Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Militares mostram preocupação de que discurso de Lula incite violência

Bolsonaro reuniu comando militar na manhã deste sábado para avaliar cenários após a soltura do ex-presidente

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2019 | 18h25

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro reuniu na manhã deste sábado, 9, o comando militar para avaliar o cenário após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter deixado a prisão. Entre os militares, a avaliação é que não há sinais de movimentos atípicos, mas há a preocupação de que o discurso de Lula possa incitar a violência, segundo apurou o Estado

A mesma opinião foi emitida por um dos participantes da reunião, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, em sua conta no Twitter. “Lula, em seu discurso, mostra quem é e o que deseja para o país. Incita a violência (cita povo do Chile como exemplo), agride várias instituições, ofende o Pres Rep (presidente da república) e mostra seu total desconhecimento sobre carreira militar”, tuitou. 

A repercussão do discurso de Lula em outros países também está sendo monitorada, em especial na América Latina, onde há manifestações em países como Chile e Bolívia. Preocupa o acirramento de ânimos na Bolívia, onde há setores das forças armadas retirando o apoio ao presidente Evo Morales e evitando conter protestos contrários ao governo.

Além de Heleno, participaram da reunião deste sábado o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e os comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica. O encontro durou pouco mais de meia-hora. 

Como mostrou o Estado nesta sexta, 8, a ideia inicial no Planalto era que se evitasse comentar a decisão do STF, para que isso não fosse interpretado como interferência de um poder em outro. Neste sábado, porém, depois de Lula citar Bolsonaro em seus discursos, o presidente subiu o tom e chegou a chamar o ex-presidente de “canalha” em sua conta do Twitter.

A liberdade de Lula deixará mais acirrada a polarização entre esquerda e direita, diminuindo o espaço para os candidatos considerados de centro ou moderados. No Planalto, auxiliares do presidente dizem que esse confronto alimentará o clima beligerante. Há preocupação com possíveis manifestações e radicalismo que possam ocorrer em manifestações, embora até agora não haja sinais claros de que isso acontecerá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.