Boato espalha foto adulterada do Papa fazendo gesto obsceno
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato espalha foto adulterada do Papa fazendo gesto obsceno

Pontífice é alvo de desinformação após declarar apoio a legislação de união civil entre pessoas do mesmo sexo

Pedro Prata

26 de outubro de 2020 | 12h07

É montagem uma foto do Papa Francisco fazendo um gesto obsceno com as mãos. A imagem original mostrava o pontífice acenando para fiéis, mas foi alterada digitalmente. A foto editada foi compartilhada ao menos 6,3 mil vezes no Facebook.

O Estadão Verifica utilizou o mecanismo de busca reversa de imagens do Google para identificar outras vezes em que a foto foi publicada. O registro original foi publicado no banco de imagens Getty Images, clicada pelo fotógrafo Franco Origlia em 24 de dezembro de 2014.

Foto foi alterada digitalmente. Foto: Reprodução

A legenda informa que a foto foi feita “durante ato em que profere a mensagem de Natal da Basília de São Pedro no Vaticano”. Alguns detalhes, como uma pessoa que aparece lado do pontífice, permitem concluir se tratar da mesma imagem utilizada no boato.

O Papa Francisco se tornou alvo de uma campanha de desinformação depois que um documentário mostrou que o líder da Igreja Católica aprova a união civil entre pessoas do mesmo sexo. “Eles são filhos de Deus”, disse.

O Estadão Verifica já checou um boato que dizia que o Papa estaria portando um crucifixo com as cores LGBT. Também desmentimos que um homem que aparece de mãos dados com o pontífice seja um ativista gay.

Este boato também foi checado pela Agência Lupa.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícias falsas]papa francisco

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.