Ainda não existe cura para coronavírus; auto-hemoterapia não tem comprovação e pode ser perigosa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ainda não existe cura para coronavírus; auto-hemoterapia não tem comprovação e pode ser perigosa

Vídeo que sugere método não reconhecido cientificamente como forma de prevenção contra covid-19 teve 300 mil visualizações no Facebook

Alessandra Monnerat

23 de março de 2020 | 16h45

Leia a versão em espanhol

Não há evidências que a auto-hemoterapia possa prevenir ou curar a covid-19. Em um vídeo visualizado mais de 300 mil vezes no Facebook, um homem diz que foi curado do novo coronavírus com a prática, que consiste em tirar sangue de uma veia e aplicá-lo em um músculo. No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde informam que ainda não existe tratamento ou medicação comprovadamente eficaz no combate ou prevenção da doença. Além disso, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), o procedimento de auto-hemoterapia pode causar danos à saúde.

A melhor forma de se prevenir contra o coronavírus é lavar as mãos com água e sabão por ao menos 20 segundos, ou higienizá-las com álcool em gel. Praticar distanciamento social (evitar sair às ruas, exceto em caso de necessidade) também é recomendado.

Novo coronavírus. Foto: CDC/Divulgação

O CFM publicou um parecer em que aponta que “não existem estudos relativos à auto-hemoterapia desde a sua proposição como recurso terapêutico” e que “não há evidência científica disponível que permita a sua utilização em seres humanos”. Além disso, os médicos que praticaram a auto-hemoterapia poderão ter os registros médicos cassados.

A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) também não reconhece a auto-hemoterapia do ponto de vista científico. A entidade afirma que não existe na literatura médica evidência de que a técnica funcione e que a prática pode trazer inúmeros riscos à saúde.

Documento

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) “apesar de ser uma prática antiga e de existirem muitos relatos sobre o seu uso, ainda hoje (a auto-hemoterapia) não é reconhecida como procedimento médico e não há estudos controlados e pesquisas suficientes realizadas que comprovem a ação e a eficácia da referida técnica”.

Nota Técnica Anvisa

O Aos Fatos também checou este vídeo.

Acompanhe a cobertura em tempo real do Estado sobre o novo coronavírus.

Confira as respostas a 115 dúvidas sobre a covid-19.

Veja outras informações falsas sobre o coronavírus que circulam no WhatsApp.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

O Estadão Verifica integra o LatamChequea, grupo colaborativo que reúne dezenas de fact-checkers da América Latina no combate à desinformação relacionada ao novo coronavírus. Para facilitar a circulação de nosso conteúdo nos países vizinhos, publicaremos abaixo uma versão em espanhol do texto acima.

Aún no hay cura para el coronavirus; la autohemoterapia no está probada y puede ser peligrosa

Un video que sugiere un método no reconocido científicamente como forma de prevención contra la Covid-19 tuvo 300.000 visualizaciones en Facebook 

 Alessandra Monnerat

23 de marzo de 2020 | 16:45 h

No hay evidencias de que la autohemoterapia pueda prevenir o curar la Covid-19. En un video que ha sido visualizado más de 300.000 veces en Facebook, un hombre dice que se curó del nuevo coronavirus con esa práctica, que consiste en sacar sangre de una vena y aplicarla en un músculo. Sin embargo, la Organización Mundial de la Salud (OMS) y el Ministerio de Salud informan que todavía no existe un tratamiento o medicación comprobada que sea eficaz para curar o prevenir la enfermedad. Además, según el Consejo Federal de Medicina (CFM), el procedimiento de autohemoterapia puede causar daños a la salud.

LEA TAMBIÉN >Estudios con hidroxicloroquina son preliminares; no comparta promesas de curas milagrosas del coronavirus

La mejor forma de prevención contra el coronavirus es lavarse las manos con agua y jabón durante por lo menos 20 segundos o higienizarlas con alcohol en gel. También se recomienda practicar el distanciamiento social (evitar salir a la calle, excepto en caso de necesidad).

Nuevo coronavirus. Foto: CDC/Divulgación

El CFM publicó un dictamen en el que señala que “no existen estudios relativos a la autohemoterapia propuesta como recurso terapéutico” y que “no hay evidencia científica disponible que permita aplicarla en seres humanos”. Además, los médicos que practicaron la autohemoterapia podrán perder su matrícula profesional.

La Asociación Brasilera de Hematología, Hemoterapia y Terapia Celular (ABHH) tampoco reconoce la autohemoterapia desde el punto de vista científico. La entidad afirma que no existe en la literatura médica evidencia de que esa técnica funcione y su práctica puede generar numerosos riesgos para la salud.

Documento

Según la Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria (Anvisa) “a pesar de ser una práctica antigua y de que hay muchos relatos sobre su uso, aún hoy [la autohemoterapia] no es reconocida como procedimiento médico y no hay estudios controlados e investigaciones suficientes realizadas que comprueben la acción y la eficacia de dicha técnica”.

Nota Técnica Anvisa

Aos Fatos también chequeó este video.

Siga la cobertura en tiempo real del Estado sobre el nuevo coronavirus.

Conozca las respuestas a 115 dudas sobre la Covid-19.

Vea otras informaciones falsas sobre el coronavirus que circulan en WhatsApp.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]coronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: