Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

PSC vai ceder vaga para Bonifácio de Andrada na CCJ

Destituído da suplência do PSDB na comissão, deputado poderá continuar como relator da segunda denúncia contra Temer

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2017 | 16h51

BRASÍLIA - O PSC vai ceder sua vaga de suplente da bancada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara para que o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) continue na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e à frente da relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer. Mais cedo, a cúpula do PSDB decidiu destituí-lo da suplência do partido na CCJ.

Em ofício encaminhado ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder da bancada, Professor Victorio Galli (MT), confirmou que o tucano substituirá o pastor Marco Feliciano (SP), suplente na comissão. No colegiado, o PSC também tem uma vaga de titular, ocupada pelo líder do governo no Congresso, André Moura (SE). 

A Secretaria Geral da Mesa na Câmara já formalizou a substituição na CCJ. Dessa forma, mesmo com a destituição feita pelo PSDB, Bonifácio poderá continuar na relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Mais cedo, o vice-líder do PMDB na Câmara, deputado Carlos Marun (MS) já tinha afirmado a mudança ao Estado/Broadcast Político

+++ Relator da denúncia é de família que está no Congresso desde a Proclamação da República

Pela regra, os partidos podem ceder vagas nas comissões da Casa a outras bancadas. Geralmente, as legendas fazem acordo para ter mais espaço nas comissões onde seus deputados têm mais atuação política.

O vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), lamentou a destituição de Bonifácio. O governista afirmou que havia "zero" chance de o tucano ser substituído na relatoria da segunda denúncia porque havia vários partidos da base aliada dispostos a oferecer uma vaga para o deputado mineiro. "Ele vai poder relatar na vaga de outro partido", disse. Ele disse que estava disposto a ceder sua própria vaga de titular em favor de Bonifácio.

+++ RELEMBRE: VOTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ABI-ACKEL NA CCJ 

Mansur criticou a "incoerência" do PSDB e disse que a decisão era algo "chato para se fazer com um deputado de 10 mandatos". "Acho que o PSDB dentro da Câmara está muito dividido e isso é muito ruim para o País. Essa decisão de tirar uma figura notória da Casa é uma incoerência muito grande. Ele vai fazer um relatório da cabeça dele", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.