Ex-procurador também quer se explicar a relator

Ex-procurador também quer se explicar a relator

Marcelo Miller, alvo de pedido de prisão, informou que vai colocar o passaporte à disposição da Justiça

Constança Rezende, do Rio

09 Setembro 2017 | 11h38

Ex-procurador Marcelo Miller na sexta-feira, 8, no Rio. FOTO: FABIO MOTTA/ESTADÃO

A defesa do ex-procurador da República Marcelo Miller informou neste sábado, 9, que o advogado também vai colocar o passaporte à disposição da Justiça e pedir para que ele seja ouvido pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta sexta-feira, 8, ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de prisão de Miller, do empresário Joesley Batista, um dos donos do Grupo J&F, e de Ricardo Saud, diretor do grupo.

A informação foi dada pelo advogado de Miller, André Perecmanis.

+ Ex-procurador nega ter atuado como ‘intermediário’ entre o Grupo J&F e Janot

A defesa de Joesley Batista e Ricardo Saud, delatores do Grupo J&F, também pediu para ser ouvida pelo ministro Fachin antes da decisão sobre o pedido de prisão apresentado pela Procuradoria-Geral da República.

+ ‘Conversa de bêbados’

ÁUDIO: Ouça a trama de Joesley

Segundo Perecmanis, a defesa vai questionar o fato de Janot ter tomado a medida antes do depoimento de Miller ter acabado. Ele foi ouvido por cerca de nove horas, nesta sexta-feira, em um depoimento que terminou já na madrugada deste sábado.

+ Cármen exige investigação imediata de menções a ministros do STF em áudio de Joesley

+ ‘O que nós falamos não é verdade’

+ ‘O que eu tenho é medo de errar’

+ Temer pede acesso a todas as gravações da JBS, até áudios ‘apagados’

O pedido de prisão ainda precisa ser apreciado por Fachin. A decisão de Janot foi motivada pelo conteúdo de uma gravação entregue pela própria defesa do Grupo J&F, na qual Saud e Joesley falam sobre a suposta interferência de Miller para ajudar nas tratativas de delação premiada.