Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Chateados: Cinco vezes que o governo Bolsonaro contrariou sua rede de apoiadores

Caso envolvendo Ilona Szabó é o mais recente e fez Moro recuar em indicação; crise envolvendo família e reclamações de aliados por falta de articulação aumentam lista

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 10h08

Eleitores e aliados têm mostrado a Jair Bolsonaro que ele precisará de mais habilidade política e "jogo de cintura" para lidar com discordâncias sobre decisões da Presidência. 

Há dois meses no cargo, ele já teve de enfrentar crises envolvendo família e membros do governo, indicações reprovadas por eleitores e ainda convive com reclamações de seus aliados políticos. Relembre os casos abaixo.

1. #IlonaNão

O caso envolvendo a cientista política Ilona Szabó é o mais recente. Escolhida pelo ministro Sérgio Moro para ser suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, ela virou alvo da fúria da rede bolsonarista por já ter manifestado discordância de ideias do presidente. A hashtagh #IlonaNão virou trending topic no Twitter.

Não durou uma semana no Conselho. Após a repercussão, Bolsonaro solicitou a Moro que retirasse a indicação. "Moro disse que lamentava, mas o presidente não sustentava a escolha na base dele", disse ela ao 'Estadão'.

2. Mozart x bancada evangélica

Escolhido para comandar o Ministério da Educação como revelou o Estadão, o educador Mozart Neves Ramos foi reprovado por eleitores e pela bancada evangélica por discordar, entre outros temas, do 'Escola Sem Partido'. 

“Não há afinidade ideológica. A bancada evangélica não vai respaldar um ministro que não tenha afinidade", disse o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS), ligado à Assembleia de Deus, ao Estadão. Bolsonaro recuou e escolhou Ricardo Vélez Rodríguez para o cargo.

3. PSL sem espaço

Mesmo antes do início dos trabalhos no Congreso, deputados e senadores do PSL reclamaram da falta de espaço de seus quadros no governo e ainda antes, na equipe de transição de Bolsonaro. Líderes do partido pressionaram o então presidente eleito para que indicasse alguns de seus quadros para ministérios. 

4. Falta de articulação

A articulação política de Bolsonaro com o Congresso tem sido uma dificuldade para o governo, que precisa de apoio se quiser aprovar pautas como a reforma da Previdência. Nesta semana, Maia fez alerta. 

“Não tem velha e nova política, tem a política. O problema é a governabilidade da Casa em conjunto. A Reforma da Previdência vai ter um peso positivo para o governo em 2022 e os deputados querem compreender como isso será dividido", disse Maia. "O governo tem o PSL na base e não tem mais partido algum. Precisamos trazer uns 10, 12 partidos para a base para ter musculatura."

5. Bebianno

O "romance" entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno durou pouco. Fã que virou braço direito de Bolsonaro, chegou a dizer, no ano passado, que era apaixonado pelo então deputado - "de forma hétero", destacou. Menos de dois meses depois de entrar no governo, saiu ressentido pela demissão envolvendo as rusgas com o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente. Ele também é suspeito de envolvimento em desvio de recursos de campanhas do PSL.

SINAIS DE ALERTA

Apoio a Maia

O apoio declarado do PSL, partido do presidente, à reeleição de Rodrigo Maia para o comando da Câmara, ligou sinal de alerta em apoiadores de Bolsonaro. Mais de uma vez o governo e aliados fizeram questão de declarar que o apoio era do partido e não do presidente, nem do governo. As críticas vieram por eleitores de Bolsonaro enxergarem Maia como um representante da chamada "velha política".

Mercado preocupado com reação árabe

Majoritariamente favorável à ascensão de Bolsonaro, o mercado se mostrou receoso após a retaliação de países árabes ao Brasil em função das declarações pró-Israel do então presidente eleito. Durante a campanha, ele enfatizou o plano de mudar a embaixada do País em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. 

A localização da embaixada é uma questão sensível porque Israel e Palestina disputam o predomínio sobre Jerusalém. O Estado judeu considera toda a cidade como sua capital, enquanto os palestinos desejam tornar Jerusalém Oriental a capital do seu futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.