GABRIELA BILO / ESTADÃO
GABRIELA BILO / ESTADÃO

Saída de auxiliar e perda de funções enfraquecem Onyx Lorenzoni

Número 2 da Casa Civil, Vicente Santini teria usado o ministro Paulo Guedes para justificar voo de jatinho até Davos, o que irritou o presidente Jair Bolsonaro

Tânia Monteiro, Julia Lindner e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2020 | 22h14

BRASÍLIA – O esvaziamento das funções da Casa Civil e a demissão de assessores da pasta, anunciados ontem pelo presidente Jair Bolsonaro, foram vistos por integrantes do governo como o “fim da linha” para o ministro Onyx Lorenzoni. O comportamento do ministro tem incomodado não apenas o presidente, mas seus colegas de Esplanada, que o acusam de fazer a velha política, ao usá-los para atender demandas do baixo clero do Congresso, e de ter indicado para o governo nomes que viraram dor de cabeça para seu chefe, como o ministro da Educação, Abraham Weintraub

Bolsonaro decidiu ontem tirar das mãos de Onyx o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que cuida das privatizações de estatais e concessões, uma das grandes vitrines do governo. O programa havia migrado para o guarda-chuva da Casa Civil em julho do ano passado, como uma espécie de “prêmio de consolação” após Onyx perder a articulação política do Planalto. Agora, foi transferido para o Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes

Sem o PPI e sem a articulação política, Bolsonaro deixou a Casa Civil totalmente esvaziada. 

A situação se agravou após o vai e vem envolvendo o agora ex-secretário executivo da pasta, Vicente Santini, braço-direito de Onyx. Ele havia sido demitido publicamente por Bolsonaro na terça-feira após ter utilizado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para ir à Europa e à Ásia. Na quarta-feira, foi readmitido em outra função. Nesta quinta, voltou a ser exonerado

A segunda demissão de Santini foi decidida após Bolsonaro receber a informação de que o assessor de Onyx usou o nome do ministro Paulo Guedes para justificar sua polêmica ida a Davos num avião oficial, o que custou aos cofres públicos ao menos R$ 740 mil. Ao checar a história, o presidente descobriu que foi enganado. 

Para Bolsonaro, Santini disse que foi ao Fórum Econômico Mundial em Davos a pedido de Guedes para ajudar na defesa do PPI. Para Guedes, o assessor afirmou que viajou a mando do presidente. Ao saber das versões, Bolsonaro teria ficado possesso: “Mentiroso!”. O que nenhum interlocutor do presidente explica é por que, mesmo assim, Santini foi recontratado na quarta-feira. A nova demissão ocorreu após críticas que Bolsonaro recebeu nas redes sociais. 

Um dos primeiros apoiadores de Bolsonaro no período pré-eleitoral, Onyx foi o responsável por coordenar a transição do governo no fim de 2018. Depois, na Casa Civil, acumulava a articulação política e a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ), por onde passam as principais decisões do governo. 

Na metade do ano passado, Bolsonaro tirou a articulação de Onyx e a passou para a Secretaria de Governo, de Luiz Eduardo Ramos. Já a SAJ foi transferida para a Secretaria-Geral da Presidência, com Jorge Oliveira. Considerado um “prêmio de consolação”, Onyx ganhou o PPI, que agora foi para a Economia. A secretária especial do PPI, Martha Seillier, também está na corda bamba. Ela conta, porém, com o apoio do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, para se segurar no cargo. 

Coordenação

Em outro foco de desgaste, o ministro da Casa Civil tem recebido críticas nos bastidores por não coordenar a atuação de todas as pastas da Esplanada, o que também seria sua função. Um sinal de que Bolsonaro não está satisfeito com o trabalho foi o fato de ter passado a coordenação do Conselho da Amazônia, anunciado no início do mês, para o vice-presidente Hamilton Mourão

Para integrantes do governo, apesar de a situação de Onyx ser a mais grave, as mudanças na Casa Civil anunciadas ontem por Bolsonaro são vistas como um prenúncio de uma possível minirreforma ministerial. 

Diante do esvaziamento de sua pasta, Onyx decidiu antecipar seu retorno ao Brasil e, segundo apurou o Estado, tem a expectativa de se reunir ainda hoje com Bolsonaro. Oficialmente, o ministro só voltaria ao trabalho na segunda-feira, após duas semanas nos Estados Unidos. Procurados, Onyx e Santini não responderam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.