Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Em busca de apoio, Ciro diz que solicitou ao DEM lista de pessoas para pedir desculpas

O pedetista admitiu que 'às vezes' é 'muito duro' em suas afirmações, mas disse que nunca teve o objetivo de ofender ninguém

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2018 | 19h29

Tentando atrair apoio do chamado Centrão para sua campanha nas eleições 2018, o pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, se comprometeu a pedir desculpas a integrantes do DEM. Nesta quinta-feira, 28, o secretário-geral do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), disse ao Estadão/Broadcast que aceita o pedido de desculpas de Ciro Gomes. Faz uma exigência, no entanto: que as desculpas ocorram no mesmo ambiente público em que Ciro o atacou.

Pauderney processa Ciro por injúria porque, em 2016, durante uma palestra, o hoje pré-candidato do PDT disse que o então líder do DEM tinha sido "corretor de Fernando Henrique Cardoso" na suposta compra de votos pela aprovação da emenda constitucional que permitiu a reeleição de presidentes da República, governadores e prefeitos.

Em novo aceno para os democratas, Ciro se comprometeu a telefonar para Avelino e disse que não há "nenhum problema" em fazer o pedido publicamente. "Falei para o ACM Neto (presidente do DEM): faça a lista de quem você achar que eu preciso ligar que eu ligo, sem nenhum problema", declarou Ciro, após dar uma palestra para investidores da corretora XP, em São Paulo.

++ Alckmin e Ciro se movimentam para atrair o Centrão nas eleições 2018

O pedetista admitiu que "às vezes" é "muito duro" em suas afirmações, mas disse que nunca teve o objetivo de ofender ninguém.

O agrado, no entanto, não foi o mesmo com o ex-ministro Henrique Meirelles, pré-candidato do MDB, que divulgou um vídeo atacando Ciro e Bolsonaro e classificando o presidenciável do PDT como aquele que quer resolver as coisas "no grito". Ciro disse que tudo o que a equipe de Meirelles usou no vídeo foi "picado" e tirado do contexto.

Ainda na costura de alianças eleitorais, Ciro sinalizou que espera uma confirmação do apoio do PSB para sua candidatura, após fazer uma viagem a Pernambuco e se encontrar com o governador Paulo Câmara e com Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos.

++ Maioria do PSB quer apoiar Ciro e aliança será formalizada em até 15 dias

Na fala de Ciro, o PSB tem uma "ampla maioria" e nenhum veto a uma aliança com o PDT. Os entraves, observou, são o apoio pretendido do PT em Pernambuco e a aliança do governador de São Paulo, Márcio França, com Geraldo Alckmin.

O PDT ofereceu apoio aos pessebistas em Pernambuco e Minas Gerais para consolidar o acordo. "Eu quero muito esse apoio. Então estamos conversando com as habilidades e delicadeza, mas estou animado", afirmou Ciro, respondendo em seguida que, "se Deus quiser", o apoio vai ser oficializado.

++ Sem Lula, Bolsonaro lidera com 17%, diz CNI/Ibope

Para o pré-candidato, o DEM e os demais partidos do Centrão podem continuar conversando com ele para uma aliança. "Eles é que chamam, a hora que eles quiserem."

Nesta quinta-feira, Ciro recebeu o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) e diretores da Força Sindical em seu apartamento na capital paulista. O pré-candidato afirmou que o encontro foi com "o Paulinho liderança sindical" e serviu para discutir propostas nas áreas trabalhista e previdenciária. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.