UFMG
UFMG

Registro de pesquisas eleitorais cai 37%

Com menos recursos, pré-campanhas das eleições 2018 têm optado por usar levantamentos públicos e monitorar a movimentação de usuários das redes sociais

Augusto Decker e Thaís Matos, especiais para O Estado

02 Julho 2018 | 05h00

A pré-campanha das eleições 2018 está sendo feita com menos dados disponíveis sobre a intenção de voto do eleitor. Os registros de pesquisas públicas relacionadas à eleição presidencial no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tiveram queda de 37% em relação a 2014. De 1º de janeiro a 26 de junho, foram registradas 88 pesquisas eleitorais em 2018 sobre a eleição presidencial. Há quatro anos , eram 139 neste mesmo período.

++ Eleições 2018: conheça os pré-candidatos à Presidência da República

O número não inclui pesquisas presidenciais realizadas apenas para uso interno, embora alguns dos levantamentos registrados no TSE tenham sido feitos a pedido de partidos políticos. Conforme relatos colhidos pelo Estado, o número de pesquisas eleitorais em 2018 será menor por dois motivos: a mudança no financiamento eleitoral – que agora proíbe contribuição de empresas – e o momento econômico do País.

A diminuição significa uma dificuldade maior para as coordenações de campanhas capturarem tendências entre os eleitores e planejarem suas estratégias. Legendas pequenas, com pouca participação no fundo eleitoral, têm buscado se referenciar pelas pesquisas eleitorais públicas, como as realizadas por Datafolha e Ibope, e por monitoramento de redes sociais.

++ PT não tem condições de abrir mão de Lula, diz Haddad

A pré-campanha do senador Alvaro Dias (Podemos) até agora não realizou pesquisas para Presidência nas eleições 2018. “Estamos apenas acompanhando as pesquisas dos institutos. Também contamos com updates dos candidatos nos Estados”, disse a assessoria de imprensa do candidato.

A redução ocorre também em relação às pesquisas eleitorais para consumo interno – que não são divulgadas em meios de comunicação. Há candidato que não fez nenhuma até o momento.

++ Votos nulos e brancos: entenda o que são e para 'onde vão'

O PSOL, que contratou apenas uma pesquisa eleitoral em 2018, tem medido tendências por meio de monitoramento das redes sociais feito pela própria equipe. “Com o dinheiro do fundo, temos mais recursos que nas últimas eleições, mas tenho apenas mais uma pesquisa programada. Estamos negociando contratos mais longos com empresas voltadas para as redes”, afirmou o presidente do partido, Juliano Medeiros.

++ Divisão interna entre advogados de Lula deixa dirigentes petistas em alerta

Em situação de empate técnico com o líder das pesquisas de intenção de votos, Jair Bolsonaro (PSL), no cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – condenado e preso pela Operação Lava Jato –, a campanha da pré-candidata Marina Silva (Rede) afirma não ter orçamento suficiente para bancar pesquisas eleitorais próprias.

“Nós estamos nos guiando pelos resultados públicos. No momento, não temos recursos para isso”, afirmou Andrea Gouvêa Vieira, coordenadora da campanha. A legenda não considera as redes sociais uma boa fonte para substituir pesquisas por não haver uma análise científica, e não leva em conta esses dados no momento de tomadas de decisão.

Em 2014, a campanha da presidente cassada Dilma Rousseff (PT) gastou R$ 11,3 milhões em pesquisas eleitorais, segundo a prestação de contas apresentada ao TSE. Já o Diretório Nacional e Comitê Financeiro Nacional para a Presidência da República do PSDB destinou cerca de R$ 9 milhões para este fim.

Pesquisas eleitorais 2018 também caíram nos Estados

As pesquisas eleitorais realizadas em âmbito estadual – para eleições de governadores, senadores, deputados – também tiveram uma queda. Em 2014, haviam sido realizadas 278 pesquisas em todos os Estados. No mesmo período de 2018, foram 173, redução de 37,8%.

O professor de ciência política da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em sistemas eleitorais e partidos políticos, Bruno Wanderley Reis, afirma que a tendência é uma má notícia. “Muita gente discute qual pesquisa é boa e qual não é, mas o bom é fazer muita pesquisa. Só assim teremos uma ideia melhor do cenário político. Uma quantidade menor de pesquisas piora a qualidade do debate”, disse.

++ Veja quais os recursos do ex-presidente Lula no Supremo

Para o professor, as redes sociais não são um bom parâmetro para aferir tendências, pois a amostra não é representativa da população como um todo. Ele adiciona, ainda, que a popularidade dos candidatos na internet não se traduz necessariamente em exposição positiva. “Não tem substituto para pesquisa, o resto é só fofoca”, avalia o professor.

Cláudio Couto, cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV), vê um impacto menor para o eleitor do que para as campanhas. Segundo ele, com menos informações, os candidatos terão que arriscar mais. “Como o eleitor que recorre ao voto estratégico não precisa de um grande número de pesquisas, o efeito para ele pode ser marginal. Já do ponto de vista da estratégia dos partidos, é claro que você ter menos informações pode ter algum tipo de prejuízo para essa estratégia. Com isso, talvez os candidatos arrisquem mais”, afirmou.

++ Jair Bolsonaro lidera com 19% em São Paulo, aponta pesquisa Ibope

Duílio Novaes, presidente da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), afirma que o setor como um todo não sofreu tanto com a mudança nas regras de financiamento eleitoral. Segundo ele, o crescimento de pesquisas (todas, não apenas as eleitorais) em maio de 2018 foi de 8% em relação ao mesmo mês de 2017. No entanto, diz, sempre há um crescimento em anos eleitorais, mas o deste ano foi menor do que o esperado. “O setor não vive um bom momento. Temos ouvido reclamação de muitos dos nossos associados”, concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.