Site usa foto antiga para inflar público de manifestação pró-Bolsonaro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Site usa foto antiga para inflar público de manifestação pró-Bolsonaro

Ato em favor do presidente em Brasília neste domingo, 24, estava esvaziado

Alessandra Monnerat

25 de maio de 2020 | 12h52

Uma foto de um ato em 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff foi usada para ilustrar as manifestações em favor do presidente Jair Bolsonaro do último domingo, 24. Um artigo com mais de 102 mil interações (curtidas, comentários e compartilhamentos) no Facebook republicou a imagem antiga fora de contexto.

Por meio da ferramenta de busca reversa de imagens do Google, é possível verificar que a foto foi publicada em 13 de março de 2016 pelo jornal Gazeta do Povo. A reportagem mostra que, na época, um protesto a favor do impeachment da então presidente Dilma reuniu cerca de 100 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios.

Foto: Reprodução

Neste domingo, apoiadores do governo de Bolsonaro se reuniram em um ato esvaziado na frente do Palácio do Planalto. O público que participou da manifestação pode ser visto no vídeo abaixo, publicado na conta oficial do presidente.

– Brasília agora.- Ordem e progresso.

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Domingo, 24 de maio de 2020

Bolsonaro chegou de helicóptero e ficou cerca de meia hora com os manifestantes, cumprimentando as pessoas sem usar máscara. A participação do presidente nestes atos tem sido frequente nos últimos fins de semana, o que contraria recomendações sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS) de evitar aglomerações.

É comum que fotos antigas sejam tiradas de contexto em publicações nas redes sociais para inflar o público de protestos mais recentes. O Estadão Verifica já checou boatos similares em outras ocasiões.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.