Justiça bloqueia quase US$ 1 bi da holandesa SBM por desvios na Petrobrás

Justiça bloqueia quase US$ 1 bi da holandesa SBM por desvios na Petrobrás

A ação ajuizada pelo Ministério Público Federal calcula prejuízo aos cofres da estatal brasileira de US$ 303,3 milhões.

Constança Rezende / RIO e Luiz Vassallo / SÃO PAULO

06 Julho 2018 | 11h23

FOTO easysubsea.com

A 12.ª Vara Federal do Rio de Janeiro determinou, a pedido do Ministério Público Federal, a indisponibilidade de US$ 892,7 milhões do Grupo SBM correspondente à multa civil e ao valor do dano por desvios em contratos com a Petrobrás. A decisão atende parcialmente o pedido do MPF em ação de improbidade administrativa ajuizada em fevereiro. O montante deve ser retido pela Petrobrás dos valores mensais devidos às empresas do grupo SBM em decorrência dos contratos de afretamento vigentes para operação dos navios-plataforma Espadarte/Anchieta, Capixaba, Paraty, Ilhabela, Maricá e Saquarema.

+++Petrobrás retira bloqueio cautelar da Odebrecht, que poderá voltar a participar de licitações

As informações foram divulgadas pelo Ministério Público Federal do Rio nesta sexta-feira, 6.

+++Justiça condena Zelada, Barusco, ‘Batman’ e ‘Robin’ por propina da holandesa SBM

Também foi decretada a indisponibilidade do montante correspondente à receita obtida pela SBM com os contratos em que houve o pagamento de propina a empregados da Petrobrás. A Justiça determinou que a SBM demonstre qual a da taxa de retorno estimada de tais contratos, a fim de definir a quantia referente a esta parcela, sob pena de fixar o valor com base no percentual de 8% indicado pelo MPF, o que resulta no valor mínimo estimado de US$ 596,4 milhões.

+++Brasil repatria US$ 54 milhões de operador de propinas da SBM Offshore desde 1997

O juízo da 12.ª Vara Federal ainda considerou legítimo o pedido do MPF para incluir a SBM Offshore holandesa no polo passivo da ação, em conjunto com a SBM Holding e a SBM Offshore do Brasil. A decisão reforça que as três empresas “formam um mesmo conglomerado econômico no âmbito mundial e nacional (Brasil), respectivamente, com amplo poder de gestão nos contratos firmados com a Petrobrás”.

A ação ajuizada pelo MPF calcula que o prejuízo estimado aos cofres da Petrobrás é de US$ 303,3 milhões. São réus Jorge Zelada, Paulo Carneiro, Renato Duque, Robert Zubiate, Didier Keller, Anthony (Tony) Mace, SBM Offshore N.V, SBM Holding e SBM Offshore do Brasil.

+++‘Robin’ é o novo delator da Lava Jato

As investigações apontam que a SBM constituiu um fundo para pagamento de propina a empregados da Petrobrás por meio das empresas ligadas a Julio Faerman. O valor total depositado neste fundo foi de US$ 274,4 milhões. Para viabilizar os pagamentos, a empresa de Faerman firmou diversos contratos de consultoria em vendas com empresas do grupo SBM e recebia comissões que variavam entre 3% e 10%, dependendo do tipo de contrato. Parte dos pagamentos era feita no Brasil, diretamente à Faercom, e a outra parte era depositada nas contas mantidas por Faerman em bancos suíços, em nome de empresas offshore sediadas em paraísos fiscais.

+++Ex-gerente da Petrobrás diz ter recebido propina desde 1997

Das contas de Faerman na Suíça, partiram os pagamentos aos empregados da Petrobrás, que garantiam tratamento diferenciado para a SBM como informações sobre as empresas concorrentes e estimativa de preço esperado pela empresa em licitações.

+++SBM Offshore retoma acordo de leniência com governo

A ação aponta que Jorge Zelada, Pedro Barusco, Paulo Carneiro e Renato Duque, ex-empregados da Petrobrás, receberam R$ 43,6 milhões em propinas. Deste total, US$ 300 mil foram repassados à campanha presidencial do PT em 2010 por Renato Duque e US$ 631 mil foram pagos a Jorge Zelada em troca de informações sigilosas sobre a exploração do pré-sal. Todas as transações foram intermediadas por Faerman, com o conhecimento e anuência de Zubiate, Keller e Mace, ocupantes de cargos de direção na SBM.

+++A origem dos R$ 653,9 milhões que a Lava Jato devolveu à Petrobrás

Além do ressarcimento integral do dano, os acusados podem ser condenados a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, pagamento de multa civil, proibição de contratar com o Poder Público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.

+++Patrimônio de novo delator da Lava Jato cresceu 97 vezes em 10 anos

A reportagem esta tentando contato com a SBM. O espaço está aberto para manifestação.