Sarah Torres/ALMG
Sarah Torres/ALMG

Emedebista acena por retorno de aliança com PT nas eleições 2018

Há dois meses, o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB), abriu processo de impeachment do governador petista Fernando Pimentel 

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 05h00

BELO HORIZONTE - Pouco mais de dois meses depois de acatar o pedido de impeachment contra o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), o presidente da Assembleia Legislativa Adalclever Lopes (MDB), que anunciou sua pré-candidatura ao governo nas eleições 2018, não descartou a possibilidade de formar uma aliança com o PT, mesmo após o rompimento entre os dois partidos. Em entrevista à Rádio Super, de Belo Horizonte, o deputado defendeu a candidatura própria do MDB mas afirmou que a legenda pode sim se unir ao partido “mais parecido”.

PT e MDB eram aliados históricos em Minas Gerais, pelo menos até o começo de 2018. A relação ficou estremecida após a ex-presidente cassada, Dilma Rousseff (PT), transferir o título eleitoral para Minas Gerais e ser cogitada no PT como pré-candidata ao Senado – vaga que era pleiteada por Adalclever na chapa. Em seguida o presidente da Assembleia aceitou dar prosseguimento ao processo de impeachment contra o atual governador, Fernando Pimentel (PT), o que teria marcado de vez o distanciamento. 

Após instaurar o processo de impedimento, Adalclever anunciou que seria pré-candidato ao governo de Minas. Além dele, o atual vice-governador, Antônio Andrade, que está rompido com o governo estadual desde 2016, e o deputado federal Leonardo Quintão, também se dizem pré-candidatos do MDB ao governo mineiro.

++ Perillo sugere Meirelles como vice de Alckmin; ex-ministro rejeita

“Nós não temos um rompimento para dizer que em nenhuma hipótese daria para compor com o PT. A porta de entrada está aberta. Quem quiser compor com o MDB e aceite as propostas e ideologicamente se pareça conosco”, declarou Adalclever à rádio. Durante a entrevista, o parlamentar não falou como as duas legendas iriam lidar com a instauração do impeachment, nem como poderia ser feita essa reaproximação.  

++ ONGs apresentam ‘programas’ para os presidenciáveis

Nas últimas semanas, lideranças do PT também não descartaram a possibilidade de um retorno à aliança com o MDB. A presidente do diretório estadual petista, Cida de Jesus, também tem declarado que as portas da coligação estão abertas e que aceitaria conversar com os emedebistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.