Na disputa à sucessão de Raquel, Augusto Aras é conservador e alinhado a Bolsonaro

Na disputa à sucessão de Raquel, Augusto Aras é conservador e alinhado a Bolsonaro

Subprocurador-geral que concorre ao cargo de chefe do Ministério Público é favorável à agenda de reformas do governo

Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Adriana Fernandes / BRASÍLIA

05 de agosto de 2019 | 05h15

Subprocurador Augusto Aras. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O subprocurador-geral Augusto Aras ganhou pontos nas últimas semanas e se tornou um dos candidatos com chances de ser indicado à Procuradoria-Geral da República diante da aproximação que conseguiu com o presidente, segundo interlocutores de Jair Bolsonaro.

Considerado conservador e o mais alinhado ideologicamente com Bolsonaro dentre os candidatos ao cargo, Aras também se coloca como favorável à agenda de reformas do governo, tem o apoio dos filhos de Bolsonaro e de um dos ministros mais prestigiados pelo presidente, Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura. Ele foi considerado importante para destravar a concessão da Ferrovia Norte-Sul. Bolsonaro, segundo aliados, quer alguém que não atrapalhe o progresso do País.

Em entrevista ao Estado publicada em maio, Aras defendeu uma “disruptura” no Ministério Público para a instituição “retomar os trilhos” da Constituição e superar o aparelhamento em seus órgãos.

O nome de Aras, porém, é visto com ressalvas no STF. Segundo a reportagem apurou, um integrante da Corte já fez chegar essa informação a Bolsonaro. Diferentemente de Raquel Dodge, Aras não foi testado e haveria incertezas sobre como seria a condução da PGR por ele.

Bolsonaro disse que só definirá o nome um mês antes do fim do mandato de Raquel. Amigo e aliado de longa data, o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF) afirmou ter certeza de que o presidente já escolheu o nome, mas prefere ainda não anunciá-lo.

Tendências: