Paulo Marinho ironiza Bolsonaro ‘elegante’ e diz que ele usa casaco dado por ‘empresário sem CNPJ’

Paulo Marinho ironiza Bolsonaro ‘elegante’ e diz que ele usa casaco dado por ‘empresário sem CNPJ’

Empresário afirma que está 'feliz' por presidente vestir peça que foi dada por ele enquanto rebatia acusações na televisão de interferência na Polícia Federal

Paulo Roberto Netto

22 de maio de 2020 | 22h00

O empresário Paulo Marinho ironizou a aparição do presidente Jair Bolsonaro na porta do Palácio do Alvorada e disse que ficou ‘feliz’ ao vê-lo usar um casado presentado por ‘esse empresário sem CNPJ’. Bolsonaro respondeu perguntas de jornalistas no início da noite para rebater as declarações ditas por ele e seu primeiro escalão na reunião ministerial do dia 22 de abril – divulgada nesta sexta pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal.

“Capitão, acabo de vê-lo elegante dando entrevista na TV. Fico feliz que está bem agasalhado com um dos casacos que lhe foi presenteado por esse ‘empresário sem CNPJ’ aqui, quando fui visitá-lo no hospital em companhia do nosso saudoso amigo Gustavo Bebianno. Bom fds!”, escreveu Marinho.

Marinho é pivô de outro escândalo que paira ao Planalto após afirmar em entrevista à Folha de S. Paulo que o filho do presidente, Flávio Bolsonaro, foi avisado da operação Furna da Onça, que levou à produção do relatório do Coaf que detectou movimentações suspeitas do ex-assessor Fabrício Queiroz. Segundo o empresário, um delegado teria repassado a dica para demitir Queiroz e sua filha antes da deflagração da operação – e disse que iria ‘adiar’ a ação para depois do segundo turno.

Paulo Marinho já foi ouvido pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal – ambos apuram se houve vazamento de informações da operação à campanha da família Bolsonaro, nas eleições de 2018.

O empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro nas eleições de 2018 Foto: Werther Santana/Estadão

O caso deve cruzar com o inquérito no Supremo que apura as declarações do ex-ministro Sérgio Moro que acusa o presidente de interferir na PF. Marinho prestará depoimento neste caso na próxima terça, 26, às 9h na Superintendência da corporação no Rio de Janeiro.

O chefe de gabinete de Flávio, Miguel Ângelo Braga Grillo, também foi intimado e prestará informações na quarta, 27, às 15 horas no Edifício Sede da Polícia Federal em Brasília.

As oitivas foram solicitadas pelo procurador da República João Paulo Lordelo Guimarães, que integra a equipe designada pelo Procurador-Geral da República Augusto Aras para acompanhar as investigações sobre as acusações feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro ao presidente ao anunciar sua demissão no fim de abril.

Tudo o que sabemos sobre:

Paulo MarinhoJair Bolsonaro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.