, fraudando licitações do Estado.

“Sérgio Côrtes mais um dos integrantes da organização criminosa capitaneada pelo ex-governador Sérgio Cabral. Sua atuação concentrava-se na área da saúde, tendo sido o mesmo denunciado pela prática de corrupção passiva, pertinência à organização criminosa e obstrução de justiça”, narrou a força-tarefa.

O Ministério Público Federal relatou ao juiz federal Marcelo Bretas que, ‘por meio de declaração espontânea, João Batista Gomes Ferreira, sócio-administrador do Grupo SKS e Buska Tecnologia, informou que realizou obras no apartamento de Sérgio Côrtes, para instalação de equipamentos de segurança e de contrainteligência, cujo custo foi arcado pela empresa Facility Segurança LTDA, administrada, à época, por Arthur Soares’.

João Batista entregou aos procuradores notas fiscais da reforma. Um dos recibos, segundo a força-tarefa, está em nome da Facility no valor de R$ 41.379,70.

“Arthur Soares entregou vantagens indevidas a Sérgio Côrtes, ao pagar a reforma do apartamento deste. As obras foram pagas pela empresa Facility Segurança LTDA, da qual Arthur Soares é sócio, com conhecimento e sob ordens deste”, narrou a força-tarefa.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato