Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Osmar Terra nega ter recebido convite de Bolsonaro para assumir Ministério da Saúde

Deputado e ex-ministro diz que 'é melhor que Mandetta se afine com o presidente'

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 14h05

BRASÍLIA - Com o nome ventilado para assumir o Ministério da Saúde em pleno avanço da covid-19, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) negou terça-feira, 7, ter recebido convite do presidente Jair Bolsonaro para ocupar o lugar de Luiz Henrique Mandetta (DEM). Terra disse que apenas foi chamado ontem por Bolsonaro para almoço no Palácio do Planalto para tratar do uso da hidroxicloroquina.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'É melhor que o ministro Mandetta se afine com o presidente. Acho que não precisa trocar ministro. Não sou candidato. Pode ser qualquer um, se tivesse que trocar. Tem muita gente competente aí, mais competente do que eu'
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Osmar Terra, deputado, em entrevista à Rádio Bandeirantes

Ex-ministro da Cidadania, o deputado concorda com Bolsonaro em relação ao relaxamento de medidas restritivas e defende "experimentar" cloroquina para pacientes com sintomas iniciais da covid-19. Os dois temas – a quarentena e o medicamento – são controvérsias entre Bolsonaro e Mandetta.

"O que tenho afirmado é que essa quarentena não tem sentido. Está sacrificando a população, quebrando o país e não diminui o número de casos", disse Terra ao apresentador José Luiz Datena.

"O vírus é uma força da natureza. Só vai diminuir o contágio quanto tiver metade da população contaminada. E só vai diminuir a epidemia quando chegar a 70%, 80% da população contaminada. Tem de proteger idosos e doentes. Juntar as pessoas em casa aumenta o contágio", afirmou o deputado, que é médico, mas contraria visões da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde sobre o isolamento social.

A crise aberta entre Bolsonaro e Mandetta escalou durante a segunda-feira, 6, no dia seguinte ao presidente dizer que iria "chegar a hora" de que pessoas que estavam "se achando" no seu governo. À noite, após ser recebido sob aplausos por técnicos do Ministério da Saúde, Mandetta anunciou que permanece no cargo. Ele pediu “paz” para chefiar a pasta e, sem citar diretamente Bolsonaro, reclamou de críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.