Montagem simula capa de revista para insinuar que Lula ameaçou ministro do STF

Montagem simula capa de revista para insinuar que Lula ameaçou ministro do STF

Imagem apresenta número de edição impressa há seis anos e data incompatível com as últimas publicações da revista

Victor Pinheiro, especial para o Estadão

31 de março de 2021 | 18h30

Uma montagem com a identidade visual da revista Veja espalha o boato de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria ameaçado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin para que o magistrado votasse a favor do petista em julgamentos na corte. O conteúdo remete à decisão do juiz que anulou que anulou as sentenças do ex-presidente no âmbito da Lava Jato, em 8 de março. Não há evidências, entretanto, que sustentem as alegações propagadas no boato. 

A figura apresenta uma foto do ministro Edson Fachin acompanhada da manchete “Pasmem. Ministro Fachin foi ameaçado por Lula caso não interferisse em sua liberdade”. Segundo a montagem, a capa foi divulgada no dia 22 de março de 2021. O site da Veja indica, porém, que nenhuma edição foi publicada nesta data. Ainda assim, a capa falsa foi compartilhada mais de mil vezes no Facebook e enviada por leitores ao serviço de checagem de fatos do Estadão Verifica (11) 97683-7490.

A revista é distribuída semanalmente e os lançamentos das três últimas edições ocorreram nos dias 17, 24 e 31 de março. Em nenhuma delas consta a afirmação de que Lula teria ameaçado Fachin. Cabe ressaltar que a edição do dia 17 repercutiu a decisão do ministro do Supremo, mas nem a capa ou os artigos corroboram com o boato. 

O número da edição é outro indicativo da falsidade do conteúdo. A montagem atribui a capa enganosa à publicação 2426 da revista, mas essa edição foi impressa em maio de 2015. Além disso, uma versão do conteúdo falso circula com um cabeçalho apropriado da revista de número 2423, publicada em abril do mesmo ano. 

Procuradas pelo Estadão, as assessorias do ex-presidente Lula e de Edson Fachin não se pronunciaram. 

Estratégia conhecida

A apropriação da marca de veículos jornalísticos é uma estratégia comum a boatos nas redes sociais. Essa tática procura explorar a credibilidade de sites, jornais e revistas para disseminar informações falsas e confundir usuários. 

Em março, o Estadão Verifica desmentiu um boato que alterava a manchete de uma reportagem da Veja para difundir enganosamente que o Governo de São Paulo cogita restringir a energia elétrica no Estado. Em 2019, uma montagem alterou a capa de uma edição da revista para relacionar a família Bolsonaro a caso de avião apreendido com cocaína

Até mesmo capas da revista satírica francesa Charlie Hebdo já foram deturpadas para criticar o ex-presidente Lula e ministros do Supremo Tribunal Federal

Algumas dicas para evitar ser enganado por esse tipo de conteúdo consistem em sempre desconfiar de mensagens alarmistas e, na dúvida, confirmar se a capa é verídica no site oficial do veículo. Vale também verificar se a mesma notícia foi repercutida em outras fontes de informação confiáveis.

Tudo o que sabemos sobre:

STFlulafachin

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.