Isac Nóbrega/Presidência da República
Isac Nóbrega/Presidência da República

Bolsonaro evita comentar julgamento sobre prisão em segunda instância

Presidente disse que, como chefe do Executivo, deve evitar atritos com o Legislativo e o Judiciário e que decisão não lhe cabe

Julia Lindner, Enviada especial

25 de outubro de 2019 | 01h18

PEQUIM - Em meio ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que pode mudar o entendimento sobre prisão após condenação em segunda instância, o presidente Jair Bolsonaro tenta se manter afastado de polêmicas sobre o assunto. A alteração pode beneficiar presos como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não estou achando nada. Sou chefe do Executivo, não sou mais deputado. Não posso ter atrito com o Legislativo, com o Judiciário. A decisão é deles", disse Bolsonaro ao ser questionado sobre o assunto por jornalistas, em Pequim.

Há alguns dias, a conta do presidente nas redes sociais publicou um texto a favor da condenação após segunda instância, ou seja, antes do processo tramitar em julgado, mas depois apagou o comentário. Um dos filhos do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), pediu desculpas pelo conteúdo postado.

Na semana passada, véspera do início do julgamento, Bolsonaro recebeu três ministros do STF pra reunião no Palácio do Planalto, mas o assunto das conversas não foi divulgado. "O que conversaram é reservado, não vou divulgar, eu perco a confiança", disse hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.