Marco Aurélio, sobre réu assumir Presidência: ‘Questão gera insegurança para Bolsonaro’

Marco Aurélio, sobre réu assumir Presidência: ‘Questão gera insegurança para Bolsonaro’

Primeira Turma julgará no dia 4 se recebe denúncia da Procuradoria-Geral da República contra candidato à Presidência, que é réu por incitação ao crime de estupro

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/BRASÍLIA

22 Agosto 2018 | 16h00

REUTERS/Ueslei Marcelino

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira (22) que é uma questão “em aberto” a possibilidade de réus em ação penal serem eleitos para a Presidência da República e assumirem o comando do Palácio do Planalto. Na avaliação do ministro, essa dúvida gera insegurança para a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), que é réu no STF por incitação ao crime de estupro. O parlamentar também é denunciado por crime de racismo – ele pediu para que o Supremo antecipe o julgamento para decidir se recebe ou não a acusação. 

Bolsonaro lidera disputa com 22% das intenções de voto em cenário sem Lula, indica pesquisa

Bolsonaro já é réu em duas ações penais no STF por injúria e incitação ao crime de estupro por ter declarado que “não estupraria” a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) “porque ela não mereceria”.

Supremo deve julgar dia 4 se Bolsonaro vira réu ou não por ‘incitar o ódio’

No próximo dia 4 de setembro, com o horário eleitoral já sendo veiculado no rádio e na televisão, a Primeira Turma do STF decidirá se recebe ou não uma outra denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Bolsonaro, desta vez por crime de racismo. A data do julgamento foi confirmada nesta quarta-feira pelo presidente do colegiado, ministro Alexandre de Moraes.

“O País não para por causa de campanha eleitoral. A Justiça continua normalmente”, disse Moraes a repórteres, ao chegar para a sessão plenária do STF nesta tarde.

No segundo turno, Bolsonaro perde para Alckmin, Ciro e Marina, diz pesquisa

De acordo com denúncia apresentada em abril pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em uma palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em 2017, Bolsonaro “usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais”.

Implicações. Relator do caso, o ministro Marco Aurélio Mello foi questionado por jornalistas nesta quarta-feira sobre as implicações do julgamento para a candidatura de Bolsonaro.

Marco Aurélio destacou que, ao julgar o afastamento de Renan Calheiros (MDB-AL) do comando do Senado Federal, o STF firmou o entendimento de que réus em ação penal (como os presidentes da Câmara e do Senado) não podem eventualmente substituir o presidente da República.

Já a situação de Bolsonaro traz uma outra discussão: a possibilidade de um candidato – réu em ação penal – ser eleito especificamente para a Presidência da República e assumir o comando do Planalto. Ou seja, não se trataria de eventualmente substituir o presidente da República, e sim de ser eleito diretamente para o cargo e assumi-lo.

“Isso ainda está em aberto, nós assentamos, no caso do Renan, que não pode substituir (o presidente da República). Quem é réu pode ser eleito e tomar posse? O presidente da República, quando recebida denúncia pelo Supremo ou impedimento na Câmara, é afastado. Agora, ele já é réu”, comentou Marco Aurélio.

“Por enquanto (a questão sobre réu em ação penal assumir a Presidência após ser eleito para o cargo) está em aberto, não decidimos”, prosseguiu Marco Aurélio.

Indagado se a questão não gera insegurança para a candidatura de Bolsonaro, o ministro respondeu: “Gera. O ideal seria ter a matéria pacificada num sentido ou no outro.”

Sobre a sua opinião particular sobre a possibilidade de réus em ações penais poderem ser eleitos para a Presidência e assumirem o cargo, o ministro disse: “Eu não sei. Com a palavra, o julgador.”

CONSULTA. Essa questão já foi trazida ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em maio, por unanimidade, o TSE rejeitou uma consulta do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO) que questionou o tribunal sobre a possibilidade de réus em ações penais assumirem o mandato de presidente da República.

A avaliação dos ministros do TSE foi o de que um pronunciamento do tribunal naquela ocasião seria uma antecipação de entendimento em torno de questões que só deverão ser avaliadas em outro momento, após o pedido de candidaturas.

COM A PALAVRA, BOLSONARO

O presidente do PSL, Gustavo Bebianno, disse ao Estado que seria uma “barbaridade” se o STF vetasse que réus em ações penais eleitos para a Presidência assumissem o comando do Planalto. “Isso contrariaria os princípios mais básicos do direito eleitoral”, afirmou Bebianno, citando os direitos de votar e ser votado, além da soberania do voto popular.

Bebianno também comentou receber com estranheza a notícia sobre o julgamento da denúncia de Bolsonaro por racismo.

“Botar em pauta esse assunto agora causa um pouco de estranheza pelo interesse em imprimir tamanha velocidade ao feito e causa mais estranheza ainda o comentário (do ministro), porque foi incompleto, porque apesar de toda a administração que tenho por ele, (Marco Aurélio) comparou duas coisas que são diferentes: a posição de réu do senador Renan Calheiros à de Jair Bolsonaro”, ponderou o presidente do PSL.

“Renan era réu em vários processo envolvendo corrupção, processos esses que se resultassem numa condenação, o senador estaria incluso numa daquelas hipóteses da Lei da Ficha Limpa. Por outro lado, o deputado Jair Bolsonaro, o suposto crime que lhe é atribuído, seria no máximo, um crime contra a honra”, comparou.

Mais conteúdo sobre:

Jair Bolsonaro