Flavio Bolsonaro/Twitter
Flavio Bolsonaro/Twitter

Saúde de Bolsonaro está em evolução, diz novo boletim médico

Novo boletim médico informa que condições clínicas do candidato do PSL estão melhorando; ele já está caminhando e fazendo exercícios sem dor

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2018 | 17h23

SÃO PAULO - O candidato à Presidência nas eleições 2018Jair Bolsonaro (PSL) está com a saúde em evolução, segundo o boletim médico divulgado no fim da tarde deste domingo, 9, pelo Hospital Albert Einstein. Ele continua fazendo fisioterapia, com caminhadas e exercícios diários sem dor. Apesar disso, ainda tem anemia por conta do sangramento inicial. 

Jair Bolsonaro está internado em São Paulo desde sexta-feira, 7, para se recuperar de uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na tarde de quinta, 6. Antes, fez tratamento na cidade mineira.  

Líder nas pesquisas de intenção de votos, o deputado federal era carregado na região central de Juiz de Fora quando foi atingido por um homem identificado como Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, que foi preso. 

Apesar do avanço, cirurgiões ouvidos pelo Estado indicam que pacientes com quadros parecidos com o de Bolsonaro costumam retornar ao trabalho e às atividades normais no período de um a dois meses após a operação. Portanto, o candidato não deve estar apto a fazer campanha de rua antes do primeiro turno, que ocorre em 7 de outubro

Leia o boletim médico completo: 

O quadro de saúde do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, internado no Hospital Israelita Albert Einstein, continua em evolução. A circulação do intestino para o fígado está preservada.

A paralisia intestinal decorrente do grande trauma mostra sinais de que está em regressão, ou seja, é possível que, nos próximos dias, a função intestinal se normalize e o paciente passe a ingerir alimentos por via oral. Persistem os cuidados de fisioterapia, incluindo caminhadas e exercícios diários, sem apresentar dor.

Nos exames laboratoriais ainda existe uma leve anemia, em decorrência do sangramento inicial, secundário ao trauma.

Dr. Antônio Luiz Macedo, cirurgião

Dr. Leandro Echenique, clínico e cardiologista.

Dr. Miguel Cendoroglo, diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.