André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Divisão interna entre advogados de Lula deixa dirigentes petistas em alerta

Sepúlveda Pertence teria feito o pedido de prisão domiciliar ao STF sem consultar os demais da equipe; advogado quer conversar agora pessoalmente com Lula para decidir se deixa ou não defesa

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 12h56

A divisão interna entre os advogados que compõem a equipe de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva colocou em alerta a direção do PT. Integrantes da cúpula petista temem a saída do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) da equipe depois de desentendimentos com o advogado Cristiano Zanin Martins.

A coluna Painel revelou e o Estado confirmou que Sepúlveda Pertence quer conversar com Lula pessoalmente antes de decidir se continua ou não na defesa do petista. 

++ Fachin comunica plenário sobre novo recurso de Lula

++ Roseana Sarney apoia campanha 'Lula Livre'

Pertence teria se sentido desautorizado por Zanin e pelo próprio Lula no caso do pedido de prisão domiciliar para o ex-presidente feito ao STF. Segundo petistas que acompanham o caso de perto, Pertence fez o pedido sem consultar o restante da equipe, o que enfureceu Zanin por contrariar a estratégia política/jurídica de Lula de não aceitar decisão que não seja pela sua plena inocência.

A reação de Zanin piorou o clima. Conforme fontes jurídicas, Pertence ficou irritado com a publicação de notas nas quais era desautorizado pelo advogado.

Durante a semana uma série de bombeiros entrou em cena para apagar o incêndio e a situação parecia sob controle até quarta-feira, quando Zanin apresentou uma reclamação ao STF sem a assinatura de Pertence. De acordo com estas fontes, os dois não estão se falando.

++ Lula pede ‘correção’ a Alexandre de Moraes

A advogada Valeska Teixeira Martins, sócia e esposa de Zanin, negou que haja crise na defesa de Lula.

“Todos nós admiramos muito o ministro Sepúlveda Pertence. Da nossa parte não há nenhum mal estar”, disse ela.

A divisão entre os advogados chegou à cúpula petista que, na segunda-feira, questionou Zanin sobre o episódio. Dirigentes petistas estão ouvindo outros advogados para chegar à uma conclusão sobre quem tem razão no episódio.

++ Registro de pesquisas eleitorais cai 37%

A falta de acesso direto a Lula, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, dificulta a apuração. Alguns petistas questionam o que chamam de “monopólio” de Zanin em relação ao ex-presidente. Na quinta-feira passada o pastor Ariovaldo Ramos visitou Lula na prisão e na saída disse que o petista “não quer indulto nem prisão domiciliar”.

O principal temor dos petistas é que as divergências entre os advogados prejudique a defesa de Lula justamente no momento em que o STF pode julgar os recursos que pedem a libertação do ex-presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.