‘Conversa de bêbados’

‘Conversa de bêbados’

Empresário Joesley Batista, da JBS, tentou justificar conteúdo explosivo do áudio de quatro horas que provocou reviravolta no caso que mergulhou o governo Temer em sua pior crise política

Da Redação

08 Setembro 2017 | 14h04

Empresário Joesley Batista. FOTO DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O empresário Joesley Batista, delator da JBS, disse à Procuradoria-Geral da República que o polêmico áudio de quatro horas que provocou reviravolta no caso ‘é uma conversa de bêbados’. Assim, segundo informou o Jornal Hoje, da TV Globo, Joesley tentou justificar o conteúdo do longo bate papo com o executivo do grupo Ricardo Saud, que teria ocorrido no dia 17 de março.

Na conversa, bastante animada e aparentemente movida a álcool, marcada por revelações sobre preferências sexuais da dupla, Joesley e Saud tramam como neutralizar o Supremo Tribunal Federal e articulam uma aproximação do procurador-geral da República Rodrigo Janot.

O áudio chegou às mãos de Janot na quinta-feira, 31 de agosto, levado pela própria defesa dos delatores em meio a outras gravações. Teria havido um descuido dos delatores.

Na sexta, 1, o procurador anunciou abertura de investigação sobre supostas omissões de fatos na delação do grupo empresarial. A investigação pode levar ao rompimento do generoso acordo do qual se beneficiaram os delatores do grupo J&F, controladora da JBS.

Intimado a depor nesta quinta, 7, na sede da Procuradoria-Geral da República, Joesley saiu-se com essa explicação. “Foi uma conversa de bêbados.”

O empresário também alegou que não foi ‘por acidente’ que o áudio chegou à Procuradoria. Ele disse aos procuradores que a gravação de quatro horas foi levada ao Ministério Público Federal ‘para demonstrar transparência’.