Por dentro do triplex

Por dentro do triplex

Veja fotos do imóvel situado no Guarujá, litoral paulista, que a Operação Lava Jato atribui ao ex-presidente Lula; imagens constam de relatório da Polícia Federal elaborado em 2016 e mostram o estado em que se encontrava o apartamento quando a investigação chegou ao pivô da condenação do petista

Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Porto Alegre

23 Janeiro 2018 | 12h25

Foto: PF

Relatório da Polícia Federal, elaborado em 2016, no âmbito da Operação Lava Jato, mostra imagens do interior do triplex 164-A, no Guarujá, litoral de São Paulo. O imóvel foi o pivô da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 1.ª instância, por corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz federal Sérgio Moro impôs ao petista uma pena de nove anos e seis meses de prisão, em julho de 2017.

Documento

O documento indica que ‘a unidade 164-A do condomínio Solaris foi reformada depois da conclusão do edifício’.

Entenda como vai ser o julgamento de Lula no Tribunal da Lava Jato

Entenda os cenários para Lula após julgamento do Tribunal da Lava Jato

Lula pode ser preso? Especialistas respondem

Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF: toda a investigação

Lula deve ser julgado de acordo com a lei e com isonomia

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

A Lava Jato atribui a Lula a propriedade do triplex. O petista, que nega ser o dono do imóvel, foi condenado por supostamente receber propinas da empreiteira OAS por meio de obras de ampliação e melhorias do apartamento do Guarujá.

Nesta quarta-feira, 24, os recursos de Lula e de outros seis condenados na ação penal do triplex – inclusive o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro – serão julgados pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), o Tribunal da Lava Jato.

Quem são os julgadores de Lula

+ Quem são os procuradores que atuam na 2.ª instância

O relatório da perícia da PF identificou ‘um elevador interno privativo’ que percorre os três andares do imóvel e que ‘não consta no projeto original do apartamento e não é verificado nas demais unidades triplex vistoriadas’.

“Há ainda restos de materiais de construção no interior do apartamento 164-A, que também aponta para ocorrência de reforma no local depois da entrega do edifício”, afirmou a PF na época.

“O imóvel examinado tem leiautes diferentes dos projetados e também dos de outras unidades triplex do mesmo edifício que, por estarem abertas e sendo também submetidas a obras de reforma, puderam ser vistoriadas pelos signatários.”

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

A PF identificou ainda que havia no 164-A móveis novos e fabricados sob medida. Segundo o relatório, ‘foram mobiliados a cozinha, a área de serviço, quatro dormitórios, dois banheiros e um lavabo e a churrasqueira’.

Os peritos destacaram, na época, ‘o precário estado de conservação do imóvel’.

“Durante a vistoria puderam ser observados diversos pontos de infiltração, tanto pela cobertura da laje impermeabilizada quanto pela porta do elevador no último pavimento”, destaca o relatório.

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Foto: PF

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato