Witzel diz que sua prisão seria ‘inaceitável’ e que vice está ‘fazendo o papel dele’

Witzel diz que sua prisão seria ‘inaceitável’ e que vice está ‘fazendo o papel dele’

Em entrevista à rede CNN Brasil, governador afastado diz estar sendo vítima de 'perseguição', nega ter fechado portas de diálogo com família Bolsonaro e minimiza aproximação de seu vice, Cláudio Castro (PSC), com o Planalto; nas redes sociais, Flávio diz que declaração de Witzel sobre indicações ao governo estadual é mentira

Paulo Roberto Netto/SÃO PAULO e Fabio Grellet/RIO

31 de agosto de 2020 | 19h29

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou que seria ‘inaceitável’ uma ordem para sua prisão nas investigações que miram suposto pagamento de propinas por contratos na área da saúde. Em entrevista à rede CNN Brasil, o ex-juiz também diz que seu vice, Cláudio Castro (PSC), está apenas ‘fazendo o trabalho dele’ ao se aproximar da família Bolsonaro.

Witzel é acusado de receber propinas em troca de contrato com organizações sociais da área da saúde. As vantagens indevidas supostamente eram lavadas no escritório da primeira-dama, Helena. O esquema contaria com atuação do presidente do PSC, Pastor Everaldo, preso na última sexta, 28, e o empresário Mário Peixoto, investigado na Lava Jato.

O governador foi afastado na sexta por decisão monocrática do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça. O magistrado negou o pedido da Procuradoria-Geral da República, que chegou a pedir a prisão de Witzel. Segundo Gonçalves, a saída do cargo já seria suficiente para ‘fazer cessar as supostas atividades de corrupção e lavagem de dinheiro’.

“Eu tenho absoluta certeza que isso seria inaceitável, uma determinação de prisão, diante de todas as medidas que já tomei até agora”, afirmou, alegando que afastou servidores ligados aos esquemas de corrupção investigados. “Na decisão de afastamento não há nenhum fato concreto que tenha estabelecido que eu não estava contribuindo com as investigações”.

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). Foto: Adriano Machado / Reuters

O governador recorreu ao Supremo para retomar o cargo, e diz estar sendo vítima de ‘perseguição’. Enquanto uma decisão não sai, o governo estadual é liderado pelo vice Cláudio Castro (PSC), que nesta segunda entrou em contato com o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) para tratar do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), medida do governo federal para auxiliar estados com dificuldades para fechar as contas públicas.

A mensagem sinalizou a retomada do diálogo entre o Palácio Guanabara e o Planalto, suspensas desde o racha entre Witzel e a família Bolsonaro no ano passado. Na entrevista, o governador afastado minimizou a aproximação do vice com seus adversários políticos e negou que tenha fechado as portas ao presidente.

“O vice-governador está fazendo o papel dele. Eu sempre estive à disposição do governo federal, nunca fechei as portas, nunca fechei o diálogo a quem quer que fosse”, afirmou. Witzel também afirmou que não tinha a intenção de disputar a presidência da República contra Bolsonaro em 2022. “Meu objetivo era seguir junto e formarmos uma nova liderança política no País”.

Witzel diz que Flávio indicou secretários para o governo; senador reage: ‘Mentiroso’

Na mesma entrevista, o governador afastado Wilson Witzel afirmou que nomeou dois de seus secretários, Gutemberg Fonseca (Governo) e Leonardo Rodrigues (Ciência e Tecnologia), por indicação de Flávio Bolsonaro. A declaração provocou reação do senador, que chamou o ex-juiz de ‘mentiroso’.

“Além de traidor e psicopata, (Witzel) é mentiroso! No dia seguinte à sua eleição pedi meu espaço em seu governo: NENHUM!”, escreveu Flávio, no Twitter. “Não cola a estratégia infantil de Witzel de me vincular às suas roubalheiras, conhecidas em qualquer roda política e assunto de conversas de botequim”, completou o senador.

Até a publicação desta reportagem, Witzel não havia se manifestado sobre as críticas recebidas.

Tudo o que sabemos sobre:

Wilson José WitzelCláudio Castro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: