REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Entenda a escalada na crise entre bolsonaristas e ‘bivaristas’ no PSL

De 'queimado pra caramba' até a tentativa de obstrução na Câmara, embate no partido do presidente se agrava

Rafael Moraes Moura, Renato Onofre e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2019 | 05h30

BRASÍLIA e SÃO PAULO – A operação de busca e apreensão deflagrada pela Polícia Federal em endereços ligados ao presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), no Recife, agravou a crise que envolve o partido do presidente Jair Bolsonaro e ameaça prejudicar o andamento de projetos de interesse do Palácio do Planalto no Congresso. 

Na noite dessa terça-feira, 15, a liderança do PSL na Câmara tentou obstruir a análise da Medida Provisória que trata da reestruturação administrativa da Casa Civil e da Secretaria de Governo. A manobra segurou a votação por duas horas e, embora a MP tenha sido aprovada, o gesto representou um recado do grupo “bivarista”.

A divisão do partido, entre uma ala mais próxima a Bivar e outra que apoia Bolsonaro, se agravou na semana passada.

Entenda a seguir, passo a passo, a escalada da crise no PSL:

1. ‘Esquece o PSL’, diz Bolsonaro a apoiador

Ao ser abordado por um apoiador na porta do Palácio da Alvorada, na terça-feira passada, 8, Bolsonaro pediu que ele “esquecesse” o PSL e afirmou que Bivar, o presidente do partido, “está queimado para caramba”. A declaração foi interpretada com um sinal de que o presidente pensa em deixar o partido. 

O apoiador, que gravava um vídeo com Bolsonaro, dizia ser pré-candidato no Recife (PE) pelo PSL. Logo após a abordagem, Bolsonaro cochichou em seu ouvido: "Esquece o PSL". 

Mesmo assim, o homem gravou um vídeo junto ao presidente em que diz: "Eu, Bolsonaro e Bivar, juntos por um novo Recife". Bolsonaro pediu para que ele não divulgasse a gravação. "Oh, cara, não divulga isso não. O cara (Bivar) está queimado para caramba lá. Vai queimar o meu filme também. Esquece esse cara, esquece o partido", disse.  

A conversa foi gravada por outro apoiador, que também aguardava o presidente no local, e publicada. No dia seguinte, Bivar disse ao Estado que o vídeo demonstrava que Bolsonaro já havia decidido deixar a sigla e que o presidente “não tem mais nenhuma relação com o PSL”.

Antes mesmo da publicação do vídeo, o PSL já era alvo de disputas, com ameaça de debandada. O comando de Bivar é contestado por aliados de Bolsonaro, que tentam tomar as rédeas da sigla tendo em vista as eleições municipais de 2020. O partido terá a maior fatia do fundo eleitoral, dinheiro público que vai financiar as campanhas de candidatos a prefeitos e vereadores. 

Na segunda, 7, Bolsonaro havia exigido de Bivar, por telefone, o comando do PSL. Disse que, caso a situação continuasse como está, deixaria o partido. Bivar recusou o ultimato. O deputado controla o PSL desde 1994, quando a sigla ainda era nanica. 

2. Bolsonaro busca saída jurídica 

No dia seguinte à divulgação do vídeo, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com sua advogada Karina Kufa, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga (que tem atuado como um conselheiro do presidente), e parlamentares que o apoiam dentro do partido. Aliados saíram da reunião dizendo que a situação de Bolsonaro no partido é “insustentável”.

O presidente passou a procurar por uma saída para deixar o PSL sem que parlamentares de seu grupo percam o mandato por infidelidade partidária, mas, ciente de que essa solução pode demorar, decidiu amenizar o tom do discurso. Perguntado sobre a declaração do dia anterior, Bolsonaro disse que “não tem crise nenhuma”. “Briga de marido e mulher às vezes acontece”, afirmou após a reunião. 

No mesmo dia, deputados ligados a Bolsonaro divulgaram uma carta em desagravo ao presidente. O documento cobrou “novas práticas” da direção de Luciano Bivar , e disse que a ala bolsonarista da bancada “não perdeu a esperança” de que seja aberto um “canal de diálogo”. Na carta, parlamentares não falam em deixar a legenda, mas, em reservado, alguns tratam o documento como uma espécie de ultimato. 

3. Bolsonaro é cortejado por novos partidos

Embora ainda não tenha definido o seu destino, Bolsonaro avalia vários cenários políticos e deseja um partido que possa controlar, para impulsionar sua candidatura à reeleição, em 2022. A União Democrática Nacional (UDN), extinta após o golpe militar de 1964, já pediu registro como partido no TSE e quer que o presidente se filie à sigla

“Estamos de braços abertos para a família Bolsonaro”, disse Marcus Alves de Souza, presidente da UDN. O Estado apurou que o dirigente da sigla em formação tem conversado com interlocutores do clã Bolsonaro. 

