Flavio Bolsonaro/Twitter
Flavio Bolsonaro/Twitter

Jair Bolsonaro está consciente e caminha pelo quarto

Boletim médico informa que o candidato continua a recuperação e fará mais exercícios gradativamente para reduzir riscos de trombose, problemas pulmonares e recuperar o funcionamento do intestino

Ricardo Galhardo e Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2018 | 11h03
Atualizado 08 Setembro 2018 | 18h51

O candidato à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro (PSL) caminhou durante cinco minutos acompanhado de um fisioterapeuta neste sábado, 8, segundo boletim médico distribuído às 18h13 pelo Hospital Albert Einstein.

De acordo com os médicos, o tempo das caminhadas será aumentado gradualmente conforme a recuperação de Bolsonaro. O objetivo do exercício é reduzir riscos de trombose, problemas pulmonares e recuperar o funcionamento do intestino.

Além disso, o presidenciável foi levado do leito para uma poltrona na qual passou meia hora. Segundo os médicos, não há sinais de infecção. Em outro boletim divulgado no início da tarde, o hospital informou que o estado de saúde do candidato é estável e ele se recupera da cirurgia realizada em função do atentado a faca que sofreu em Juiz de Fora (MG) na quinta-feira, 6

Em mensagem gravada, obtida com exclusividade pelo BR18, o cirurgião Antonio Luiz Vasconcellos Macedo, chefe da equipe médica que cuida de Bolsonaro, diz que deve tirar a sonda da bexiga ainda hoje. Ouça aqui o áudio exclusivo.

O presidenciável está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde a tarde de sexta-feira, 7, após ter sido transferido da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG), onde se recuperava da facada que levou em ato de campanha

O Hospital informou que as visitas ao presidenciável estão "restritas à sua esposa e filhos, por ordem médica". Diversos parlamentares, candidatos e apoiadores estiveram neste sábado no Albert Einstein, mas foram impedidos de entrar no quarto de Bolsonaro, ao contrário do que ocorreu na sexta, quando o pastor Silas Malafaia e o senador Magno Malta (PR-ES) chegaram a gravar um vídeo divulgado nas redes sociais ao lado do leito do candidato. 

Fontes ouvidas pelo Estado relatam que Bolsonaro já iniciou a fisioterapia e deve tirar a sonda ainda neste sábado. O economista Paulo Guedes, responsável pelo programa de governo de Bolsonaro, esteve no hospital para "dar um abraço" na família do candidato. Segundo ele, a prioridade agora é a recuperação do presidenciável. Perguntado sobre a possibilidade de substituir Bolsonaro no debate Estadão/TV Gazeta/Twitter no domingo, em São Paulo, respondeu: "Tem cabimento um economista substituir o candidato a presidente?". 

Líder nas pesquisas de intenção de votos, o candidato era carregado na região central de Juiz de Fora, em Minas Gerais, quando foi golpeado na altura do abdome por seu agressor, identificado como Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, que foi preso. O candidato sofreu um único golpe de faca que perfurou em três partes o intestino delgado, provocando traumatismo abdominal e hemorragia interna. 

Gastrocirurgiões ouvidos pelo Estado avaliam que dificilmente Jair Bolsonaro será liberado pelos médicos a fazer campanha de rua antes do primeiro turno das eleições 2018, marcado para 7 de outubro. Em geral, pacientes com quadro similar ao do presidenciável só são autorizados a retornar ao trabalho e às atividades normais no período de um a dois meses após a operação. 

Leia o boletim médico mais recente na íntegra:

São Paulo, 08 de setembro de 2018.

Hoje, o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, passou um pequeno período do dia sentado na poltrona (30 minutos), além de caminhar no quarto auxiliado por fisioterapeuta, enfermeira e médico por 5 minutos. O tempo será gradualmente aumentado nos próximos dias conforme a tolerância do paciente às atividades. Essas medidas têm objetivo de reduzir os riscos de trombose, complicações pulmonares e acelerar a recuperação do funcionamento do intestino.

Até o momento, a evolução não evidencia sinais de infecção. O paciente deu entrada ao Hospital Israelita Albert Einstein na manhã do último dia 7. 

Dr. Antônio Luiz Macedo, cirurgião

Dr. Leandro Santini Echenique, clínico e cardiologista

Dr. Miguel Cendoroglo, Diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.