Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Ao menos onze Estados e o DF registram atos contra o governo Bolsonaro 

Manifestações que levantaram a bandeira do combate ao racismo e a defesa da democracia ocorreram de forma pacífica; grupos menores defenderam Bolsonaro

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2020 | 17h51
Atualizado 07 de junho de 2020 | 22h31

O presidente Jair Bolsonaro foi alvo de protestos no Distrito Federal e em ao menos 11 capitais neste domingo, 7. Classificados por Bolsonaro na semana passada como “marginais” e “terroristas”, os manifestantes fizeram atos foram majoritariamente pacíficos. A adesão foi maior em São Paulo, onde também houve panelaços e buzinaços contra o presidente. Após a manifestação terminar, a Polícia Militar (PM) usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um grupo pequeno que continuava nas ruas de Pinheiros, Zona Oeste. Os jovens quebraram vidraças de agências bancárias e viraram uma caçamba de material de construção.

Os grupos também levantaram outras bandeiras, como o combate ao racismo. Ao longo do dia, foram registrados atos a favor de Bolsonaro bastante reduzidos. O presidente havia recomendado a seus seguidores que não saíssem de casa. Ainda assim, houve aglomerações a favor do presidente em São Paulo e Brasília. Se nas semanas anteriores, Bolsonaro sobrevoou os atos e os visitou a cavalo, ontem ele apenas cumprimentou um grupo de simpatizantes na porta do Palácio da Alvorada.

Em São Paulo, os defensores de Bolsonaro ocuparam parte da calçada do cruzamento da Avenida Paulista com a Rua Pamplona. Eles carregavam faixas que pediam “intervenção militar” e criticavam o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O tráfego de veículos na via não foi afetado. Previsto inicialmente para ocorrer no mesmo lugar, o protesto contra Bolsonaro foi deslocado para a Zona Oeste, após decisão judicial. Opositores do presidente chegaram a preencher parte do Largo da Batata e duas faixas da Avenida Brigadeiro Faria Lima. Depois, caminharam por um trecho de 700 metros da Rua dos Pinheiros, até um bloqueio montado pela PM. 

Parte das pessoas carregava faixas com os dizeres “Fora Bolsonaro”, enquanto outros levantavam cartazes questionando ações do governo nas áreas cultural e indígena, além de palavras de ordem contra ataques a negros. No carro de som, líderes de movimentos sociais, ativistas ligados ao PSOL e representantes de torcidas organizadas discursaram sobre direitos humanos. Não havia outras bandeiras de partidos políticos. Alguns manifestantes entregaram cravos para integrantes da PM para fazer referência à Revolução dos Cravos, movimento histórico contra os fascistas em Portugal. Alguns policiais aceitaram as flores, mas depois foram orientados pelo comando a devolvê-las.

A maior parte dos participantes usava máscaras. Mas, durante a manifestação, não mantiveram a distância de 1,5 metro entre cada pessoa.

Por volta das 18h30, quando o ato já tinha terminado, um grupo menor de manifestantes continuou na Rua dos Pinheiros, próximo à estação Fradique Coutinho do Metrô. Eles pretendiam seguir até a Avenida Paulista, mas foram impedidos pela PM. Secretário-executivo da Polícia Militar de SP, o coronel Álvaro Batista Camilo afirmou ao Estadão que as pessoas que entraram em confronto com a PM não eram manifestantes. “Meia dúzia de vândalos não representam os manifestantes. O dia inteiro o protesto ocorreu de forma pacífica.”

Secretário-executivo da Polícia Militar de SP, o Coronel Álvaro Batista Camilo afirmou ao Estadão que as pessoas que entraram em confronto com a PM não eram manifestantes do Largo da Batata. "Meia dúzia de vândalos não representam os manifestantes. O dia inteiro o protesto ocorreu de forma pacífica", disse.

Capitais

Nos demais Estados, os atos também ocorreram com tranquilidade. Em Brasília, protestantes ocuparam parte da Esplanada dos Ministérios para se posicionarem contra o presidente Jair Bolsonaro e contra o racismo. A Polícia Militar fez um cordão de isolamento para impedir que os manifestantes avancassem até a Praça dos Três Poderes.

A exemplo das manifestações ocorridas em 2016, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff,  grupos a favor e contra o governo se dividiram entre os dois lados da Esplanada. Do lado esquerdo da via, em sentido ao Congresso, ficaram os manifestantes que pedem a defesa da democracia e a saída de Bolsonaro. Do lado direito, poucos manifestantes se uniram em ato pró-Bolsonaro.

Os manifestantes também evitaram utilizar roupas de times ou de torcidas organizadas e bandeiras de partidos político, como forma de demonstrar que o ato era do cidadão e não atrelado a qualquer grupo

Belo Horizonte, Belém, Rio, Manaus, Recife, Porto Alegre, Recife, Curitiba, Salvador, Fortaleza e Goiânia também registraram atos políticos neste domingo.

Manifestantes vestidos, em sua maioria, de preto e usando máscaras para proteção contra o novo coronavírus tomaram uma das pistas da Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, para protestar contra o racismo e a violência policial nas favelas da cidade..O ato também criticou governo Bolsonaro e pediu a sua saída do poder.

O centro de Porto Alegre se tornou palco de atos contra o presidente Bolsonaro. Embora organizadores dos atos que se denominam antifascistas não tenham chegado a um consenso sobre sair ou não às ruas, temendo atos de vandalismo provocados por infiltrados e também a pandemia do coronavírus, manifestantes tomaram a região Central.

Na capital mineira, a concentração de opositores a Bolsonaro se deu na Praça da Bandeira, região sul, e seguiu em direção à Praça Sete, no centro. O representante da Unidade Popular (UP), Leonardo Péricles, que participou da manifestação, justificou o ato em plena pandemia.  "Não temos as melhores condições de lutar, mas temos que lutar. A bandeira 'Fora Bolsonaro' tem que ser a bandeira do povo brasileiro", disse. 

Já em Belém, um forte esquema de segurança impediu uma manifestação contra o presidente ao longo da manhã. A capital do Pará também não teve atos a favor do presidente da República. Organizado pelas redes sociais, o movimento anti-Bolsonaro estava marcado para acontecer às 9h, em frente ao mercado de São Brás. Antes do horário previsto, no entanto, tropas da Polícia Militar, incluindo a de Operações Especiais, a cavalaria e também a Força Nacional, impediam qualquer tipo de aglomeração. Cerca de 50 manifestantes foram detidos e levados para uma delegacia.

O representante do movimento antirracista de Belém, Raphael Castro, repudiou a ação dos policiais. “Tivemos um diálogo muito limitado e não conseguimos expor aos agentes da segurança pública os motivos pelos quais estamos aqui. Desde o início esse era um ato que pretendia manter o distanciamento social e os protocolos de higiene”, explicou.

Em entrevista ao Estadão, o delegado da polícia civil, Renan Souza, coordenador da ação, disse que as pessoas estão sendo ouvidas individualmente. “Estamos analisando cada caso. Não tivemos depredação de patrimônio público, confronto nem resistência. Eles estão aqui para dar esclarecimentos ao descumprimento do decreto estadual  que proíbe a aglomeração de pessoas”, informou. / PEDRO VENCESLAU, ADRIANA FERRAZ, ANDRÉ BORGES, DENISE LUNA, ISABEL CRISTINA, ANGELO SFAIR, LEONARDO AUGUSTO, LUCAS RIVAS, FERNANDA LIMA, LÔRRANE MENDONÇA, THAISE ROCHA E ROBERTA PARAENSE

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroJoão Doriaracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.