A UDN, no entanto, é alvo de uma disputa judicial pela marca da sigla. Enquanto uma das iniciativas, do capixaba Marcus Alves de Souza, é feita pela via tradicional - coleta e homologação de assinaturas -, outra, do advogado Marco Antonio de Vicente Junior, visa desfazer a extinção da antiga UDN pelo AI-2, batizar a legenda de “Nova UDN” e convocar uma convenção para eleger seus diretores.

Outra possibilidade em estudo é que o presidente se filie ao Patriota ou a um novo partido, que se chamaria Conservadores. A sigla está em construção e deve nascer sob o guarda-chuva da UDN. Desde o início de sua carreira política, Bolsonaro já passou por oito legendas.

4. Presidente fala em auditoria nas contas do partido

Estimulados pelo presidente Jair Bolsonaro, um grupo de deputados do PSL pediu ao partido que promova uma auditoria de suas contas para avaliar como foram utilizados os recursos públicos recebidos por meio do Fundo Partidário. A iniciativa, tomada no fim da semana passada, teve mais uma vez como foco Luciano Bivar. 

“Vamos pedir uma auditoria nas contas do partido dos últimos cinco anos”, afirmou o presidente.

Isso ocorreu enquanto uma reação da ala “bivarista” do PSL era organizada contra defensores de Bolsonaro e seus filhos no partido. Bivar ameaçou retaliar o presidente por meio de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, o deputado pode ser destituído do cargo por decisão da liderança do partido, que tem a prerrogativa de indicar seus representantes nas comissões. Em outro lance, Bivar marcou uma convenção nacional extraordinária do partido para o dia 18 com o objetivo de reduzir a força de bolsonaristas na legenda. 

5. Operação da PF mira Bivar

Foi deflagrada nesta terça, 15, uma operação de busca e apreensão da PF contra Luciano Bivar. O presidente do PSL é investigado por suspeita de montar um esquema de candidaturas femininas fictícias (“laranjas”) nas disputas do ano passado com o fim de desviar dinheiro do fundo eleitoral – o que Bivar nega. 

Batizada de “Guinhol”, em alusão a marionete, a operação de busca e apreensão contra Bivar foi pedida em agosto pela PF, mas chegou a ser negada pela juíza eleitoral Maria Margarida de Souza Fonseca, do Recife. Nesta segunda, porém, foi autorizada pelo Tribunal Eleitoral de Pernambuco. 

A investigação começou em março e, de acordo com a PF, há indícios de que o dinheiro público destinado às campanhas foi usado “de forma fictícia” e “desviado para livre aplicação do partido e de seus gestores”. 

No início do ano, Bolsonaro anunciou que havia pedido à PF uma investigação para apurar suspeitas de uso irregular de verbas de campanha por integrantes do PSL. Em 14 de fevereiro, o Estado mostrou que sete candidatos do partido a deputado federal e estadual em Pernambuco repassaram R$ 1,2 milhão para a empresa de um dirigente da sigla no Estado. À época, porém, o foco estava sobre o então ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, demitido poucos dias depois.

A ala pró-Bivar viu a ação como “retaliação” do Planalto ao presidente da legenda, embora não tenha surgido nenhuma evidência concreta.

6. Ala ‘bivarista’ organiza reação no Congresso

A briga no partido, após a operação da PF, está cada vez pior. Após a manobra para obstruir a votação da MP sobre a reestruturação administrativa, nesta terça, 15, deputados da bancada iniciaram um movimento para destituir o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), que chegou a se unir à oposição. 

Amigo de Bivar, Waldir negou que estivesse dando o troco na votação, mas afirmou que o próprio Bolsonaro deu sinais de que alguma coisa grave estava para ocorrer. “Só o Saci Pererê e o Papai Noel não sabiam dessa operação da Polícia Federal”, disse ele.

Na prática, a operação da PF pode dar agora a brecha jurídica necessária para deputados próximos a Bolsonaro se desfiliarem do PSL sem o risco de perder o mandato, caso ele decida mesmo sair do partido.

Na avaliação do ex-ministro do TSE Admar Gonzaga, que defende Bolsonaro, seriam “abundantes” os motivos para deputados do PSL deixarem o partido por justa causa, sem perder o mandato. Atualmente, deputados que mudam de legenda fora da chamada “janela partidária” – que é de seis meses antes da eleição – correm o risco de ficar sem mandato. Uma das exceções é justamente a alegação de “justa causa”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.