Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

5 destaques do debate da RedeTV! entre os candidatos a governador de SP

Confira os ‘melhores momentos’ do segundo encontro entre os concorrentes ao Palácio dos Bandeirantes nas eleições 2018

Igor Moraes, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2018 | 01h42

A RedeTV! promoveu na noite desta sexta-feira, 24, o segundo debate entre os candidatos a governador de São Paulo nas eleições 2018. Sete, dos 12 nomes na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes, participaram do encontro: João Doria (PSDB), Professora Lisete (PSOL), Luiz Marinho (PT), Marcelo Cândido (PDT), Márcio França (PSB), Paulo Skaf (MDB) e Rodrigo Tavares (PRTB).

Se no primeiro debate, realizado pela Band no dia 16 de agosto, Doria foi o principal alvo dos adversários, as trocas de acusações entre o tucano e o candidato petista Luiz Marinho foram os momentos de maior tensão.

Confira abaixo cinco destaques do debate da RedeTV! entre os candidatos a governador de São Paulo:

 

PT x PSDB

A polarização entre PT e PSDB pode não estar refletida nas pesquisas de intenção de voto para governador de São Paulo nas eleições 2018, mas foi elemento central no debate da RedeTV!.

Desde o primeiro bloco, de forma indireta, o tucano João Doria e o petista Luiz Marinho trocaram farpas, cada qual acusando o partido alheio de “conhecer o que é crime organizado”.

A discussão chegou ao ápice no terceiro bloco do encontro, quando Luiz Marinho perguntou a Doria quais eram seus planos para combater crimes contra as mulheres. Na tréplica do confronto direto, o ex-prefeito de São Paulo atacou o PT.

“Vocês são responsáveis pela maior taxa de desemprego do País. Vocês são responsáveis pela maior recessão da história econômica do País. Vocês cometeram os maiores crimes contra o dinheiro público no País. O seu partido roubou US$ 50 bilhões. O que vocês sabem fazer é destruir, roubar e mentir”, disse Doria.

Após a fala, ambos trocaram palavras fora do microfone. Marinho pediu direito de resposta e foi atendido. Com um minuto para rebater, o petista afirmou que Lula está preso injustamente e lembrou da condenação de Doria pelo uso do slogan “Cidade Linda”.

“Se tem alguém condenado aqui, João Doria, é você. Inclusive teve seus direitos políticos cassados”, afirmou.

França e Doria: amigos após eleições 2018?

Se no último encontro entre os candidatos a governador de São Paulo, realizado pela Band, o atual governador Márcio França e o ex-prefeito João Doria protagonizaram um dos principais embates, no debate da RedeTV! o tom foi mais ameno.

Ao ser perguntado pelo jornalista Reinaldo Azevedo sobre em qual partido - PT ou PSDB - buscaria apoio se vencesse as eleições 2018, França adotou um discurso conciliatório.

“Depois quando passa a eleição, viu João, as pessoas se aliam de novo. Porque no fundo, a gente não vai fazer disso uma guerra onde as pessoas são inimigas para sempre. Esse dilema de ficar inimigo de PT e PSDB já deu o que tinha que dar, afirmou o governador.

Ao comentar com a resposta, Doria concordou com o governador e retribuiu o aceno. “Essas coisas da política, debate e rusgas, depois passam e as pessoas de bem sabem que têm de somar forças para fazer um bom governo. Portanto, não há discordância nesse ponto”, disse Doria.

Bronca em Reinaldo Azevedo

Na resposta para Reinaldo Azevedo, Márcio França afirmou que o jornalista havia se enganado. “Ao contrário do que você falou Reinaldo, um pedaço ficou de um lado e outro do outro, e o partido resolveu não lançar candidato a presidente da República”, disse o governador, ressaltando que seu apoio pessoal é para o tucano Geraldo Alckmin.

Após França e Doria encerrarem suas manifestações, Reinaldo Azevedo pediu a palavra para esclarecer ter afirmado que o PT fechou uma aliança “informal” com o PSB.

“Governador, eu falei aliança informal, portanto minha observação estava correta”, disse Azevedo.

Neste momento, o jornalista foi interrompido por Boris Casoy, mediador do debate. “Não,não. Não pode! Reinaldo, por favor. Está fora das regras do debate, Reinaldo”, afirmou o âncora.

Candidato do Temer

No terceiro bloco, Boris Casoy voltou a protagonizar outro momento inusitado. No terceiro bloco do debate, no qual os candidatos faziam perguntas entre si, ele convocou Professora Lisete para que a candidata do PSOL escolhesse para qual adversário faria sua questão.

A professora disse que escolhia o “candidato do Temer” e Casoy não entendeu. Veja o diálogo abaixo:

Professora Lisete: Eu escolho o candidato do Temer.

Boris Casoy: Candidato do quê?

Professora Lisete: Do Temer.

Professor Lisete: O Paulo Skaf.

Bóris Casoy: a senhora tem que perguntar para um candidato identificado aqui. Eu, por exemplo, não sei quem é o candidato do Temer.

Neste momento a plateia se manifestou e o âncora respondeu: “claro que eu sei quem é o candidato, mas eu quero manter a ordem do debate”, afirmou.

Rodrigo Tavares e o “piripaque do Chaves”

O advogado Rodrigo Tavares chegou a prometer implantar o “CSI Paulista” para combater o crime organizado no Estado, mas não foi pela proposta ousada que o representante do PRTB chamou atenção.  No segundo bloco, o candidato “travou” durante uma fala e permaneceu alguns segundos em silêncio. Ao tentar retomar o raciocínio, acabou se confundindo.

“Estes partidos mais alinhados à esquerda, ao Foro de São Paulo - e todos esses aqui são representantes dessas agremiações - têm sim muito a explicar. Têm sim esse tipo de comportamento. Nós não. Nós somos [silêncio] Nós sim. Nós sim, nós não? Não sei!“, afirmou Tavares.

No terceiro bloco, o candidato pediu desculpas pela falha e disse que o importante é “dar risada de si mesmo”.

“Sei que amanhã vou estar na internet, com memes como o ‘piripaque do Chaves’. Mas o importante é dar risada de si mesmo, passar por cima. E ter a coragem de voltar aqui para responder as perguntas”, disse.

O próximo debate político na televisão será realizado no dia 16 de setembro, pela TV Gazeta em parceria com o Estado. Para ver a agenda dos debates para governador, clique aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.