Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

'Lula está solto, mas continua com todos os crimes dele nas costas', diz Bolsonaro

Mais cedo, pelas redes sociais, o presidente já havia atacado Lula, mas indiretamente, sem mencionar o nome do ex-presidente nem de nenhum adversário político

Camila Turtelli e Gregory Prudenciano, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2019 | 14h09
Atualizado 11 de novembro de 2019 | 12h17

BRASÍLIA - Um dia após a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da prisão em Curitiba, onde estava desde 7 de abril do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro criticou o petista ao deixar o Palácio do Alvorada, neste sábado, 9, para comparecer a um churrasco no setor militar de Brasília. “Lula está solto, mas continua com todos os crimes dele nas costas”, disse Bolsonaro. “A grande maioria do povo brasileiro é honesto e trabalhador, não vamos dar espaço e nem contemporizar para um presidiário”, afirmou ainda. Veja o vídeo abaixo.

No final da noite de sábado, o presidente escreveu em sua conta no Twitter que não vai responder a "criminosos que por ora estão soltos", em uma referência. Bolsonaro compartilhou junto com o texto uma imagem com a capa da edição de sábado do jornal Correio Braziliense. A imagem traz o ex-presidente petista com o braço direito levantado, comemorando, ao lado de correligionários como a presidente do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-prefeito de São Paulo e adversário de Bolsonaro nas eleições de 2018 Fernando Haddad. Na publicação de Bolsonaro, Haddad aparece em destaque, com um círculo vermelho ao redor da cabeça. A manchete diz "Lula é solto e ataca PF, MP, Moro e Bolsonaro". 

Crítica indireta

Mais cedo, pelas redes sociais, Bolsonaro já havia atacado Lula, mas indiretamente, sem mencionar o nome do ex-presidente nem de nenhum adversário político. "Amantes da liberdade e do bem, somos a maioria. Não podemos cometer erros", disse no Twitter. "Sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa, se torna num (sic) bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos. Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa", afirma.

Em um segundo tuíte, o presidente da República escreve: "Iniciamos a (sic) poucos meses a nova fase de recuperação do Brasil e não é um processo rápido, mas avançamos com fatos". E repete: "Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa".

Nos dois posts, Bolsonaro evita qualquer menção direta a adversários políticos que ganharam liberdade após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de derrubar a prisão após a condenação em segunda instância. Porém, ao deixar o Alvorada, ele deixou claro de que as postagens eram sobre Lula. “Já fiz um comentário nas minhas mídias sociais hoje e vai ter outro à tarde”, disse quando foi perguntado sobre a soltura do ex-presidente da República.

Mais cedo, Bolsonaro tinha recebido a visita do seu filho o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e também do ministro de Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.