Guará Fotografia, Cleia Viana/Câmara dos Deputados, e Claudio Andrade/Câmara dos Deputados
Guará Fotografia, Cleia Viana/Câmara dos Deputados, e Claudio Andrade/Câmara dos Deputados

Eleições 2020 em BH: veja quem são os cotados para disputar a prefeitura

Alexandre Kalil (PSD) tentará a reeleição, enquanto siglas como o PSDB, PT e DEM ainda articulam suas estratégias para as eleições de Belo Horizonte

Ítalo Lo Re, especial para O Estado

04 de outubro de 2019 | 05h00

A um ano das eleições municipais de 2020, os partidos já começam a sinalizar quem vão ser os candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte. O atual prefeito da cidade, Alexandre Kalil (PSD), já manifestou que tentará a reeleição. O que não se sabe, por ora, é se sua campanha contará com o atual vice-prefeito, Paulo Lamac, ou se vai inaugurar uma nova parceria. Isso porque, recententemente, Kalil se desentendeu com Lamac, que deixou o cargo de secretário de Governo ocupado desde 2017.

Para uma possível frente de oposição, destacam-se o deputado estadual João Vitor Xavier (Cidadania), que trabalhado em articulações com DEM e Patriota, a deputada federal Áurea Carolina (PSOL), vereadora mais bem votada de Belo Horizonte em 2016 e a professora Duda Salabert (PDT), que, em 2018, foi a primeira candidata trans ao Senado brasileiro.

Ainda que nem todos os partidos tenham os nomes estabelecidos, alguns deles, como Novo, PT e PSDB, já definiram que terão um candidato ao pleito. Já PSL, PCdoB, entre outros partidos, ainda estudam se terão ou não candidaturas próprias.

Alexandre Kalil (PSD)

Conhecido por ter ocupado o cargo de presidente do Clube Atlético Mineiro, o atual prefeito de Belo Horizonte está em seu primeiro mandato à frente da capital mineira. Na disputa de 2016, o empresário representou o PHS e teve como vice Paulo Lamac, da Rede.

Desde junho deste ano, no entanto, Kalil faz parte do PSD. E nada garante que seu vice continuará o mesmo. No final de 2018, Lamac deixou o cargo de secretário de Governo após ter se desentendido com o prefeito sobre qual candidato a deputado estadual apoiar. Enquanto Kalil abraçou Iran Barbosa (MDB), que não se elegeu, Lamac apadrinhou Ana Paula Siqueira, de seu próprio partido.

Ainda que o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) Adalclever Lopes (MDB) seja apontado como possível novo vice, Lamac foi oficializado recentemente como coordenador do núcleo político do governo, o que foi lido por aliados como uma reaproximação com Kalil.

João Vítor Xavier (Cidadania)

Depois de ter deixado o PSDB por discordar de algumas posturas do partido, entre as quais a aproximação com o governador Romeu Zema (Novo), o deputado estadual João Vitor Xavier (Cidadania) intensificou as conversas com grupos políticos na tentativa de consolidar uma chapa de oposição a Kalil em 2020. Entre as legendas próximas a João Vitor estão o DEM e o Patriota. Jornalista de formação, o deputado também é apresentar de um programa esportivo na Rádio Itatiaia.

Na última eleição, o Cidadania — ainda como PPS — fez chapa com o candidato do PSDB, João Leite, ao indicar o vice, Ronaldo Gontijo, mas a dupla acabou derrotada por Kalil no segundo turno.

Rogério Correia / Beatriz Cerqueira (PT)

Até o momento, o PT de Minas não colocou em discussão a próxima sucessão eleitoral municipal. O partido está voltado para a realização do 7º Congresso Nacional, que terá etapas estaduais em outubro e nacionais em novembro. Somente depois disso a sigla passará para a definição de um candidato para as eleições de 2020 em Belo Horizonte.

Ainda assim, o partido conta com alguns nomes bastante cotados para concorrer à prefeitura da capital mineira, como o deputado federal Rogério Correia, vice-líder do PT na Câmara, e a deputada estadual Beatriz Cerqueira.

Áurea Carolina (PSOL)

Socióloga e cientista política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Áurea Carolina tem 34 anos e carrega como principais bandeiras o feminismo e outras pautas identitárias. Foi representando essas causas que, em 2016, Áurea foi eleita como a vereadora mais bem votada de Belo Horizonte.

Em 2018, ela chegou ao cargo de deputada federal com 162.740 votos — tornando-se a mulher com maior número de votos para o cargo em Minas Gerais.

Duda Salabert (PDT)

Primeira candidata trans ao Senado brasileiro, Duda Salabert é professora de literatura e ativista pelo meio ambiente e pela educação. Após ter rompido o vínculo com o PSOL no começo deste ano, a educadora chegou ao PDT com status de peso, tornando-se imediatamente uma das principais cotadas para concorrer à prefeitura pelo partido. Via Twitter, ela já manifestou interesse em disputar o cargo.

Eduardo Barbosa / Luísa Barreto (PSDB)

Atualmente, o PSDB de Minas realiza uma mobilização interna para lançar candidatos em todos os municípios em que está organizado ou se organizando. Em Belo Horizonte, o PSDB esteve no segundo turno nas duas últimas eleições e, para o próximo ano, já conta com pré-candidatos, como o deputado federal Eduardo Barbosa e a administradora pública Luísa Barreto, atual secretária-adjunta da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do governo Zema. Ela foi uma das coordenadoras de campanha de Antonio Anastasia, candidato tucano derrotado ao governo do Estado em 2018 e atual senador.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.