Banco comprado pela Odebrecht guarda dados de corrupção na Venezuela

Banco comprado pela Odebrecht guarda dados de corrupção na Venezuela

Autoridades venezuelanas receberam parte dos US$ 98 milhões de corrupção da empreiteira em contas abertas no Meinl Bank Antigua, no Caribe

Ricardo Brandt e Juan Francisco Alonso, Especial para o Estado / Caracas

05 Agosto 2017 | 04h27

Chávez (morto em 2013) e Lula nas obras da RNEST, em 2008 / Foto: Ed Ferreira/AE

Os arquivos do Meinl Bank Antigua (MBA), comprado pela Odebrecht no Caribe para movimentar propinas no exterior, guardam dados sobre contas secretas de autoridades da Venezuela, que receberam parte dos US$ 98 milhões de corrupção que a empreiteira diz ter pago no país.

Atolado em uma crise histórica, a Venezuela é o país estrangeiro – de uma lista de 11 – em que a Odebecht mais pagou propinas, segundo revelaram os delatores do grupo, entre eles Marcelo Bahia Odebrecht, presidente afastado, preso desde junho de 2015, em Curitiba.

Ao todo, 78 pessoas fecharam acordo com a Operação Lava Jato, no Brasil, e com autoridades dos Estados Unidos e Suíça, em dezembro de 2016.

+ Delatores confirmam a Moro que Odebrecht usou banco comprado por executivos para pagar propinas

+ ‘Banco da propina’ da Odebrecht girou US$ 1,6 bi, aponta delator

A empresa se declarou culpada por violar leis nacionais e internacionais, ao corromper agentes públicos para garantir maior lucratividade nos negócios. Foram US$ 439 milhões em propinas em países da América do Sul, América Central e África, desde 2001.

Segundo os delatores, a Odebrecht pagou propinas a funcionários do governo venezuelano e intermediários, entre 2006 e 2015.

A empresa participou no país de contratos como o de expansão do metrô, como as construções da Linha II de Los Teques, e da Linha V, de Caracas, das obras do Estaleiro Astialba, para navios petroleiros para a estatal Petroleo de Venezuela (PDVSA), e das pontes sobre o Lago de Maracaibo e sobre o Rio Orinoco.

Chávez na campanha de 2012 para presidente / REUTERS/Jorge Silva

Campanhas. Em fevereiro, o Ministério Público da Venezuela chegou a fazer buscas no escritório da Odebrecht, em Caracas. Além de obras, a corrupção descoberta pela Lava Jato abasteceu ainda campanhas políticas no país.

Representantes do Ministério Público venezuelano já estiveram no Brasil e ouviram , em Salvador (BA), o casal de marqueteiros do PT João Santana e Mônica Moura.

Os dois confessaram terem recebido propinas na campanha do ex-presidente Hugo Chávez, morto em 2013. O dinheiro teria sido bancado, em parte, pela Odebrecht e pela brasileira Andrade Gutierrez – também delatora.

+ Maduro pagou ‘dinheiro em espécie’ para campanha de Chávez, diz Mônica Moura

+ Emílio confessa que pediu a Lula ajuda para Odebrecht em negócio na Venezuela

+ Delações da Andrade detalham propina em contrato indicado por Lula na Venezuela

Segundo o relato, US$ 11 milhões teriam sido pagos, em dinheiro vivo, pelo atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que era braço direito de Chávez e chanceler. O casal fez a campanha de Chávez, por intermédio de Lula.

Os delatores afirmam que, em 2012, a Odebrecht repassou caixa 2 ainda para campanha de Henrique Capriles, principal opositor do chavismo no país. O líder empresarial do grupo na Venezuela Ezenando Azevedo, um dos 78 delatores, revelou que tinha bom trânsito no Palácio de Miraflores e gozava da confiança de Chávez. O repasse ao rival teria sido descoberto e resultado em represálias do governo local.

Luisa Ortega Días, procuradora-geral da Venezuela. REUTERS/Marco Bello/File Picture

Prioridade. Com o país em uma de suas piores crises, a Venezuela ainda patina nas investigações de corrupção decorrentes das descobertas da Lava Jato. Dois procuradores foram enviados ao Brasil para obter informações sobre a corrupção revelada pela Odebrecht.

Os dados sobre contas no Meinl Bank, de autoridades e intermediários da Venezuela, pagas pela Odebrecht fazem parte do material a ser compartilhado pelo Brasil.

Os executivos do banco confessaram que a Odebrecht comprou metade do banco para poder movimentar dinheiro em 42 contas dela em nome de empresas offshores.

Dessas contas, o dinheiro era repassado para os beneficiários, que na maioria dos casos eram orientados a abrir contas no banco – que fica no paraíso fiscal das ilhas Antígua e Barbuda.

Os emissários do Ministério Público venezuelano vieram ao Brasil sob ordens da procuradora-geral Luisa Ortega Días.

+ A procuradora que ameaça Maduro e mira a Odebrecht

A viagem dos promotores, que foi preparada em absoluto sigilo para evitar que seus passaportes fossem anulados como já ocorreu com um funcionário de alto escalão da Procuradoria semanas atrás, também busca obter provas que ajudem a investigar as atividades da Odebrecht na Venezuela e evitar que elas caiam nas mãos do governo Maduro, como aparentemente já aconteceu.

“A Promotoria brasileira enviou uma informação, mas ela nunca chegou a nossas mãos. Aparentemente foi parar na chancelaria onde, é claro, não nos repassaram nem vão repassar”, disseram as fontes do MP venezuelano. “Antes que a Procuradoria-Geral começasse a questionar o comportamento do governo havia uma estreita colaboração com a chancelaria e nos enviavam tudo o que pedíamos a outros países, mas agora há coisas que ficam com eles.”