Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

Verifica: Negacionistas usam fake news para atacar Cúpula do Clima

Os cientistas têm verificado que eventos climáticos extremos se tornaram cada vez mais frequentes

Alessandra Monnerat, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 05h00

Em Glasgow, no Reino Unido, representantes de cerca de 190 países se reúnem na COP-26, a Conferência do Clima da ONU, para definir estratégias de enfrentamento à ameaça real das mudanças climáticas. Nas redes sociais, no entanto, grupos negacionistas semeiam dúvidas sobre um tópico sobre o qual há forte consenso científico: a interferência humana no aquecimento do planeta.

No Facebook, voltou a circular uma foto histórica, da época da instalação da Usina de Itaipu, que mostra o Rio Paraná seco. A postagem enganosa afirma que crises hídricas como a que o País vive agora – a pior dos últimos 91 anos – sempre existiram. A imagem do rio esvaziado, no entanto, foi feita quando a obra da hidrelétrica foi finalizada e as comportas foram fechadas para enchimento do reservatório.

Outra foto antiga, de uma seca nas Cataratas do Iguaçu na década de 1970, também foi utilizada por desinformadores para afirmar que a natureza é cíclica. Mas o fato é que, embora o Parque Nacional do Iguaçu tenha enfrentado secas no passado, os cientistas têm verificado que temperaturas mais altas e eventos climáticos extremos se tornaram cada vez mais frequentes em todo o planeta. Somente neste ano, foram registradas enchentes na Alemanha e na China, ondas de calor nos Estados Unidos e na Espanha e incêndios florestais na Turquia e na Rússia.

Negacionistas do clima também apostam na estratégia de “atirar no mensageiro” – ou seja, atacar ativistas que alertam sobre a urgência da crise climática. Txai Suruí, brasileira de 24 anos que discursou na COP-26, foi alvo nesta semana de postagens que questionavam seu pertencimento indígena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.